Estudo Sobre a Carta à Igreja de Éfeso

A igreja de Éfeso é uma das igrejas locais mencionadas no Novo Testamento da Bíblia Cristã. O início dessa igreja foi registrado por Lucas no livro de Atos dos Apóstolos. Depois a igreja de Éfeso se tornou a destinatária de uma epístola paulina e de uma das cartas do Apocalipse.

A igreja de Éfeso ficava numa cidade rica e importante. Éfeso era uma grande cidade em seu tempo, a mais importante da Ásia. A população da cidade era muito idólatra, pois ali ficava localizado o mundialmente conhecido Templo da deusa Diana. Além disso, muitos judeus moravam ali e tinham liberdade para seguir com suas práticas judaicas na cidade.

Quem fundou a igreja de Éfeso?

Em aproximadamente 52 d.C., o apóstolo Paulo passou pela cidade de Éfeso durante sua segunda viagem missionária. Ele estava acompanhado de outras pessoas, como Priscila e Áquila. A Bíblia diz que em Éfeso, Paulo entrou na sinagoga e disputou com os judeus. Naquela ocasião parece que a comunidade judaica de Éfeso recebeu bem a mensagem de Cristo, pois os judeus pediram que Paulo ficasse ali mais um tempo (Atos 18:19-21).

Paulo tinha um compromisso em Jerusalém e não pôde ficar na cidade. Mas Priscila e Áquila permaneceram em Éfeso e pouco depois acabaram conhecendo Apolo, um judeu de Alexandria. Foi esse casal de amigos do apóstolo Paulo que anunciou o Evangelho a Apolo, que depois disso se tornou um valoroso pregador das boas novas de salvação em Cristo (Atos 18:24-28).

Mais tarde Paulo retornou a Éfeso e acabou encontrando alguns discípulos de João Batista. Paulo lhes anunciou as verdades de Cristo e eles foram batizados e receberam o Espírito Santo (Atos 19:1-7).

Depois Paulo pregou com ousadia durante três meses na sinagoga judaica em Éfeso. Foi nesse tempo que muitos judeus endurecidos rejeitaram o Evangelho e se tornaram violentos opositores aos cristãos (Atos 19:23-41).

Mas o apóstolo Paulo continuou trabalhando em Éfeso por quase três anos. A Bíblia diz que “Deus, pelas mãos de Paulo, fazia maravilhas extraordinárias” (Atos 19:11). Então houve um verdadeiro avivamento local naquela cidade. O nome do Senhor Jesus era engrandecido ali, e muitos judeus e gentios creram e receberam o Evangelho. Inclusive, muitos dos habitantes da cidade que seguiam artes mágicas trouxeram seus livros e os queimaram publicamente (Atos 19:17-20).

A igreja de Éfeso cresceu de forma tão extraordinária que a economia da cidade que dependia da venda de artefatos religiosos, foi ameaçada. Nesse contexto um ouvires chamado Demétrio, liderou um princípio de tumulto na cidade (Atos 19:24-41). Contudo, a obra do Senhor naquela cidade não podia ser impedida. A igreja de Éfeso estava estabelecida e serviu como um centro propagador do Evangelho para as regiões vizinhas. Além de Paulo, Timóteo e o apóstolo João estiveram envolvidos na igreja de Éfeso.

A carta à igreja de Éfeso

Entre 60 e 63 d.C. o apóstolo Paulo enviou de Roma uma carta aos crentes efésios para ensiná-los acerca do significado maravilhoso de das implicações práticas de ser a Igreja de Cristo (Carta aos Efésios). Parece que essa carta não ficou restrita apenas aos crentes de Éfeso, mas circulou nas cidades vizinhas.

Mas o tempo passou e uma nova geração de crentes surgiu em Éfeso. Foi a essa nova geração que o Senhor Jesus ditou ao apóstolo João a carta à igreja de Éfeso registrada no livro do Apocalipse. Como a data mais provável para o livro do Apocalipse é a década de 90 d.C., a carta à igreja de Éfeso foi escrita cerca de quarenta anos depois de aquela igreja ter sido fundada.

Na carta à igreja de Éfeso o Senhor Jesus se apresenta como “Aquele que conserva na mão direita as sete estrelas e que anda no meio dos sete candeeiros de ouro” (Apocalipse 2:1). Essa autodesignação de Cristo serviu para assegurar aos crentes de Éfeso que Ele é quem tem o controle da Igreja nas mãos. Ele dirige seus líderes e conhece as suas necessidades. Ele caminha no meio do Seu povo.

Depois da saudação e autodesignação de Cristo, a carta à igreja de Éfeso traz ainda um elogio, uma crítica, uma exortação e uma promessa.

