A História de Neemias: Quem Foi Neemias?

Neemias foi copeiro do rei persa Artaxerxes I e posteriormente o governador de Jerusalém responsável por reconstruir os muros da cidade. A história de Neemias está registrada no livro que traz seu nome.

Esse livro do Antigo Testamento é a única fonte de referência que nos ajuda a saber mais sobre quem foi Neemias, porém ele nos fornece detalhes importantes para que possamos compreender a atuação desse homem levantado por Deus para executar um trabalho tão importante no período após o Cativeiro Babilônico.

A história de Neemias, o copeiro

Neemias era filho de Hecalias (Ne 1:1) e fazia parte da geração de descendentes daqueles que foram levados para a Babilônia pelo rei Nabucodonosor. Após a queda do Império Babilônico diante do Medo-Persa, Neemias aparece na narrativa bíblica com notoriedade.

O nome Neemias significa “o Senhor consolou”. O fato de o texto bíblico não fazer nenhuma menção sobre a esposa ou filhos de Neemias, muitos intérpretes sugerem que ele possa ter sido um eunuco, porém não há nada conclusivo sobre isso.

Na corte persa, Neemias possuía um cargo muito importante e de grande responsabilidade, pois ele era o copeiro pessoal do rei persa Artaxerxes I (465-424 a.C.). Isso fazia dele um membro da corte real que possuía grande influência e prestígio devido a sua proximidade com o rei e a confiança que ele desfrutava, já que seu trabalho não envolvia apenas escolher o vinho do rei (Ne 2:1), mas evitar que ele fosse envenenado.

A preocupação de Neemias com Jerusalém

No vigésimo ano de reinado de Artaxerxes, entre novembro e dezembro de 446 a.C., Neemias recebeu notícias sobre a situação caótica em Jerusalém e a miséria de seu povo. Além disso, ele também ficou sabendo que os muros da cidade estavam destruídos e seus portões queimados (Ne 1:1-3).

Isso fez com que Neemias ficasse bastante angustiado, e ele jejuou e orou pedindo pela misericórdia de Deus (Ne 1:4-11). Depois, entre março e abril de 445 a.C., enquanto servia na corte, o rei persa percebeu a tristeza no semblante de Neemias e lhe perguntou qual era o motivo de sua tristeza.

Neemias explicou seu problema ao rei e conseguiu dele a permissão para retornar a Jerusalém e reconstruir os muros da cidade, além do material necessário para tal empreendimento. O texto bíblico deixa bem claro que tudo isso aconteceu porque “a mão de Deus” era com Neemias (Ne 2:1-8).

Neemias reconstrói os muros da cidade

Após obter a autorização necessária, Neemias partiu para Jerusalém. Naquela época, os muros e os portões de uma cidade simbolizavam sua força e dignidade, daí se percebe a importância do trabalho pretendido por Neemias.

Ele foi nomeado como governador da província de Jerusalém, mas a Bíblia descreve o interesse do rei persa no retorno de Neemias, então, inicialmente, foi estabelecido um prazo para que ele cumprisse a tarefa e retornasse ao palácio (Ne 2:6).

Neemias enfrenta oposição

Neemias levou consigo todos os documentos que garantiam a legalidade de suas ações, porém mesmo assim ele precisou enfrentar grande oposição. Na verdade, desde o tempo dos reinados de Ciro (559-530 a.C.) e Dario I (522-486 a.C.) houve oposição contra a reedificação de Jerusalém. Essa perseguição aos judeus também foi vista nos reinados seguintes, nos dias do rei Assuero (486-465 a.C.) e do próprio Artaxerxes (465-424 a.C.).

A grande oposição contra o trabalho de Neemias partiu da parte de Sambalate, o honorita, Tobias, o amonita, e Gesém, o arábio. Esses homens poderosos e astutos tentaram a todo custo prejudicar Neemias.

Essas três pessoas, justamente com seus aliados, afligiram insultos e zombarias, arquitetaram ataques armados, planejaram uma emboscada para capturar Neemias e fazer-lhe mal, plantaram notícias de que o motivo real da reconstrução dos muros era uma suposta rebelião contra a Pérsia, e, inclusive, tentaram induzir Neemias ao erro, fazendo com que ele pecasse por entrar num lugar que só era permitido aos sacerdotes, para que assim pudessem infamá-lo desacreditando-o diante do povo (Ne 2:19,20; 4:1-14; 6:1-14).

Como se não bastasse a forte oposição externa, Neemias também precisou lidar com a oposição interna, causada especialmente por problemas econômicos e sociais, que levaram a população de Judá à beira de um colapso.

O contexto histórico daquele momento explica a razão dos problemas internos. Judá estava isolada comercialmente, e os trabalhos no muro fizeram com que a produção de cereais caísse, já que os camponeses estavam envolvidos na reconstrução (Ne 4:22).

As condições climáticas também agravaram a crise de alimentos (Ne 5:3), e soma-se a tudo isso o fato de que os últimos administradores haviam explorado a população (Ne 5:15). Tais condições fizeram com que muitos hipotecassem suas propriedades ou tomassem dinheiro emprestado, tanto para comprar alimentos como para pagar os autos impostos (Ne 5:2-5).

