O Que Significa “O Espírito é Sujeito ao Profeta”?

A expressão “o espírito é sujeito ao profeta” é extraída de um texto bíblico que trata sobre a necessidade da ordem no culto em 1 Coríntios 14:32. Muitas pessoas não entendem o significado correto dessa expressão e acabam interpretando o versículo de forma errada, enquanto outros ficam em dúvida especialmente sobre de que espírito o texto fala.

O espírito sujeito ao profeta é o Espírito Santo?

O texto é bastante claro ao afirmar que o espírito a que se refere o apóstolo Paulo não é o Espírito Santo de Deus, mas o espírito do próprio profeta. O texto diz: “E o espírito dos profetas está sujeito aos profetas” (1 Coríntios 14:32).

Uma dica importante é saber que todas as boas traduções da Bíblia se atentam em diferenciar claramente quando um texto se refere ao Espírito Santo ou quando se refere ao espírito do homem, ou mesmo a algum espírito maligno. Quando um texto fala do Espírito de Deus usa-se a letra inicial maiúscula, e quando fala de outro espírito conserva-se a primeira letra minúscula.

Por que o espírito dos profetas é sujeito aos profetas?

Primeiramente precisamos entender um pouco do contexto em que essa frase é utilizada pelo apóstolo Paulo. A partir do capítulo 12 de 1 Coríntios, Paulo inicia uma seção onde ele trata acerca dos dons espirituais.

Seu objetivo ao falar sobre esse assunto era corrigir algumas praticas reprováveis cometidas por alguns cristãos de Corinto que tinham adotado não apenas um entendimento completamente equivocado sobre os dons concedidos pelo Espírito Santo, mas também estavam utilizando esse entendimento, e mesmo os próprios dons, de maneira a ameaçar a própria unidade e harmonia dos fieis como parte do Corpo de Cristo.

Receber Estudos da Bíblia

No capítulo 14, o apóstolo se dedica a esclarecer pontos fundamentais sobre o exercício dos dons no culto, especialmente com relação ao dom de línguas, expondo algumas considerações numa forma de regulamentação para o seu uso correto.

Aparentemente havia um grupo dentro daquela igreja denominado “os espirituais” que estavam prejudicando a ordem do culto e distorcendo o seu verdadeiro propósito. O culto genuíno a Deus que deveria ser Cristocêntrico, em Corinto havia se tornado um culto carnal, um tipo de reunião de exibicionismo com elementos estranhos às Escrituras, inclusive com práticas comuns aos cultos pagãos.

É nesse contexto que o apóstolo Paulo então fala que o espírito do profeta é sujeito ao próprio profeta, ou seja, o profeta pode ser direcionado pelo Espírito Santo a dizer alguma coisa da parte de Deus, mas ele sabe completamente o que está fazendo. Isso significa que o exercício dos dons espirituais deve ser feito com racionalidade e entendimento, e não de forma extática e descontrolada.

Em outras palavras, o apóstolo está dizendo que ninguém pode dizer que perde o controle de si quando usa um dom espiritual. Com isso, ele também está reprovando qualquer tipo de supostas experiências de êxtase onde pessoas alegam estar fora do espírito, ou seja, sem domínio próprio, sem exercer sua racionalidade e experimentando um estado de transe.

No versículo seguinte o apóstolo Paulo apresenta o motivo principal do porquê esse tipo de coisa é inadmissível no verdadeiro culto da Igreja de Cristo: “Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz […]” (1 Coríntios 14:33).

O verdadeiro culto a Deus é um culto racional e não um culto ininteligível repleto de desordem. A Igreja que adora a Deus deve se parecer com Ele, ou seja, somos exortados, edificados e confortados quando ouvimos, entendemos e aprendemos com a Palavra de Deus, inclusive julgando e analisando se o que está sendo pregado está de acordo com os fundamentos estabelecidos nas Escrituras (1 Coríntios 14:29; cf. Romanos 12:6).

Assim, o espírito é sujeito ao profeta porque os verdadeiros adoradores do Deus que não causa confusão, são comprometidos com a sua Palavra, prezam pela ordem no culto, controlam-se a si próprios, estão em paz uns com os outros, e apresentam a Deus uma adoração com entendimento, sempre tendo como o objetivo maior promover a causa de Cristo Jesus.

Tag
Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close