A Mordomia das Finanças: O Que a Bíblia Diz Sobre o Dinheiro?

Todo cristão deve prezar pela boa mordomia das finanças a fim de seguir os princípios bíblicos acerca do trato com o dinheiro. Entender o que a Bíblia realmente fala sobre o dinheiro é essencial para definir se ele será um instrumento de bênção ou maldição em nossas vidas. Como mordomos de nossas finanças, podemos tanto glorificar a Deus através de nossos bens quando desagradá-lo.

Infelizmente, para muita gente o dinheiro tem sido muito mais do que apenas dinheiro. Na verdade ele tem sido um deus que ocupa o principal lugar no coração dessas pessoas. Inclusive esse não é um problema da sociedade moderna, mas algo que remonta os tempos mais remotos. Por isso há tantas recomendações bíblicas sobre a correta mordomia das finanças.

  • Veja também: Quer melhorar o aproveitamento de suas aulas da EBD? Conheça um curso completo de formação para professores e líderes da Escola Bíblica Dominical. Conheça aqui! (Vagas Limitadas)

Somos mordomos do dinheiro, não donos dele

A primeira coisa a ser considerada quando falamos sobre o dinheiro na Bíblia e a mordomia das finanças, é a verdade de que a Palavra de Deus nos ensina que tudo o que temos vem do Senhor e pertence a Ele. O salmista explica isso dizendo: “Do SENHOR é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam” (Salmo 24:1).

Então na verdade não somos donos de nada do que temos, nem mesmo do dinheiro, mas somos apenas mordomos daquilo que Deus nos concede. Compreender esse ensino bíblico é fundamental por causa de nossa natureza pecaminosa que busca sempre a primeira oportunidade de desviar a glória de Deus e transgredir os seus mandamentos.

Além disso, quando compreendemos que Deus é o dono de tudo que possuíamos, então se torna mais difícil cairmos no erro de nos vangloriarmos por aquilo que administramos com Sua permissão. Se tivermos ou não tivermos algo, tudo é pela misericórdia e bondade de Deus, e cabe a nós aprender a lição do contentamento (Filipenses 4:11).

Esse princípio bíblico da mordomia cristã também nos leva a confrontar falsos ensinos que têm se espalhado por aí. Especialmente com relação à mordomia das finanças, teologias não-bíblicas têm se popularizado cada vez mais nos últimos tempos, como a Teologia da Prosperidade e sua irmã mais nova, a chamada Teologia do Coaching.

No geral, essas teologias são humanistas e colocam o homem num lugar que não lhe pertence. A Teologia da Prosperidade, por exemplo, inverte os papeis do homem e de Deus; ou seja, ao invés de o homem ser servo de Deus, Deus é que passa a ser servo do homem para lhe atender em seus caprichos egoístas.

Já a Teologia do Coaching prega que o homem é o senhor de si mesmo e que com a consciência certa ele pode se tornar o dono de seu próprio destino e controlar absolutamente todas as áreas se sua vida com autonomia, inclusive as finanças. Claro que esses ensinos são malignos e buscam apenas destronar o Senhor e entronizar o homem.

Receber Estudos da Bíblia

Como podemos cumprir a boa mordomia das finanças?

O dinheiro é um bem necessário à nossa vida neste mundo. Precisamos do dinheiro para sustentar nossas famílias, ajudar os necessitados e promover a obra do Senhor na terra. Mas para que tudo isso seja feito da forma que agrada a Deus, precisamos nos comprometer com a mordomia das finanças seguindo alguns princípios bíblicos.

1. A mordomia das finanças requer trabalho honesto

Em primeiro lugar, devemos ganhar o nosso dinheiro trabalhando honestamente. O trabalho é o meio através do qual podemos obter os recursos financeiros que precisamos (2 Tessalonicenses 3:10-12). Uma vida ociosa não é aprovada por Deus.

2. Um bom mordomo das finanças não busca enriquecimento ilícito

Consequentemente, em segundo lugar, jamais devemos tentar ganhar dinheiro se envolvendo com coisas ilícitas. A Bíblia condena claramente qualquer meio de enriquecimento fácil que não seja através de um trabalho honesto (Tiago 5:1-6).

3. A mordomia das finanças inclui planejamento

Em terceiro lugar, a boa mordomia das finanças requer um planejamento criterioso sobre como gastamos o dinheiro que recebemos. A Bíblia nos aconselha a não desperdiçar os recursos financeiros que Deus nos dá com coisas desnecessárias (cf. Isaías 55:1,2). A principal finalidade do dinheiro que Deus nos permitir ganhar é que ele sirva para o cuidado de nossas famílias, e isso requer muita responsabilidade (cf. 1 Timóteo 5:8).

4. Um bom mordomo das finanças investe seu dinheiro com prudência

Em quarto lugar, da mesma forma com que devemos gastar o dinheiro com cuidado, também devemos investi-lo com prudência. Antes de tentar construir qualquer coisa com o dinheiro que obtemos através do nosso trabalho, devemos calcular muito bem todos os riscos e possibilidades. Aquele que investe sem planejamento faz papel de tolo (cf. Lucas 14:28-30).

5. Poupar faz parte da mordomia das finanças

Em quinto lugar, não há uma boa mordomia das finanças sem que haja uma consciência de economia. A Bíblia destaca a importância de poupar recursos para um tempo de crise. O sábio é aquele que poupa, mas o insensato é aquele que consume todos os recursos de forma descontrolada (Provérbios 21:20).

6. Jamais se iluda com o dinheiro

Em sexto lugar, o bom mordomo das finanças jamais se ilude com o dinheiro. Não devemos cometer o mesmo erro dos crentes de Laodiceia que diziam: “Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta” (Apocalipse 3:17). Pessoas assim ficam tão iludidas com suas riquezas quem não percebem o tamanho de seu estado de miséria.

7. Fique longe da avareza

Em sétimo lugar, a mordomia das finanças segundo os padrões bíblicos deve nos manter longe da avareza. A Bíblia denuncia claramente o avarento. Se possuir dinheiro não é errado, amar o dinheiro é um terrível pecado. A Palavra de Deus diz que o amor ao dinheiro é raiz de todos os males (1 Timóteo 6:10). Além disso, o amor ao dinheiro é tão perigoso que tão logo faz com que a pessoa esteja servindo a Mamom, e não a Deus (Mateus 6:24).

8. Honre seus compromissos financeiros

Em oitavo lugar, a mordomia das finanças implica que devemos honrar todos os nossos compromissos. Isso inclui o pagamento das dividas, o pagamento dos impostos, o cuidado com o próximo e o custeio da propagação do Evangelho para a expansão do Reino de Deus na terra (cf. Mateus 25:31-46; 22:17-21; Lucas 16:9; Romanos 13:7; Tiago 1:27; etc.).

9. O bom mordomo das finanças sabe que tudo pertence ao Senhor

Em nono lugar, sempre devemos ter em mente que tudo o que temos pertence ao Senhor. Como já foi dito, Deus é o dono de tudo o que possuímos. Por isso devemos agradecê-lo pelas bênçãos que Ele nos concede; devemos dedicar a Ele os nossos bens; e devemos usar todos os recursos que Ele nos dá para o louvor da Sua glória (1 Crônicas 29:11,12; Provérbios 3:9,10). A mordomia das finanças é fundamental para que tenhamos uma vida equilibrada nesta terra e possamos desfrutar das bênçãos do Senhor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close