Lição 4: Isaque, Um Caráter Pacífico

Isaque, Um Caráter Pacífico é o tema da lição 4 das Lições Bíblicas CPAD do 2º trimestre de 2017 para a Escola Bíblica Dominical. Neste estudo bíblico falaremos sobre o exemplo de caráter de Isaque.

Texto Áureo: Gênesis 17:19

Leitura Bíblica em Classe: Gênesis 26:12-25

Introdução – Lição 4: Isaque, Um Caráter Pacífico

Lições Bíblicas 2º Trimestre de 2017 – Escola Bíblica Dominical

A história de Isaque é uma das mais destacadas nas Escrituras. Ele está entre os três grandes patriarcas de Israel, juntamente com Abraão, seu pai, e Jacó, seu filho. Isaque tinha um caráter pacifico que refletia mansidão e temperança.

I- Isaque, o Filho da Promessa – Lição 4: Isaque, Um Caráter Pacífico

Deus prometeu a Abraão que ele seria pai de uma grande nação (Gn 12; 15; 17; 18). Obviamente isso significava que ele teria um filho. Além da idade avançada do patriarca, sua esposa, Sara, era estéril. Todavia, tais circunstâncias não desafiam em nada o cumprimento dos propósitos de Deus.

Diante do anúncio de Deus a respeito do filho que ainda nasceria, o casal riu demonstrando certo ceticismo, principalmente Sara. Então o Senhor os avisou que o nome do menino seria Isaque, que significa “ele ri”. Por conta desse significado, em Gênesis 18:12-15 e 21:6 podemos perceber um trocadilho com o nome.

Após a o nascimento de Isaque, o sorriso que era incrédulo dá lugar ao sorriso de alegria frente à obra sobrenatural de Deus (Gn 21:1-7; Rm 4:19-21).

II- Um Homem Abençoado Por Deus – Lição 4: Isaque, Um Caráter Pacífico

O capítulo 26 do livro de Gênesis narra a partida de Isaque rumo a Gerar por causa da fome. Esse era o território de Abimeleque, rei dos filisteus, e ficava próximo a fronteira com o Egito, a região mais próspera que havia ali, porém Deus apareceu a Isaque e lhe disse para ficar longe do Egito.

Nessa ocasião ele já estava casado com Rebeca, mas é importante entender que ele ainda não havia tido filhos, ou seja, ele não era pai de Jacó e Esaú. O capítulo 26, em comparação com a segunda parte do capítulo 25, é uma narrativa propositalmente anacrônica, onde o autor prioriza a ênfase poética e teológica ao invés da cronologia.

Esse tipo de padrão é comum na narrativa bíblica e ocorre outras vezes no próprio livro de Gênesis, como por exemplo, entre os capítulos 10 e 11 que tratam da descendência de Noé e da confusão de línguas no episódio da construção da Torre de Babel, onde a primeira parte do capítulo 11 antecede cronologicamente o capítulo 10.

Além disso, se Isaque tivesse filhos no capítulo 26, seria quase impossível sustentar a farsa de que Rebeca era sua irmã e não sua esposa. Dessa forma, ao posicionar essa narrativa entre o final do capítulo 25 e o capítulo 27, onde ocorre a venda da primogenitura, a fraude de Jacó e Rebeca e a benção dada por Isaque, o autor enfatizou a tamanha importância da bênção de Isaque que, obviamente, trazia anexada a herança das promessas do Senhor feitas a Abraão e reafirmadas em Isaque.

Esse capítulo mostra grandes contrastes, como por exemplo, fome e abundância, conflitos e bênçãos. O encontro entre Isaque e os filisteus ocorre em Gerar (Gn 26:1-16), no ribeiro de Gerar (Gn 26:17-22) e em Berseba (Gn 26:23-33).

Esse capítulo também mostra muito claramente um paralelo incrível entre Abraão e Isaque. Assim como ocorreu com Abraão, Isaque também recebeu a visita do Senhor através de teofania consistindo de um chamado e promessa (cf. Gn 12:1-3; 26:2-6). Ele também repetiu a farsa da esposa-irmã (cf. Gn 12:10-20; 26:7-11), e enfrentou problemas semelhantes com os homens daquela região aos que Abraão precisou enfrentar com os homens de (cf. Gn 13:1-12; 26:13-22). Ele recebeu uma reafirmação da promessa divina e sacrificou ao Senhor, tal como seu pai o fez (cf. Gn 15:1-21; 26:23-25), e por fim estabeleceu um tratado com Abimeleque (cf. Gn 21:22-24; 26:26-33).

Esse incrível paralelo mostra que Isaque andou de forma muito semelhante a Abraão. Assim como seu pai, ele enfrentou dificuldades e desafios, recebeu a visita e as promessas do Senhor, errou de forma semelhante, mas no final triunfou. Sem dúvida o episódio narrado no capítulo 26 mostra que o Deus de Abraão é o Deus de Isaque, e que Isaque herdou as promessas feitas a seu pai, destacando que ele era o legitimo representante da linhagem de Abraão.

Também é significativo notar que o capítulo 26 começa narrando um cenário de fome. Nessa narrativa, assim como em outras presentes na Bíblia, podemos entender que muitas vezes Deus usa realidades e circunstâncias difíceis para moldar o caráter de seus servos, aperfeiçoando-os da maneira que lhe agrada, e para cumprir seus propósitos soberanos. Isaque realmente foi um homem abençoado por Deus.

III- Lições do Caráter de Isaque – Lição 4: Isaque, Um Caráter Pacífico

O próprio capítulo 26 do livro de Gênesis nos revela como Isaque tinha um caráter pacífico. Ele precisou enfrentar a oposição, mas não se desesperou, manteve firme seu temperamento que refletia pura mansidão.

No mesmo capítulo, quando Isaque foi desafiado com relação aos poços, Isaque não desistiu e mostrou ser alguém paciente e perseverante, agindo com a longanimidade que refletia sua inteira confiança em Deus.

Antes, ainda na sua juventude quando subiu com Abraão no Monte Moriá, Isaque também demonstrou obediência, submissão e confiança nos propósitos do Senhor, sem ao menos questionar o porquê teria de ser sacrificado.

Conclusão – Lição 4: Isaque, Um Caráter Pacífico

O escritor do livro de Hebreus mencionou Isaque na galeria dos heróis da fé, como um exemplo de testemunho que devemos nos espelhar. Certamente podemos aprender muito com seu caráter pacífico, com sua obediência e fidelidade ao Senhor, com sua temperança e prudência na tomada de decisões e com sua perseverança.

Escola Dominical – Lições Bíblicas 2º Trimestre 2017: O Caráter do Cristão – Moldado Pela Palavra de Deus e Provado Como Ouro EBD CPAD | Lição 4: Isaque, Um Caráter Pacífico.

Aplicativo de Estudo Bíblico

Você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.