Jesus Teve Irmãos? Quem Eram os Irmãos de Jesus?

Sim, a Bíblia afirma claramente que Jesus teve irmãos e irmãs em diversas passagens do Novo Testamento. Os nomes dos irmãos de Jesus mencionados nos textos bíblicos são: Tiago, José, Judas e Simão (Marcos 6:3).

Na verdade a discussão sobre se Jesus teve irmãos de sangue, isto é, meio-irmãos por parte de Maria, se concentra especialmente na questão da virgindade perpétua de Maria, defendida por antiguíssimas tradições cristãs. Ao contrário do que alguns pensam, esse debate não se resume apenas entre católicos e protestantes modernos, mas remonta o período dos pais da Igreja.

Portanto, muito se discute se os irmãos do Senhor Jesus eram filhos de Maria ou apenas eram filhos de José, sendo assim irmãos de criação, ou mesmo, se na verdade, tais pessoas mencionadas como sendo seus irmãos eram, na realidade, seus primos ou discípulos.

Maria permaneceu virgem?

Antes de falarmos sobre os irmãos de Jesus, precisamos abordar rapidamente a questão da virgindade de Maria. Algumas tradições cristãs muito antigas se esforçaram para apontar a virgindade perpétua de Maria. Como já foi dito, tal debate, e consequentemente a afirmação de que Maria permaneceu virgem, data desde o tempo dos pais da Igreja.

Com o tempo, essa questão passou, sobretudo, a ser utilizada para defender um suposto estado de impecabilidade de Maria. Sobre isso, o que se pode dizer é que a Bíblia é extremamente clara ao afirmar que todos pecaram, incluindo, obviamente, Maria (Romanos 3:23), e que Jesus é o único em quem nunca se achou pecado (Hebreus 4:15; 7:26; 1 Pedro 2:21-25).

Também é verdade que nem todos que ao longo da História do cristianismo defenderam a virgindade perpétua de Maria, o fizeram com o propósito de certa forma divinizá-la, reconhecendo-a como imaculada.

A grande verdade é que defender a virgindade perpétua de Maria apenas sobre essa ótica não faz qualquer sentido, visto que a relação sexual dentro do matrimônio nunca é identificada como um ato pecaminoso nas Escrituras (Gênesis 1:28; 9:1; 24:60; Provérbios 5:18; Salmos 127:3; 1 Coríntios 7:5,9), nem mesmo o celibato é exaltado como sendo uma condição que confere maior santidade a alguém, ao contrário, na vida matrimonial ele é explicitamente reprovado (1 Coríntios 7:3-5).

Nos Evangelhos, a única afirmação explicita que encontramos sobre a situação de Maria está registrada em Mateus 1:25, onde é dito que José levou Maria para sua casa como esposa, “porém não a conheceu até que deu à luz um filho”.

A palavra original traduzida como “conheceu” é o grego ginosko, que no presente contexto significa uma expressão idiomática para se referir à relação sexual entre homem e mulher, ou seja, o que o texto está dizendo literalmente é que José não teve relações sexuais com ela até o nascimento de Jesus.

Uma leitura natural do texto parece indicar que José e Maria tiveram uma vida matrimonial normal após o nascimento de Cristo. Todavia, vale dizer que a partícula traduzida como “até” nem sempre significa um acontecimento que altera a condição anterior da oração, que nesse caso é a castidade de Maria.

Por tanto, esse texto não deve ser utilizado como o único argumento, mas sim em harmonia com outras passagens bíblicas que lançam luz sobre esse tema.

Também é preciso considerar que há quem defenda que mesmo que Maria tenha tido uma vida matrimonial normal ao lado de seu marido, não necessariamente significa que ela tenha engravidado. Assim, estes sugerem que Maria não permaneceu virgem, mas que Deus fechou sua madre.

Obviamente a dificuldade dessa interpretação é que em nenhum lugar a Bíblia afirma que Maria se tornou estéril após o nascimento de Jesus, por tanto, é apenas uma especulação.

Receber Estudos da Bíblia

Os irmãos de Jesus eram filhos de Maria?

Até agora vimos que existe apenas um texto bíblico que, naturalmente, mas não exaustivamente, favorece muito mais a interpretação de que Maria não permaneceu virgem após o nascimento de Jesus.

Por outro lado, encontramos de forma explicita na Bíblia a informação de que Jesus teve irmãos (Mateus 12:46,47; Marcos 3:31,32; 6:3; Lucas 8:19,20; João 2:12; 7:3,5,10; Atos 1:14).

Entretanto, alguns argumentam que esses irmãos de Jesus eram filhos apenas de José e não de Maria. O problema com esse argumento é que não há na Bíblia uma única informação de que José tinha outros filhos fora de seu casamento com Maria, talvez num possível casamento anterior.

Na verdade, apesar de nenhum texto ao menos tratar dessa possibilidade, os relatos dos Evangelhos que descrevem o período de pré-nascimento de Jesus, dificilmente parecem indicar que aquele era um segundo casamento de José.

