Quais São os Tipos de Pecado? Existe Pecadinho e Pecadão na Bíblia?

É preciso ter cuidado quando se fala em diferentes tipos de pecado, para que não haja um entendimento contrário às Escrituras. Esse conceito de diferentes tipos de pecado só faz algum sentido bíblico quando tratado sob três bases: o pecado original, o pecado imperdoável e os pecados factuais.

Existem várias listas que se propõe a classificar os diferentes tipos de pecado, especialmente com o intuito de se estabelecer o que é “pecadinho” e o que é “pecadão”, mas na maioria das vezes essa distinção não é exatamente bíblica. Neste texto, entenderemos o que a Bíblia diz sobre quais são os tipos de pecado.

Os tipos de pecado na Bíblia

Como foi dito, a Bíblia expõe três diretrizes principais quando se fala em pecado. A primeira, o pecado original, é aquele que deriva da raiz da raça humana, e refere-se ao estado e condição de pecador que todos os homens nascem.

O pecado imperdoável, ou pecado de morte, é o mesmo que o próprio Jesus chamou de “blasfêmia contra o Espírito Santo”, e que basicamente significa uma apostasia final e irreversível.

Já os pecados factuais são os pecados que todos os homens cometem ao longo de suas vidas, e é justamente com relação a estes pecados que geralmente é proposto um tipo de classificação baseada em seu grau e espécie.

Receber Estudos da Bíblia

O problema com essas listas de pecados factuais é que esse tipo de distinção e classificação pode ser interpretado sob diferentes pontos de vista, o que muitas vezes acaba se afastando do verdadeiro conceito bíblico sobre o pecado.

O exemplo mais conhecido de uma tentativa de classificação dos diferentes tipos de pecados é aquela feita pela teologia católica, onde se distingue os chamados “pecados veniais” e os “pecados mortais”, além dos famosos “sete pecados capitais”.

Segundo a tradição católica, basicamente os pecados mortais são aqueles que intencionalmente violam a Lei de Deus, e excluem a pessoa do Reino de Deus. Já os pecados veniais são pecados perdoáveis, mas que se cometidos deliberadamente podem conduzir aos pecados mortais. Por último, os pecados capitais seriam aqueles que servem de base para os demais vícios.

Mesmo alguns dos estudiosos católicos admitem que é muito complicado fazer a classificação do que realmente é um pecado venial ou um pecado mortal. Além disso, identificar os tipos de pecado dessa maneira não se harmoniza com o ensino bíblico acerca do pecado. Por exemplo, a Bíblia fala de apenas um tipo de pecado mortal que definitivamente é imperdoável, e não de uma lista de “pecados mortais” cujo perdão pode ser alcançado pelo sacramento da penitência.

Portanto, podemos seguramente afirmar que, sob esse aspecto, tais distinções e classificações de tipos de pecado não são bíblicas, pois segundo as Escrituras todo pecado é transgressão contra Deus e merece o castigo eterno.

Existe alguma distinção de tipos de pecado na Bíblia?

Já falamos que a Bíblia trata do pecado original, e que esse sim é a raiz de todos os outros pecados que os homens cometem ao longo de suas vidas, os pecados atuais (ou factuais). Então, com relação a esses pecados atuais, podemos até identificá-los em diferentes aspectos.

Esses pecados podem ser cometidos tanto internamente (ex. pensamentos impuros) quanto externamente (ex. ações concretas), tanto por comissão quanto por omissão. A Bíblia até faz uma distinção entre pecados cometidos intencionalmente e deliberadamente, e pecados cometidos por ignorância ou fraqueza, isto é, pecados cometidos sem premeditação.

No Antigo Testamento, o povo de Israel foi alertado sobre isso. Por exemplo, em Números 15:29-31, lemos que os pecados que eram cometidos de forma premeditada e intencional eram punidos severamente e não podiam ser expiados por sacrifícios. Já os pecados cometidos sem premeditação não eram punidos com tanta severidade e podiam ser expiados mediante sacrifício.