Elogio à igreja de Éfeso

A igreja de Éfeso foi elogiada pelo Senhor Jesus por suas boas obras, trabalho árduo e perseverança. Aqueles cristãos trabalhavam pela causa do Evangelho. Além disso, a igreja de Éfeso também era intolerante com os homens perversos. A igreja pôs à prova homens que se diziam ser apóstolos, e descobriu que na verdade eles eram impostores (Apocalipse 2:2).

A igreja de Éfeso também odiava as práticas dos nicolaítas que seguiam falsos líderes e propagavam ensinos que tinham por objetivo fazer os crentes tropeçarem (Apocalipse 2:6; cf. 2:14).

Perseverantes, os crentes efésios também suportavam sem desfalecer os sofrimentos por causa do nome de Cristo. Em Éfeso havia muito idolatria que movimentava a economia da cidade. Como o Evangelho reprovava o paganismo presente na cidade, naturalmente isso resultava em perseguição por parte dos incrédulos idólatras.

Além do mais, na cidade de Éfeso também havia um templo dedicado ao culto do imperador. A liderança romana obrigava os cidadãos da cidade a reconhecer a suposta divindade do imperador romano – que naquele tempo era Domiciano. Então ao invés de os crentes declararem o senhorio de César, eles declaravam o senhorio de Cristo. Tudo isso obviamente culminava num ambiente hostil e de intensas perseguições aos cristãos fieis.

Receber Estudos da Bíblia

Crítica e advertência à igreja de Éfeso

A igreja marcada por boas obras, trabalho duro e perseverança, também tinha um sério problema. Os crentes efésios tinham abandonado o primeiro amor (Apocalipse 2:4). A primeira geração da igreja de Éfeso tinha passado, e com ela também parece que o entusiasmo e a devoção fervorosa a Cristo também tinham ficado no passado. Faltava a essa nova geração a intensidade no amor pelo Evangelho que seus pais tiveram quando ouviram as boas novas de Cristo pela primeira vez.

Parece que os crentes efésios daquele tempo estavam mais apegados ao dever do que à devoção. Eles permaneciam fieis, mas faltava a eles o amor entusiasmado que já tinham demonstrado um dia. Eles eram guardiões da fé, mas não eram mais os arautos que tinham sido no início de sua história.

Nesse ponto a igreja de Éfeso parecia aquele tipo casal que depois de muito tempo ainda permanece fiel um ao outro pelos laços do matrimônio, mas falta o amor caloroso do início do casamento.

Na carta à igreja de Éfeso também vemos que aquela comunidade cristã foi convidada pelo Senhor Jesus a refletir sobre sua queda e se arrepender de seu erro para voltar a praticar suas primeiras obras (Apocalipse 2:5). Perceba então que Jesus não apenas criticou a igreja de Éfeso, mas advertiu acerca de como ela poderia corrigir o que estava errado.

Mas o Senhor Jesus também assegurou que se aquela comunidade falhasse em responder adequadamente ao Seu chamado de advertência, Ele a visitaria e tiraria o seu candelabro do seu lugar (Apocalipse 2:5). Isso significava que como congregação local, a igreja de Éfeso deixaria de existir.

Registros dos primeiros anos do Cristianismo confirmam que aquela geração de cristãos de Éfeso escutou as palavras de Jesus. Inácio de Antioquia, por exemplo, escreveu uma carta à igreja de Éfeso pelo menos dez anos depois da carta presente no Apocalipse. Em sua carta, Inácio elogia aquela congregação por sua perseverança e zelo pelo Evangelho. Mas posteriormente a ameaça do Senhor Jesus foi cumprida. Chegou o tempo em que a igreja de Éfeso deixou de existir.

Promessa à igreja de Éfeso

A carta à igreja de Éfeso termina com uma maravilhosa promessa. Antes, porém, o Senhor Jesus deixa a exortação comum em todas as cartas: Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas. Essa é uma expressão idiomática que nesse contexto significa que os crentes devem ouvir com atenção e obediência as palavras que Cristo fala através do Espírito.

Depois vem a promessa: “Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida que está no meio do paraíso de Deus” (Apocalipse 2:7). É importante enfatizar que aqui o vencedor não vence por seus próprios méritos, mas pelos méritos do próprio Cristo que conquistou a vitória definitiva para o Seu povo. Mas ao mesmo tempo os redimidos são chamados a ter uma vida de santificação. Eles devem lutar contra o pecado e contra toda obra maligna de Satanás.

Com relação aos crentes efésios, na cidade de Éfeso havia grandes banquetes dedicados aos ídolos. Os pagãos procuravam atrair os cristãos para os seus cultos idólatras com esses banquetes. Mas os fieis receberam de Cristo a promessa de um banquete muito melhor. Eles haveriam de comer da árvore da vida, ou seja, não estava reservada para eles uma mera alegria passageira, mas, sim, a vida eterna no paraíso celeste.

Que tal fazer Bacharel em Teologia sem mensalidades? Clique aqui! Pergunta Estudo Bíblico
Botão Voltar ao topo
Fechar