Leia diariamente estudos bíblicos, devocionais, esboços de pregações, parábolas de Jesus, artigos teológicos, curiosidades bíblicas, escola dominical (EBD) e muito mais!

A Queda do Homem

A Queda do Homem é o momento registrado na Bíblia Sagrada em que Adão e Eva desobedeceram a Deus. Esse terrível ato do primeiro casal também é chamado de Pecado Original, visto que foi nesse momento que o pecado contaminou a humanidade e causou a separação entre Deus e o homem.

Entender o que é a Queda do Homem é algo fundamental para a compreensão do restante das Escrituras, e, sobretudo, do plano de redenção com o sacrifício de Jesus no Calvário. Além disso, a a Queda do Homem também explica perfeitamente a situação atual em que a humanidade se encontra.

A Queda do Homem foi um evento histórico?

A Queda do Homem foi um evento histórico, e não existe espaço na Bíblia para outro tipo de interpretação. Algumas pessoas insistem em tentar interpretar a história da Queda do Homem como uma alegoria ou um mito. A Bíblia é clara ao afirmar a historicidade deste evento, e qualquer interpretação que desconsidera essa realidade contradiz as Escrituras.

Para os que defendem uma conciliação entre o evolucionismo e o criacionismo, a Queda do Homem foi o momento do “despertar da autoconsciência” e da personalidade do homem. Essa é outra interpretação totalmente contrária ao relato bíblico dos primeiros capítulos do livro de Gênesis.

A verdadeira doutrina bíblica é a que Deus criou o homem à Sua imagem e semelhança, dotado de intelecto, capacidade de governo, tomada de decisão e responsabilidade moral. Se tirarmos ou ignorarmos a historicidade da Queda do Homem como é descrito em Gênesis, então será impossível interpretar a Bíblia.

A Queda do Homem no Novo Testamento

O Novo Testamento reafirma a posição histórica deste evento e detalha a relação entre a queda de Adão com os acontecimentos atuais. O apóstolo Paulo faz uma explanação tão especifica entre Adão e Cristo que, se alguém interpretar Adão como um mito, então fatalmente Cristo também deverá ser interpretado como um mito (Rm 5:12; 1Co 15; 1Tm 2:14).

Também é no Novo Testamento que vemos que o primeiro Adão introduziu o pecado no mundo, mas Cristo, o segundo Adão, veio para reverter as obras do primeiro Adão aniquilando o pecado.

O Pecado Original: Como aconteceu a Queda do Homem?

A Bíblia nos diz claramente como ocorreu a Queda do Homem. Satanás utilizou a serpente para se aproximar de Eva, e, ao invés de confrontar Adão, a serpente então tentou a mulher. É interessante notar no relato bíblico que Eva havia recebido apenas indiretamente o mandamento de Deus em relação a árvore do conhecimento.

O relato bíblico descreve em detalhes o processo do pecado da seguinte forma:

  1. Primeiro veio a sugestão para duvidar da Palavra de Deus.
  2. Depois aconteceu o famoso “isso não tem problema” onde a Palavra de Deus foi desacreditada.
  3. Como consequência, a autossuficiência tomou o coração do homem, resultando, por último, na desobediência.

Perceba que a sequencia da tentação foi basicamente a mesma de qualquer pecado que é cometido atualmente. Sob esse aspecto, é fácil perceber que o pecado já havia dominado Eva antes mesmo de ela comer o fruto. Ao estender as mãos em direção ao fruto, com a intenção que havia em seu coração, Eva, naquele momento, já era uma pecadora. Ao comer o fruto, o pecado foi apenas consumado.

Eva não resistiu a tentação da serpente, comeu do fruto da árvore do conhecimento e, por fim, também deu a seu marido. Logo os olhos de Adão e Eva foram abertos e eles se esconderam, pois descobriram que não estavam vestidos.

Questionados por Deus, o comportamento do primeiro casal caracterizou o típico comportamento do pecador. Adão tentou colocar a culpa no próprio Deus, e, consequentemente, na mulher ao dizer: “foi a mulher que Tu me destes”. Eva, por sua vez, jogou a culpa na serpente. Esse comportamento continua o mesmo, pois sempre tentamos buscar justificativas para nossos erros. Precisamos aprender que Deus perdoa pecados e não justificativas.

