Leia diariamente estudos bíblicos, devocionais, esboços de pregações, parábolas de Jesus, artigos teológicos, curiosidades bíblicas, escola dominical (EBD) e muito mais!

A Igreja Passará Pela Grande Tribulação?

A Igreja Passará Pela Grande Tribulação? Essa é uma pergunta que certamente já tirou o sono de muita gente. Muitos afirmam que a Igreja não passará pela Grande Tribulação e defendem um Arrebatamento Pré-Tribulacionista, enquanto outros afirmam exatamente o contrário e defendem um Arrebatamento Pós-Tribulacionista. Há ainda quem fica em cima do muro e acredita que o Arrebatamento ocorrerá no meio da Grande Tribulação.

A Igreja passará pela Grande Tribulação ou não? Quem está certo?

Não gosto de tratar essa questão como certo ou errado, pelo simples fato de que trata-se de um evento futuro e que ainda não ocorreu. Prefiro então analisar pela coerência, ou seja, qual posição é mais coerente com as Escrituras (apenas com ela; não vale consultar livros de ficção científica).

Particularmente, creio que a posição que mais condiz com o ensino bíblico é o Pós-Tribulacionismo, ou seja, o Arrebatamento da Igreja ocorrerá após o período de Grande Tribulação.

Como acredito na inerrância da Bíblia, não posso considerar que ela se contradiz em determinados textos e, considerar o Arrebatamento como um evento que antecede a Grande Tribulação, ocasionaria uma série de contradições que precisariam de um verdadeiro “malabarismo teológico” para serem contornadas.

Para mim, o texto bíblico que descreve de forma mais simples e objetiva o período do fim é o Sermão Escatológico de Jesus em Marcos 13. O mesmo sermão também é encontrado nos Evangelhos de Mateus e de Lucas. Nele, Jesus anuncia detalhadamente os últimos dias, e deixa claro que a Sua vinda será após aquela tribulação (Mc 13:24). Em nenhum momento Ele considera a ideia de que os salvos não estarão mais na terra, antes, adverte-nos que serão dias de muito sofrimento, um sofrimento como nunca foi visto na terra (Mc 13:19), mas que, por amor aos santos, aqueles dias serão abreviados (Mc 13:20).

Quando Jesus descreve o momento da Segunda Vinda, ele não se refere a nenhum evento secreto, nem mesmo que a Igreja já estaria com Ele e também retornando à terra. Ao invés disso, Jesus descreve esse momento como um momento de grande glória, de muita alegria para os salvos, e de terror para os ímpios, onde todos verão o Filho do Homem (Mt 24:30).

Como em partes do texto Jesus também se refere a destruição de Jerusalém em 70 d.C., compreendo que algumas pessoas possuem algumas dificuldades com esse sermão.

Na Epístola de 2 Pedro capítulo 3, o Apóstolo também descreve esse momento como sendo visível, estrondoso e impossível de não ser percebido. Em 2 Tessalonicenses 2, Paulo também exorta sobre as mesmas coisas e, tal como Jesus em Seu sermão, e Pedro em sua Epístola, ele faz advertências à Igreja que estará na terra nesse momento. Basicamente, se Paulo esperasse o Arrebatamento antes da Grande Tribulação, ele não teria alertado sobre o surgimento do Anticristo e sobre uma grande apostasia como eventos que precedem a volta de Cristo, afinal, para que alertar sobre tais coisas já que a Igreja não estaria mais aqui? Ele poderia ter escrito: será difícil, mas fiquem calmos, a Igreja não estará mais na terra. Há também quem defenda que Paulo nesse texto esteja se referindo aos eventos do primeiro século, ou seja, a destruição de 70 d.C.

Mesmo se analisarmos os textos mais utilizados para defender o Arrebatamento antes da Grande Tribulação, veremos que o encontro da Igreja com Cristo em glória e o juízo sobre os incrédulos, acontecerão no mesmo dia e no mesmo evento, e não após uma temporada de sete anos da Igreja no céu.

Em 1 Tessalonicenses 1:10 e 5:9 as expressões “Jesus, que nos livra da ira vindoura” e “Deus não nos destinou para a ira” se referem ao juízo divino sobre os ímpios que resultará na condenação eterna. Em outras palavras, pela justificação que há em Cristo Jesus, os salvos não entrarão em condenação (Rm 8:1). Já em 1 Tessalonicenses 4:17 Paulo está consolando as pessoas que estavam tristes com a morte dos irmãos que já haviam falecido. O objetivo nesse versículo não é traçar uma ordem cronológica, mas afirmar que tantos os salvos que já morreram, quanto os que estiverem vivos, todos estarão presentes no dia da volta de Cristo e, para sempre, viverão com Ele.

