Quem Foram Agur e o Rei Lemuel?

Agur e o rei Lemuel são dois sábios que aparecem entre os autores do livro de Provérbios no Antigo Testamento. Pouco se sabe sobre quem foram esses dois homens. Os textos bíblicos apenas dizem que Agur era filho de Jaque, e que Lemuel foi um rei de Massá (Provérbios 30:1; 31:1).

As identidades de Agur e Lemuel são muito debatidas. Inclusive, há uma tradição judaica que consideram esses dois nomes como pseudônimos de Salomão; numa tentativa de atribuir toda a autoria do livro de Provérbios ao rei israelita.

Mas identificar Agur e o rei Lemuel como designações alternativas para Salomão exige uma interpretação muito forçada do texto. Além disso, não há qualquer evidência de que Salomão algum dia tenha sido identificado dessa forma.

Outra informação interessante é que Agur e Lemuel aparentemente eram da mesma região, um lugar chamado Massá. Além disso, Lemuel era o rei daquelas terras. Aqui vale lembrar que Massá era o sétimo dos doze príncipes de Ismael que, ao que parece, se estabeleceu na Arábia (cf. Gênesis 25:14). Então Massá provavelmente era o nome da terra ocupada pelo clã ismaelita.

Contudo, é preciso admitir que as primeiras linhas dos capítulos 30 e 31 de Provérbios apresentam algumas dificuldades de tradução que tornam ainda mais difícil identificar quem eram Agur e Lemuel. Por exemplo: alguns intérpretes sugerem que a palavra Massá, que traduz o hebraico hamassa, não deveria ser traduzida como nome próprio, mas como “oráculo”.

Se isto estiver correto, então Agur não seria da localidade de Massá. Mas a questão é que o mesmo termo hebraico aparece no provérbio seguinte e pode ser lido naturalmente como um nome próprio que indica um lugar ou um povo. Daí é traduzido “rei Lemuel, de Massá” (Provérbios 31:1).

Considerando todas essas dificuldades, talvez a melhor interpretação seja entender que Agur e Lemuel eram dois sábios ismaelitas de Massá que tiveram contato com a literatura hebraica de sabedoria. O próprio texto bíblico diz que a sabedoria do rei Salomão teve um alcance internacional naquele tempo (cf. 1 Reis 4:30,31).

Agur

Em sua coleção de provérbios, Agur fala sobre a sabedoria. Ele reflete sobre como a genuína sabedoria provém do Senhor em contraste com a pequenez e os limites da sabedoria humana. Agur também destaca a suficiência e o caráter imutável da Palavra de Deus.

Em seus provérbios, Agur demonstra uma profunda humildade e rejeição pela arrogância. Ele termina sua reflexão com uma série de provérbios que indicam certas qualidades recomendáveis e atitudes condenáveis. Sua denuncia contra a ganância é um dos provérbios mais conhecidos. Ele escreve: A sanguessuga tem duas filhas, a saber: Dá e Dá (Provérbios 30:15).

Dependendo da forma como é traduzido o primeiro versículo dos provérbios de Agur, pode haver uma possível referência aos seus supostos destinatários. Isso acontece porque a declaração hebraica traduzida como: “Fatiguei-me, ó Deus; fatiguei-me, ó Deus, e estou exausto”, também pode ser traduzida por nomes próprios. Nesse caso a tradução seria: “A Itiel; a Itiel e a Ucal”. Mas a primeira alternativa parece ser a mais provável e harmônica ao texto.

Receber Estudos da Bíblia

Rei Lemuel

O rei Lemuel registra em seus provérbios uma série de conselhos de sua mãe e destaca o papel de protetor do povo que deve ser exercido pelo rei prudente. Os conselhos da mãe do rei Lemuel incluem advertências contra a embriaguez e a imoralidade, e trazem encorajamentos para que o governante pratique a justiça e a retidão, especialmente em amparo aos pobres e necessitados.

Nesses provérbios há uma notável influencia do aramaico. Como Israel não teve nenhum rei chamado Lemuel, alguns comentaristas enxergam nos sinais de outro dialeto no texto além do hebraico, um indicativo de que, de fato, Lemuel era um rei estrangeiro.

Conforme já foi explicado, há uma tradição que considera o nome Lemuel, que significa “pertence a Deus”, um pseudônimo para o rei Salomão. Mas a maioria dos eruditos considera isso muito improvável.

A última seção de Provérbios 31 traz um poema acróstico que louva a mulher virtuosa (Provérbios 31:10-31). Por causa das claras diferenças em relação aos versos anteriores, alguns comentaristas sugerem que essa seção final não foi registrada pelo rei Lemuel.

Apesar de não sabermos muita coisa sobre Agur e Lemuel, o importante é sabermos que esses dois sábios desconhecidos registraram seus provérbios pela inspiração divina. O Espírito Santo os conhecia muito bem. Aprenda mais sobre as histórias dos principais personagens da Bíblia com a nossa Enciclopédia de Biografias Bíblicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close