Portanto, para defender esse argumento é preciso inferir uma informação que não está no texto. Em contrapartida, as referências que falam sobre os irmãos de Jesus deixam bem claro que esses irmãos evidentemente eram membros da mesma unidade familiar de Jesus, visto que, inclusive, aparecem por mais de uma vez mencionados ao lado de Maria.

Alguns também perguntam sobre o motivo de Jesus, na hora de sua morte, ter confiado Maria a João, seu discípulo amado, visto que seus irmãos poderiam ampará-la (João 19:26,27). Talvez a melhor resposta para essa questão seja considerar que naquele momento seus irmãos ainda não compartilhavam da verdadeira fé (João 7:5), e muito provavelmente nem mesmo estavam presentes no Calvário.

Os irmãos de Jesus eram na verdade seus primos?

Esse é o principal argumento utilizado por quem defende que Jesus não teve irmãos de sangue, e se baseia na verdade de que no hebraico se utiliza a mesma palavra para “irmão” e “primo”.

O problema é que o Novo Testamento não foi escrito em hebraico, mas em grego, onde existem palavras diferentes para “irmão”, adelpho, e para “primo”, anepsios. Alguns até alegam que os escritores neotestamentários estavam escrevendo em grego, mas se dirigindo a judeus, e que, portanto, utilizaram na língua grega o mesmo conceito nativo do hebraico.

Mas é claro que essa alagação não pode ser sustentada à luz de uma análise mais sensata. Lucas, o escritor neotestamentário de um dos Evangelhos e do livro de Atos dos Apóstolos, era um gentio que escreveu para gentios, e mesmo assim utilizou a palavra grega para irmão quando se referiu aos irmãos de Jesus (Lucas 8:19-20; Atos 1:14).

Lucas era um escritor muito habilidoso e cuidadoso com os detalhes de sua narrativa. Certamente a troca da palavra grega para “primo”, pela palavra grega que significa “irmão”, além de não fazer sentido, não combina em nada com seu estilo de escrita.

Os irmãos de Jesus eram seus discípulos?

Algumas pessoas se apegam no fato de que a palavra grega adelphos também pode significar um fiel companheiro unido não por sangue, mas por laços de afeição ou, então, pela mesma fé, isto é, neste último caso, “irmãos em Cristo”.

É verdade que no Novo Testamento esse termo também é utilizado para se referir à fraternidade dos cristãos no Corpo de Cristo, como fez o apóstolo Paulo para se referir a Timóteo (Filemom 1:1).

Entretanto, nos textos em que essa mesma palavra é aplicada para designar os irmãos de Jesus, tais significados não podem ser sustentados, visto que naqueles dias os irmãos de Jesus ainda não criam nele (João 7:5), portanto não estavam entre seus seguidores devotos.

Além disso, existem textos em que os irmãos de Jesus são mencionados juntamente com seus discípulos, porém de forma claramente distinta (João 2:12; Atos 1:13,14; 1 Coríntios 9:5).

Quem foram os irmãos de Jesus?

Como já foi dito, a Bíblia menciona o nome de quatro irmãos de Jesus. Além de serem citados nos Evangelhos, os irmãos de Jesus também são mencionados no livro de Atos dos Apóstolos perseverando em oração no cenáculo juntamente com os apóstolos, com Maria e os demais seguidores de Cristo que aguardavam a descida do Espírito Santo (Atos 1:14).

Nada se sabe sobre as irmãs de Jesus, mas presume-se que desde seu ministério terreno elas já eram casadas. Quanto aos irmãos de Jesus, sobre José e Simão não há qualquer informação relevante, enquanto que sobre Judas e Tiago, muitos os consideram como sendo os autores das epístolas neotestamentárias que trazem seus nomes.

Sem dúvida, dentre os quatro Tiago é o que aparece com mais destaque, exercendo liderança na Igreja em Jerusalém (Atos 12:17; 15; 21:18,19; Gálatas 2:9,12). O apóstolo Paulo relata que Tiago recebeu a visita do Cristo ressurreto (1 Coríntios 15:5,7), e que provavelmente era casado (1 Coríntios 9:5). Esta última referência pode muito bem incluir Judas.

Conclusão sobre os irmãos de Jesus

Com base em tudo o que foi exposto, a interpretação que parece ser mais razoável para responder a pergunta se Jesus teve irmãos de sangue é a de que os irmãos de Jesus de fato eram seus irmãos por parte de mãe, combinando assim com o que foi escrito por Lucas quando mencionou que Ele era o filho primogênito de Maria (Lucas 2:7).

De qualquer forma, parece evidente que é necessário um esforço muito maior por parte daqueles que negam que Jesus teve irmãos biológicos ao refutar todas as evidências contrárias, do que por parte daqueles que simplesmente entendem que os irmãos de Jesus eram filhos de Maria, sem que isso diminua a pessoa de Maria ou mesmo afronte a divindade de Cristo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close