No capítulo 5 de 1 Tessalonicenses podemos perceber que no dia descrito como “O Dia do Senhor” (que é um evento público 2Pe 3:10) tanto os santos quanto os ímpios estarão na terra. Daí vem o alerta: vigiai! Paulo chama atenção (como também Jesus fez no Sermão Escatológico) para que a Igreja esteja vigilante e pronta, pois esse dia será de repentina destruição, e os ímpios serão surpreendidos como por um ladrão que vem de noite. Expressões como “abrir e fechar de olhos”, “relâmpago que sai do oriente e se mostra no ocidente” e “vir como ladrão” originalmente não trazem o sentido de “velocidade”, mas de “surpresa”, “algo repentino e inesperado” para os incrédulos e os que não são verdadeiramente salvos.

Já em Mateus 24:40, se lermos atentamente (o capítulo todo é claro), perceberemos que não se trata de nenhum Arrebatamento secreto, e, sim, do Dia do Senhor, onde a Igreja será arrebatada e os ímpios serão levados ao juízo eterno. Note que no versículo 39 em uma comparação com os dias de Noé, não foram os justos que foram levados (Noé e sua família), mas os ímpios pelas águas do Dilúvio.

Apocalipse 3:10 talvez seja o texto mais utilizado para defender o Arrebatamento antes da Grande Tribulação. A afirmação “te guardarei da hora da provação” não está se referindo ao fato da Igreja ser tirada do mundo nesse momento e, sim, de ser preservada em meio ao sofrimento que virá sobre a terra e, sobretudo, da perseguição do mundo iníquo. Uma passagem correlata a essa é Gálatas 1:4 onde o Senhor Jesus “se deu a si mesmo por nossos pecados, para nos livrar do presente século mau”. Na oração de Jesus em João 17, o pedido para o Pai “guardar” os que são seus não significa “tira-los do mundo, mas que os livres do mal” (Jo 17:15). Essa mesma promessa também é encontrada em 2 Pedro 2:9.

Por último, os termos gregos parousia (vinda, presença), harpazo (capturar, raptar com força – geralmente utilizado pelos Pré-Tribulacionistas para se referir ao Arrebatamento Secreto), apiphaneia (aparecimento, manifestação) e apokalypsis (revelação), são usados de forma intercambiáveis. Por exemplo: que em 1 Tessalonicenses 4:15 a termo utilizado por Paulo (parousia) para descrever o Arrebatamento Secretos segundo os Pré-Tribulacionistas, é o mesmo utilizado por Paulo em em 1 Tessalonicenses 3:13 para descrever o que eles definem como a “Segunda Fase de Vinda de Cristo”. Caso semelhante também ocorre em 1 Coríntios 1:7 em comparação com 2 Tessalonicenses 1:7,8 onde as palavras gregas são utilizadas sem a intenção de criar algum tipo de divisão de fases. Logo, no original não é possível fazer qualquer distinção de eventos. Vale ressaltar também que, antes de meados de 1850, nunca na história da Igreja foi ensinado oficialmente tal distinção (embora no século IV d.C. Efraim da Síria parece ter ensinado algo parecido).

Sinceramente, eu gostaria muito que os irmãos Pré-Tribulacionistas estivessem certos, porém não consigo encontrar fundamentação bíblica sólida para defender essa posição. Posso prometer também que, se caso Cristo voltar antes da Grande Tribulação, garanto que não será eu quem irá reclamar. Também prefiro ensinar uma igreja a estar preparada para passar por um período de Grande Tribulação do que ensinar que seremos arrebatados antes dela e, de repente, nos vermos em pleno período de Grande Tribulação. Se eu ensinar que a Igreja não passará pela grande tribulação e acabar passando, sei que as pessoas me cobrarão. Se eu ensinar que ela passará e o Arrebatamento ocorrer antes, então acredito que no céu ninguém se lembrará de me cobrar sobre isso. De qualquer forma, o Pós-Tribulacionismo é a melhor interpretação em todos os cenários.

Posso concluir dizendo que considero o Pré-Tribulacionismo bastante incoerente, mas não uma heresia. Para mim, uma heresia seria uma visão que negue a volta de Cristo, e isso o Pré-Tribulacionismo não faz. Também acredito que isso não deva ser motivo de divisão entre os cristãos, pois maior é o que nos une: a esperança de que Cristo voltará! Que Deus nos guarde, e que possamos estar sempre vigilantes.

Textos Relacionados:

Para melhor compreensão do assunto é indispensável a leitura dos seguintes textos:

O que é Escatologia?