Neemias foi um habilidoso líder e administrador

Apesar de toda oposição que, durante um tempo, conseguiu atrapalhar as obras de reconstrução, Neemias se mostrou um grande líder, que, com muita habilidade, conseguiu prover a organização e a motivação necessária para que o trabalho fosse concluído.

Neemias soube interpretar muito bem as ameaças externas, foi prudente para não cair em ciladas e soube gerir os problemas internos. Após 52 dias, entre agosto e setembro de 445 a.C., a obra de reconstrução dos muros foi concluída (Ne 6:15).

Quando o trabalho foi sido finalizado, Neemias tomou algumas ações para melhorar a vida em Jerusalém. Ele estabeleceu alguns funcionários e lhes delegou autoridade para que pudessem contribuir com um governo mais justo naquela província.

Neemias também implementou uma estratégia de proteção da cidade ao ordenar que um, entre dez judeus, deveriam residir dentro dos muros da cidade. Ele trabalhou para corrigir vários abusos que existiam no meio do povo através de um programa de reformas.

Neemias teve grande participação na revitalização da adoração em Jerusalém, santificando a nação ao conduzi-la a uma renovação da aliança através da leitura e exposição da Lei feita pelo sacerdote Esdras (Ne 7:73-8:18), da confissão dos pecados (Ne 9:1-37) e do juramento em que o povo se prometeu em guardar os mandamentos da Lei.

Neemias também se preocupou com a celebração das festas judaicas, sobretudo a Festa dos Tabernáculos (Ne 8:13). As reformas de Neemias também incluíram um melhor apoio ao sacerdócio e a purificação do Templo, a separação dos estrangeiros a fim de que a corrupção religiosa e a idolatria fossem evitadas (Ne 13:1-3), e a conscientização acerca do erro quanto ao casamento misto.

Não é possível afirmar com exatidão quanto tempo durou o período de liderança de Neemias, pois provavelmente esse período foi intermitente. Como já foi dito, sabemos apenas que inicialmente seu período de liderança em Jerusalém teve um prazo fixo estabelecido, começando no 21º ano de Artaxerxes I.

Talvez esse prazo tenha sido prolongado devido às demandas em Jerusalém. Depois, somos informados que no 32º ano de Artaxerxes Neemias retornou à Babilônia para ir ter com o rei, e “ao cabo de certo tempo” ele conseguiu nova liberação para voltar a Jerusalém (Ne 13:6).

O problema é que não se sabe quanto tempo durou esse período em que Neemias esteve ausente de Jerusalém. Pelo menos durante algum tempo, Neemias foi contemporâneo de outros personagens bíblicos como Esdras e o profeta Malaquias.

Outra questão bastante discutida é sobre a relação entre o ministério de Neemias e Esdras, no caso, para se determinar quem chegou primeiro a Jerusalém. A tradição sempre afirmou que Esdras foi o primeiro a chegar, mas algumas interpretações modernas tentaram contestar essa afirmação invertendo essa ordem.

De qualquer modo, o conteúdo do livro de Neemias aponta para a sugestão mais tradicional, e é amplamente aceito que Esdras foi o primeiro a chegar. Neemias e Esdras aparecem juntos em algumas ocasiões, como na leitura da Lei e a dedicação do muro da cidade (Ne 8:9; 12:26,36).

Também quando falamos sobre a história de Neemias, é importante saber que existem outros dois personagens bíblicos com esse mesmo nome e que não devem ser confundido com esse Neemias que reconstruiu os muros de Jerusalém. O primeiro foi um exilado que retornou do exílio com Zorobabel (Ed 2:2; Ne 7:7) e o outro era o filho de Azbuque, que também ajudou nas obras de reconstrução dos muros (Ne 3:16).

O exemplo de Neemias

Neemias foi um homem de caráter. Ele é descrito como uma pessoa de oração (Ne 2:4; 4:4,9; 5:19; 6:9,14; 13:14,22,29,31) e Deus abençoou seu trabalho poderosamente. Ele era um líder talentoso e carismático, que expressava um patriotismo inspirador.

Neemias era íntegro, rígido com relação à justiça e demonstrava grande humildade, bondade e piedade. Ele possuía uma fé verdadeira no Deus de Israel, e era especialmente comprometido com o zelo pelo culto ao Senhor.

Diante de tantas afrontas e perseguições, é inegável que Neemias foi um homem determinado, concentrado, dedicado e persistente. Por ser um líder-nato, ele conseguiu transmitir tais características a ponto de formar um grupo que, juntamente com ele, não desistiu da obra que deveria ser realizada.

Com base na história de Neemias, percebemos que ele era uma pessoa de ação, e, impulsionado por sua fé, ele não ficava apenas esperando que algo sobrenatural acontecesse, antes, se esforçava para fazer o que tinha que ser feito. Quando estudamos sobre quem foi Neemias, certamente podemos enxergar que ele foi um homem de Deus, levantado estrategicamente no momento certo, para cumprir a tarefa que lhe foi comissionada.

Aplicativo de Estudo Bíblico

Você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.