Parábola dos Dois Devedores

A Parábola dos Dois Devedores fala de perdão e gratidão. Essa parábola contada por Jesus foi registrada apenas pelo Evangelho de Lucas (Lucas 7:41-13). Na parábola Jesus fala sobre um credor que tinha dois devedores. Esse credor era um tipo de agiota com quem dois homens contraíram dividas.

Os valores das dividas dos dois homens eram diferentes. O primeiro devia ao credor quinhentos denários, enquanto o segundo devia cinquenta. O denário era uma moeda romana que equivalia ao salário diário de um trabalhador comum.

Isso significa que o primeiro devedor devia o equivalente ao salário de um trabalhador comum em quinhentos dias uteis de trabalho. O valor da divida do segundo devedor somava o montante equivalente ao salário por cinquenta dias trabalhados.

Mas nenhum dos dois devedores tinha condição de pagar o agiota. Naquele tempo os credores costumavam ser ainda mais inflexíveis no recebimento de seus dividendos. Mas aquele agiota da parábola teve uma atitude diferente. Em vez de prender os dois devedores por inadimplência, ele generosamente perdoou a divida de ambos.

Então Jesus Cristo termina sua parábola com um questionamento. Qual dos dois devedores revelará mais amor para com o agiota?

O contexto da Parábola dos Dois Devedores

Algumas pessoas confundem a Parábola dos Dois Devedores com a Parábola do Credor Incompassivo (Mateus 18:23-35), mas isto não é correto. Jesus contou a Parábola dos Dois Devedores durante um jantar na casa de um fariseu chamado Simão.

Durante o jantar, uma mulher da cidade foi até a casa do fariseu levando consigo um vaso de alabastro com unguento. Nada é dito sobre a identidade dessa mulher. O texto apenas informa que ela tinha reputação de pecadora na cidade. Algumas pessoas deduzem precipitadamente que se tratava de uma prostituta. Mas a Bíblia Sagrada não diz isto. Ela poderia ter sido conhecida assim por outros motivos.

Há também algumas tradições que identificam essa mulher com Maria Madalena. Daí vem uma crença popular de que Maria Madalena havia sido uma meretriz. Mas, novamente, não há nada no texto que indique sua identidade, e em nenhum lugar do Novo Testamento é dito qualquer coisa a esse respeito sobre Maria Madalena.

De qualquer forma, a mulher pecadora prostrou-se aos pés de Jesus chorando sem cessar. Ela começou a molhar os pés do Senhor com suas lágrimas e a enxugá-los com seus cabelos. Então ela quebrou seu vaso de alabastro e ungiu os pés de Jesus enquanto os beijava.

Aquela atitude deixou Simão intrigado a ponto de questionar consigo mesmo, a pessoa de Jesus. Ele disse a si mesmo: “Se este homem fosse profeta, Ele saberia quem e que tipo de pessoa é esta mulher que o está tocando” (Lucas 7:39). A Parábola dos Dois Devedores veio em resposta a essa atitude intima do fariseu Simão. Por isso, no final da parábola, é a Simão que Jesus pergunta acerca de qual dos dois devedores estaria mais agradecido.

Receber Estudos da Bíblia

O significado da Parábola dos Dois Devedores

Como fica claro, o significado da Parábola dos Dois Devedores ensina sobre a sincera gratidão diante do perdão. Quanto maior for a divida perdoada de um devedor que não poderia pagá-la, maior deverá ser sua gratidão para com quem a perdoou.

Quando alguém realmente entende o tamanho do perdão que lhe sobreveio, não há outra possibilidade a não ser demonstrar amor e gratidão. Foi isso o que aquela mulher fez.

Ela não se importou com a opinião de quem se sentiria ofendido. Ela não se intimidou com a possibilidade de ficar com sua reputação ainda mais arruína na cidade, ao quebrar os costumes de seu tempo. Sua única preocupação era poder demonstrar, com ações concretas, o quanto estava agradecida.

Talvez ao ver a forma com que Jesus recebeu aquela mulher pecadora, o fariseu pensou ter comprovado que não havia nada de especial em Jesus. Como Ele poderia ser divino se parecia não saber quem era aquela mulher pecadora?

Mas a Parábola dos Dois Devedores não só demonstra que Jesus conhecia toda a história daquela mulher, como também sondava o coração e os pensamentos de Simão. O desconfiado Simão é que não entendia estar na presença do Filho de Deus, plenamente humano e plenamente divino.

Ali estava alguém infinitamente superior a qualquer profeta, e isto pode ser visto nas seguintes palavras: “Portanto, eu lhe digo que os pecados dela, ainda que muitos, estão perdoados, pois ela muito amou; mas a pessoa a quem pouco se perdoa, pouco ama” (Lucas 7:47).

Simão pensava estar justificado, enquanto desprezava a mulher pecadora. Mas a Parábola dos Dois Devedores deixou claro que quem havia recebido o grande perdão, havia sido aquela mulher. Através da fé, um dom da graça de Deus, a mulher compreendeu o significado do perdão que havia sido derramado sobre ela. Se você quiser conhecer o significado de cada parábola de Jesus, conheça aqui um material exclusivo para você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close