As Diferentes Correntes Escatológicas

Métodos de Interpretação do Apocalipse

Pré-Tribulacionismo, Pós-Tribulacionismo e Meso-Tribulacionismo

Aplicativo de Estudo Bíblico

5 Comentários
  1. orlando leal O usuário diz

    Hermano me as bendecido mucho con sus estudios el libro de apocalipsis me apaciona no lo entendia casi pero con sus enseñanzas me a cido mas claro ,quisiera aprender mas

  2. Jaime e Júlio O usuário diz

    O amigo Daniel, escreveu:
    De qualquer forma, o Pós-Tribulacionismo é a melhor interpretação em todos os cenários.
    ————————————————-

    Jaime e Júlio, responde:
    Há controvérsias meu irmão Daniel… Embora, o Pós-tribulacionismo comparado com as duas principais escolas do arrebatamento, Pré e Meso-tribulacionista, seja um ensino mais coerente; porém, ainda existem vários erros de interpretações, com vários acréscimos das Escrituras em sua escatologia. Vamos citar aqui, três principais erros do Pós-tribulacionismo sistêmico.

    1º)- A escola Pós (também os Pré e os Meso) ensinam erroneamente uma segunda vinda pessoal de Jesus.(???).
    Quando as Escrituras afirmam fartamente que, “a segunda vinda pessoal do Senhor”, foi prometida aos discípulos, para os dias da sua ressurreição (Jo. 14:18;19;22;28 e 29); sendo confirmada pelo próprio Jesus, às Marias no sepulcro, sua primeira subida ao céu, ainda naquele primeiro dia (Jo. 20:17),.
    Voltando à terra “A SEGUNDA VEZ”, oito dias depois em Galiléia (Jo. 20:26), quando Ele se apresentou aos seus discípulos, dizendo:
    “É-ME DADO TODO O PODER NO CÉU E NA TERRA”. Mat. 28:16 ao 20.
    Portanto, ensinar que Jesus virá “SEGUNDA VEZ”, é no mínimo uma grande falta de conhecimento das Escrituras; pois, Elas são bastante claras: A próxima vinda bíblica de Cristo, “SERÁ A SUA TERCEIRA VINDA”.

    2º)- A escola Pós, ensina erroneamente que, a vinda de Jesus, que acontecerá “depois das aflições daqueles dias…” Mat. 24:29, representa o final da grande tribulação. (???).
    Quando os livros de Daniel e o Apocalipse de João, mostram claramente que depois da vinda de Jesus, a Gr. tribulação continuará ainda, com o toque das sete trombetas (seis de pragas – Apoc. 8), + o derramar das sete taças da Ira de Deus (Apoc 15), terminando a G.T. na Batalha do Armagedom, em Megido (Apoc. 19:11 a 21).

    3º)- A escola Pós, juntamente com a Pré e Meso-tribulacionistas ensinam erroneamente que, no arrebatamento a Igreja será levada para o céu (Trono de Deus). ???
    Quando as Escrituras afirmam que, Ela será ajuntada nas nuvens e nos ares (1Tes. 4:16-17), e levada para a cidade Celestial em Sião, sobre os montes de Jerusalém (Isa. 35:10 – Zac. 8:7-6 – Heb. 12:22).

    Receba gratuitamente o nosso gráfico escatológico, com a ordem e a cronologia do Apocalipse (menos o dia, a hora da vinda…), pelo E-mail: Jaime.ap@hotmail.com.

  3. SILVIO O usuário diz

    MINHA QUESTÃO É QUANTO A TRIBULAÇÃO, POR ACASO NOS DIAS DE HOJE AS IGREJAS QUE ESTÃO NA ÁSIA, COMO COREIA DO NORTE, NÃO TEM SOFRIDO GRANDE PERSEGUIÇÕES? E O QUE ATUALMENTE ACONTECE NA ÁSIA CENTRAL, E NOS PAÍSES DE MAIORIA MULÇUMANAS, NÃO É UMA GRANDE TRIBULAÇÃO, EU PENSE COM RESSALVAS QUE ESSA TRIBULAÇÃO AINDA NÃO NOS ALCANÇOU. MAS VEJO TESTEMUNHOS DE IRMÃOS QUE QUANDO ESTÃO NA ÁFRICA , A COISA LÁ É PARA SE PREOCUPAR, E MUITO.

  4. SILVIO O usuário diz

    AQUI EM NOSSO PAÍS ESTAMOS VIVENDO INTENSA PREOCUPAÇÃO, PRIMEIRA, A GUERRA ENTRE MINISTÉRIOS, ESCÂNDALOS DE HOMENS E MULHERES DE DEUS, ISSO NÃO SE PODE CONSIDERAR UMA TRIBULAÇÃO. AS LEIS QUE ESTÃO QUERENDO IMPOR EM NOSSAS SOCIEDADE, TAIS COMO CASAMENTO DE PESSOAS DO MESMO SEXO? ISSO AO MEU MODO DE VER É UMA TRIBULAÇÃO.

  5. Ana Maria O usuário diz

    Gostei muito do estudo onde pude ter contato com outras correntes de eruditos. Só assim teremos a oportunidade de buscar de Deus, Espirito Santo., a verdade e assim estarmos em paz aguardando e apressando a volta de Jesus, quando finalmente desfrutaremos as benditas promessas de nosso Senhor e salvador, Jesus Cristo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.