O Que Significam o Monte Gerizim e o Monte Ebal?

O Monte Gerizim é uma montanha que fica na Palestina, na região ao sul do vale onde estava localizada a cidade bíblica de Siquém. Já o Monte Ebal é outra montanha que fica no mesmo vale, porém mais ao norte.

Quando o povo de Israel entrou na Terra Prometida, foi realizada uma importante cerimônia envolvendo as duas montanhas. Isso fez com que o Monte Gerizim passasse a ser frequentemente chamado de “monte da bênção”; e o Monte Ebal de “monte da maldição”.

Como são as montanhas de Gerizim e Ebal?

O Monte Gerizim e o Monte Ebal possuem aproximadamente 940 metros de altitude acima no nível do mar. Mas contanto apenas sua medida acima do vale, os montes não passam dos 430 metros de altura.

As características geográficas do lugar onde ficam os Montes Gerizim e Ebal, formam um tipo de anfiteatro natural. Isso significa que ali há uma acústica muito boa. Se for feito em determinadas posições da montanha, o lugar é perfeito para um discurso ao ar livre. Isso porque o som da voz pode percorrer grandes distâncias.

Curiosamente, próximo ao topo do Monte Gerizim há uma saliência que popularmente é conhecida como “púlpito de Jotão”. Supostamente teria sido dali que Jotão pronunciou sua fábula aos homens de Siquém que estavam lá em baixo (Juízes 9:7).

O significado do Monte Gerizim e do Monte Ebal

O Monte Gerizim e o Monte Ebal são mencionados com destaque nas instruções sobre a cerimônia solene de bênçãos e maldições que devia ser celebrada no vale entre as duas montanhas (Deuteronômio 11:26-32; 27-30).

No final de um discurso de Moisés em que ele, sob inspiração divina, falou sobre a importância e a obrigação do povo de Israel de amar ao Senhor e obedecer a sua Lei, o líder hebreu apontou para o horizonte em direção a Gerizim e Ebal. Então ele disse aos israelitas que quando eles entrassem na Terra Prometida, bênção deveria ser proferida sobre o Monte Gerizim; e maldição deveria ser proferida sobre o Monte Ebal.

Posteriormente Moisés ainda deu mais instruções sobre como deveria ser a liturgia em Gerizim e Ebal. Por exemplo: Moisés ordenou que seis tribos de Israel se prostrassem no Monte Gerizim. Essas seis tribos deveriam pronunciar as bênçãos que seriam derramadas por Deus em resposta a obediência do povo. As outras seis tribos restantes deveriam ir ao Monte Ebal e pronunciar as maldições que sobreviriam em caso de desobediência.

Em seguida, os levitas tinham que recitar uma série de maldições ao povo, denunciando pecados cometidos contra o Senhor ou contra o próximo. A proclamação trazia doze maldições sobre doze categorias de delitos que incluíam, até mesmo, certos pecados que porventura fossem cometidos em segredo.

Então todo o povo deveria responder solenemente com um “amém”, indicando publicamente que os israelitas estavam reprovando aquelas práticas pecaminosas (Deuteronômio 27:9-28:68).

No fim de seu último discurso, novamente Moisés reiterou a cerimônia que devia ser celebrada em Gerizim e Ebal com as conhecidas palavras: “Os céus e a terra tomo, hoje, por testemunhas contra ti; que te propus a vida e a morte, a bênção e a maldição […]” (Deuteronômio 30:19).

A cerimônia no Monte Gerizim e no Monte Ebal foi finalmente realizada por Josué, conforme a instrução de Moisés (Josué 8:30-35). Por causa desse contexto, o Monte Gerizim ficou conhecido como significando o monte das bênçãos; enquanto que o Monte Ebal foi chamado de monte das maldições.

Receber Estudos da Bíblia

O Monte Gerizim e os samaritanos

Mais tarde, já durante as tensões envolvendo judeus e samaritanos, os samaritanos edificaram um templo no topo do Monte Gerizim. Esse templo durou poucos séculos e acabou sendo destruído pelo governante hasmoneano João Hircano em 128 a.C.

Todavia, isso não impediu que os samaritanos continuassem adorando no Monte Gerizim. No tempo de Jesus, por exemplo, a adoração no Monte Gerizim era uma prática dos samaritanos. Inclusive, no diálogo entre Jesus e a mulher samaritana, a mulher questionou Jesus sobre o local apropriado para adoração, se devia ser no Monte Gerizim ou no Templo em Jerusalém que ficava no Monte Sião.

Mas Jesus tratou de explicar àquela mulher que o Deus Todo-Poderoso não era um tipo de divindade tribal cuja presença estaria restrita apenas a um certo território supostamente sagrado. Ao contrário disso, Jesus disse que os verdadeiros adoradores adoram ao Pai em espírito e em verdade (João 4:20,21).

Depois do período do Novo Testamento, um templo dedicado a Jupiter foi construído pelos romanos na encosta norte do Monte Gerizim. Há também no monte ruínas do que parece ter sido uma igreja cristã que data de aproximadamente 5 d.C.

Mas ainda hoje os samaritanos têm grande estima pelo Monte Gerizim. Eles acreditam que ali é o local onde altares foram construídos a Deus desde Adão até Abraão. Por isso muitos samaritanos vivem na moderna Nablus, ao pé do Monte Gerizim. Entenda quem eram os samaritanos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close