O Que é Legalismo Religioso na Bíblia?

Antes de saber o que é o legalismo religioso de acordo com a Bíblia, primeiramente é importante entender o que significa ser uma pessoa legalista. O legalismo basicamente é uma fidelidade à lei, no sentido de haver um apresso estrito por um código legal.

Então, num primeiro momento o legalismo parece ser algo bom, afinal geralmente presar pela legalidade é presar pela justiça. Mas também é possível que o legalismo acabe distorcendo a própria lei, desvirtuando o seu verdadeiro propósito e criando fundamentos que não existem a partir de interpretações pessoais da lei ou adições a ela. E é justamente dessa maneira que a Bíblia fala negativamente sobre o legalismo religioso.

Quando a Bíblia aponta alguém como legalista, ela não está indicando que a pessoa tem um cuidado minucioso em observar a lei corretamente, mas que a pessoa distorce a lei, acrescenta novas exigências à lei, e aplica a lei de um modo que foge ao seu propósito original. E quando se trata de salvação ou condenação eternas, essa questão do legalismo toma uma proporção muito maior.

Isso quer dizer que, em termos práticos, o legalismo religioso na Bíblia significa o ato de tentar manipular a lei de Deus em benefício próprio, fazer adições a essa lei e, principalmente, rejeitar a doutrina da graça de Deus. É dessa forma que várias pessoas são apresentadas na Bíblia como legalistas que precisavam de correção.

Exemplos de pessoas legalistas na Bíblia

Quando falamos em legalismo religioso na Bíblia, logo surgem dois exemplos principais: os fariseus e os judaizantes. Os fariseus formavam um grupo religioso entre os judeus que era conhecido por observar a lei mosaica em seus mínimos detalhes. Mas o rigor dos fariseus fazia com que eles se afastassem do verdadeiro significado e propósito da lei de Deus.

Na verdade, os fariseus eram tão legalistas nesse sentido que eles adicionavam regras e tradições humanas sobre a lei de Deus. Então, uma vez que em suas interpretações eles apontavam para exigências que não faziam parte da lei autorizada por Deus, consequentemente eles acabavam trocando a lei de Deus por tradições humanas. Portanto, curiosamente o legalismo dos fariseus os afastavam da verdadeira lei de Deus.

Já os judaizantes formavam um grupo que surgiu nos primeiros anos da Igreja Primitiva e que propagava a ideia de que os cristãos tinham de se enquadrar na observância dos costumes judaicos. Então, quando os gentios eram convertidos a Cristo, os judaizantes diziam que eles também tinham de se tornar judeus e cumpridores das leis cerimoniais de Israel se quisessem realmente pertencerem à comunidade da fé. Um exemplo claro do que pregavam os judaizantes, era a exigência da circuncisão para os cristãos gentios.

A Bíblia reprova o legalismo religioso

A Bíblia reprova tanto o legalismo dos fariseus quanto o legalismo dos judaizantes. Durante o seu ministério terreno, o Senhor Jesus condenou o legalismo dos fariseus revelando que eles colocavam fardos pesados sobre os ombros dos homens que nem mesmo eles estavam dispostos a carregar (Mateus 23:4). Esse é um típico comportamento dos legalistas: condenar as pessoas por não fazerem aquilo que eles também não fazem.

Na sequência, Jesus apontou que com o seu legalismo, os fariseus não estavam preocupados com a glória de Deus, mas apenas queriam o reconhecimento humano. Nesse ponto, é fácil perceber que Jesus mostrou que o legalismo e a hipocrisia estão intimamente ligados. Mais do que isso, Jesus ainda acusou os legalistas fariseus de fecharem o Reino de Deus diante das pessoas com suas tradições humanas que, ao invés de trazerem liberdade, traziam escravidão (Mateus 23:5-13).

O legalismo religioso dos judaizantes também foi duramente combatido pelo apóstolo Paulo. Tal como os legalistas fariseus do tempo de Jesus, os judaizantes também ensinavam um tipo de salvação pelas obras. Os judaizantes tentavam fazer adições ao Evangelho, como se a obra de Cristo fosse insuficiente. Mas a partir do momento que apenas um único detalhe é modificado no Evangelho, esse deixa de ser o Evangelho de Cristo e passa a ser um falso evangelho.

Receber Estudos da Bíblia

O perigo do legalismo religioso

O legalismo religioso apresenta um perigo muito sério ao crente, uma vez que ele perverte o significado do que é ser obediente ao Senhor e nega a doutrina da salvação pela graça. Sim, a Bíblia ensina que os cristãos devem viver sempre de acordo com a vontade de Deus revelada.

Mas a verdadeira obediência requerida pela Palavra de Deus tem em sua base o amor e a gratidão ao Senhor, e também a preocupação com a glória divina. Jamais a obediência cristã deve ser vista como um mecanismo para se obter o favor divino mediante obras meritórias. Portanto, o legalismo é um comportamento inimigo da graça de Deus.

O legalismo não promove mudanças profundas, apenas deixa supostamente bonito o exterior ao produzir aparência de sabedoria e piedade (cf. Colossenses 2:23). É por isso que o legalismo não tem nada a ver com a santificação. Por mais rigoroso que o legalismo religioso possa ser, ele jamais será capaz de gerar relacionamento e comunhão com o Senhor ou comprar o favor divino.

Que tal fazer Bacharel em Teologia sem mensalidades? Clique aqui! Pergunta Estudo Bíblico
Fechar