Leia diariamente estudos bíblicos, devocionais, esboços de pregações, parábolas de Jesus, artigos teológicos, curiosidades bíblicas, escola dominical (EBD) e muito mais!

Quem Foi o Apóstolo Tomé?

Tomé foi um dos doze apóstolos de Jesus. Em algumas passagens bíblicas ele é chamado de Dídimo, que significa “gêmeo” (João 11:16; 20:24; 21:2). A história de Tomé na Bíblia está registrada nos quatro Evangelhos do Novo Testamento, além de também ele ser mencionado no livro de Atos ao lado dos demais apóstolos.

Quem foi Tomé?

Não se sabe muito sobre a biografia de Tomé com relação a sua vida pessoal, origem etc. Seu nome, Tomé, é de origem aramaica e também significa “gêmeo”, assim como sua forma grega, Dídimo. Na verdade é o apóstolo João quem acrescentou a forma grega de seu nome, muito provavelmente por estar escrevendo para leitores gregos.

Devido ao significado de seu nome, parece evidente que ele tenha tido um irmão gêmeo, porém não existe qualquer informação sobre esse irmão ou irmã do apóstolo. Também é no Evangelho de João que encontramos as melhores informações sobre quem foi Tomé, visto que nos outros Evangelhos e no livro de Atos ele é meramente mencionado na lista que traz os nomes dos apóstolos (Mateus 10:3; Marcos 3:18; Lucas 6:15; Atos 1:13).

A personalidade de Tomé

Tomé aparece na Bíblia como sendo alguém de extremos, isto é, ele demonstrava ao mesmo tempo pessimismo e uma enorme devoção ao Senhor. Isso fica bastante claro na narrativa sobre a ressurreição de Lázaro, o irmão de Marta e Maria, amigo de Jesus.

Na ocasião, considerando a ameaçava real de apedrejamento caso Jesus fosse à Judéia, Tomé declarou: “Vamos também nós para morrermos com ele” (João 11:16). Essa declaração expressa muito bem seu desânimo e pessimismo, isto é, ele era alguém que espera primeiro a desgraça. No entanto, essa mesma declaração mostra sua aptidão a morrer juntamente com o seu Senhor.

É verdade que alguns comentaristas defendem que essa frase não se refere à ideia de morrer com Jesus, mas aponta para a situação de Lázaro, especialmente considerando o fato de que quando Jesus realmente foi preso e levado à morte, os discípulos fugiram.

Todavia, essa interpretação não faz nenhum sentido à luz do versículo 8 do mesmo capítulo 11 de João, onde encontramos explicitamente a informação de que os judeus procuravam apedrejar Jesus.

O fato de Tomé nesse episódio declarar que morreria com Jesus na Judéia, em nada contradiz seu sumiço no momento da crucificação. Devemos nos lembrar de que o apóstolo Pedro também afirmou que nunca negaria Jesus, mas no final o resultado foi outro. Isso não significa falta de sinceridade, apenas falta de coragem (cf. Mateus 26:35).

Mais tarde, Tomé também demonstrou dúvida acerca do ensino do Senhor Jesus de que os discípulos conheciam o caminho para onde Ele estava indo, ao dizer: “Senhor, não sabemos para onde estás indo; como podemos conhecer o caminho?” (João 14:5).

É possível que Tomé, nesse questionamento, estivesse representado o pensamento dos outros discípulos. De qualquer forma, essa frase revela certa fraqueza, mas que é imediatamente confrontada com a conhecida resposta do Senhor Jesus: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida” (João 14:6).

Tomé viu o Cristo ressurreto

Após sua ressurreição, Jesus apareceu aos seus discípulos, porém Tomé estava ausente. Mais tarde, quando os demais apóstolos lhe contaram que o Jesus havia aparecido, Tomé revelou certa incredulidade (João 20:24,25).

Essa atitude parece se harmonizar com seu caráter um tanto quanto pessimista. Demonstrando nervosismo, Tomé exigiu provas tangíveis para poder acreditar na ressurreição de seu Mestre. Ele queria ver com seus próprios olhos e tocar com seus dedos as marcas dos cravos nas mãos de Jesus e seu lado que havia sido transpassado por uma lança.

Isso significa que Tomé estava disposto a acreditar na ressurreição, mas não antes de receber provas concretas. Ele precisa se certificar de que Aquele a quem os discípulos estavam dizendo ter visto realmente era seu Mestre. Ele queria provar o que os outros tinham provado, isto é, ver o Senhor Jesus pessoalmente, e ainda ir mais além, tocar nas terríveis cicatrizes.

Oito dias depois, estando os discípulos reunidos, Jesus apareceu no meio deles, mesmo com as portas e janelas do lugar onde estavam, trancadas. Então, Ele se dirigiu a Tomé e o convidou a tocar em suas feridas, exortando-o a não ser incrédulo, mas crente (João 20:27). Nesse episódio, com relação a sua natureza divina, Jesus revelou o atributo da onisciência.

O texto bíblico não esclarece se Tomé tocou ou não nas feridas de Jesus, ou se apenas esse terno convite, respondendo nos mínimos detalhes a sua exigência, já tenha bastado. Muito provavelmente ele tocou, mas em todos os casos, seja qual tenha sido sua reação, ela o conduziu prontamente a sua profunda declaração de fé: “Senhor meu, e Deus meu!” (João 20:28).

Essa declaração apontava diretamente para verdade de que Jesus é realmente Deus, uma das pessoas da Santíssima Trindade (cf. João 1:1-3). Tomé também estava presente junto aos discípulos que pescavam num barco no mar da Galiléia quando Jesus novamente apareceu a eles (João 21).

A morte do apóstolo Tomé

Além dos relatos bíblicos, pouca coisa se sabe sobre o restante da vida de Tomé. Existem muitas especulações a seu respeito baseadas em lendas e antigas tradições cristãs. Uma dessas tradições conta que Tomé pregou o Evangelho na Índia e Síria.

Também não é possível afirmar qualquer coisa realmente confiável sobre como se deu sua morte. Algumas tradições atribuem a ele a autoria do apócrifo Evangelho de Tomé, mas na verdade seu conteúdo carregado de influências gnósticas em nada lembra o verdadeiro apóstolo que andou com o Senhor Jesus.

Apesar de alguns críticos recuarem a data da composição desse livro até o primeiro século, provavelmente essa obra foi escrita somente no século 2 d.C. na região da Síria, justamente onde existem fortes tradições sobre o apóstolo Tomé. Isso significa que algum autor gnóstico se aproveitou do nome de Tomé como pseudônimo para sua obra, possivelmente para facilitar a divulgação de suas ideias.

Finalmente, podemos dizer que tudo o que realmente era importante que soubéssemos sobre quem foi Tomé está registrado na Bíblia, e certamente já é o suficiente para conhecermos um pouco mais sobre o popularmente conhecido “incrédulo Tomé”, que nos Evangelhos aparece como alguém que tinha seus defeitos, mas que também tinha uma profunda devoção ao Senhor Jesus.

Aplicativo de Estudo Bíblico

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.