Como o pecado é uma rebelião direta contra Deus e sua vontade, ele é cometido nas mais variadas circunstâncias e pelos mais diversos meios, e assim ele se manifesta em diferentes aspectos, e então é especialmente nesse sentido que encontramos diversas listas na Bíblia acerca de “tipos de pecado”, como por exemplo, a lista representativa das obras da carne descrita pelo apóstolo Paulo em Gálatas 5:19:21.

A Bíblia fala de pecadinho e pecadão?

A resposta com relação à ideia de pecadinho e pecadão à luz da Bíblia precisa ser entendida corretamente, pois num determinado aspecto a Bíblia fala em “pecadinho” e “pecadão”, mas em outro aspecto não fala. Portanto, diante da pergunta se existe pecadinho e pecadão segundo a Bíblia, a resposta deve ser “sim e não”.

Vamos explicar. Na Bíblia, todo pecado, por “menor” que pereça ser ele, é tão grave a ponto de separar o homem de Deus e privá-lo da bem-aventurança eterna, ou seja, todos os “tipos de pecados” colocam o homem em posição de merecimento do castigo da ira de Deus.

Tiago explica muito claramente esse conceito ao escrever que “qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos” (Tiago 2:10). Logo, nesse sentido não existe pecadinho e pecadão, pois todos os pecados são essencialmente transgressão da Lei de Deus e falta de retidão diante dele.

Por outro lado, a Bíblia fala sobre consequências e punições de pecados em diferentes níveis. O teólogo Louis Berkhof, ao falar sobre isso em sua Teologia Sistemática, observa que biblicamente “os pecados cometidos de propósito, com plena consciência do mal envolvido, e com deliberação, são maiores e mais condenáveis do que os pecados resultantes de ignorância ou de uma concepção errônea das coisas […]”.

Essa interpretação condiz com o ensino bíblico do Novo Testamento, o qual aponta para o fato de que o grau de pecado, diante do juízo de Deus, também está diretamente ligado ao grau de iluminação do pecador em relação à vontade de Deus. O próprio Jesus falou sobre isso, dizendo que “o servo que soube a vontade do seu senhor, e não se aprontou, nem fez conforme a sua vontade, será castigado com muitos açoites; mas o que a não soube, e fez coisas dignas de açoites, com poucos açoites será castigado. E, a qualquer que muito for dado, muito se lhe pedirá, e ao que muito se lhe confiou, muito mais se lhe pedirá” (Lucas 12:47,48).

Aliás, esse texto também é uma prova irrefutável de que qualquer tipo pecado, independentemente da percepção de sua gravidade, não fica impune diante de Deus, ou seja, ao mesmo tempo em que a Bíblia até aponta para uma possível identificação de “pecadinho” e “pecadão”, ela também deixa bastante claro que mesmo o “menor dos pecadinhos”, se é que podemos dizer assim, já significa uma enorme afronta à santidade de Deus e não ficará impune jamais.

Portanto, se por um lado podemos falar em diferentes tipos de pecado em relação a sua culpa e punição, por outro lado também devemos falar que todos os pecados, sem exceção, são tão graves e reais que tornam a pessoa indiscutivelmente culpada diante de Deus (Gálatas 6:1; Efésios 4:18; 1 Timóteo 1:13; 5:24). Por exemplo, roubar é tão pecado quanto mentir, assim como cometer um adultério é tão pecado quanto uma fraude fiscal ao deixar de pagar um imposto devido, apesar das consequências de tais pecados serem diferentes.

Dessa forma, a justiça de Deus exige a punição de todos os “tipos de pecado”, e de fato todos eles são punidos, quer você os entenda como pecadinhos ou pecadões. Os pecados dos ímpios são punidos na condenação eterna no lago de fogo e enxofre, enquanto que os pecados dos redimidos são punidos na cruz de Cristo. Percebe? Não há nenhum tipo de pecado que fica impune.

Tag
Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close