Qual era o fruto da árvore do conhecimento?

Definitivamente a Bíblia não explica ou específica qual era o fruto da árvore do conhecimento que Adão e Eva comeram, mas seja como for, ele é uma ilustração para o conhecimento ilimitado. Popularmente esse fruto passou a ser representado pela maçã. Na verdade, isso é apenas um simbolismo amplamente usado em encenações sobre a Queda do Homem, a qual exigem um fruto para atuação.

A sentença após a Queda do Homem

Logo após a Queda, Adão e Eva foram tomados por um sentimento de culpa, e rapidamente foram avisados da separação que o pecado causou entre eles e Deus. O próprio ato imediato de o casal ter se escondido, aponta para essa realidade. Ao se encontrarem com Deus, eles receberam a seguinte sentença:

  • A morte seria uma realidade a partir daquele momento.
  • Haveria dores tanto para o homem quanto para mulher (principalmente no parto).
  • O suor seria constante na sobrevivência humana.
  • Por último, eles foram banidos da presença de Deus.

É importante entender que Deus criou o homem como um ser pessoal, moral e com capacidade intelectual e de discernimento. Isso significa que ao mesmo tempo em que o homem era inocente por conta de sua natureza que não havia sido contaminada pelo pecado, ele também era capaz de fazer escolhas livremente, bem como julgar o que era bom e o que era mal.

A diferença é que Adão e Eva conheciam o mal de uma maneira bem diferente antes da Queda. Podemos dizer que eles conheciam o mal como algo que fosse contrário a Deus e Suas ordens, ou seja, era um conhecimento por contraste. Então, qualquer coisa ou situação que se encaixasse nessa descrição seria o mal. Após o Pecado Original, o homem passou a conhecer o mal de forma experimental.

Ainda sobre a sentença dada por Deus em decorrência da Queda do Homem, é interessante destacarmos alguns pontos conforme veremos a seguir.

A sentença sobre a mulher após a Queda do Homem

Deus disse que multiplicaria as dores de parto da mulher. Isto significa que sem o pecado o parto seria um processo natural e sem complicações. Algumas pessoas tentam sugerir que, pelo fato de Deus ter falado que aumentaria as dores de parto, Eva talvez tivesse tido alguma experiência de parto anterior à Queda do Homem. Esse tipo de interpretação é uma heresia e contradiz completamente as Escrituras. A doutrina bíblica aponta para a verdade de que Adão e Eva não tiveram filhos antes do pecado.

Deus também falou que a mulher seria dominada pelo homem, porém devemos perceber que antes mesmo da Queda a mulher já era auxiliadora do homem, ou seja, Adão já era o líder, ele foi criado primeiro e designado por Deus para essa função.

Logo, é preciso entender que quando Deus disse que a mulher seria “dominada pelo homem”, aquela submissão que antes era natural agora seria um tipo de obrigação, um castigo, também pelo fato de que a liderança do homem não seria mais a mesma. Antes do Pecado Original o homem exercia uma liderança perfeita, santa e sem maldade. Já depois do pecado, essa liderança foi corrompida com o machismo, a violência, o autoritarismo, a corrupção etc. Em outras palavras, após a Queda do Homem o que era “liderança” passou a ser “domínio”.

A sentença sobre o homem e a natureza após a Queda

Por causa do pecado de Adão, líder da criação de Deus, a terra foi feita maldita e a natureza se tornou hostil ao homem. Essa é a origem dos desastres naturais e de qualquer distúrbios da natureza. Aqui também entendemos como a grande maioria dos animais não aceita a presença do homem. Isso é muito triste, pois aquele que antes deu nome a cada um dos animais, após a Queda, passou a ser identificado por eles como inimigo.

O homem também foi sentenciado a se sustentar com o suor de seu trabalho. Ao contrário do que alguns pensam, antes da Queda o homem já desempenhava um trabalho, porém as tarefas já existentes antes do pecado seriam transformadas em algo penoso e geralmente desagradável.

O trabalhado que antes era algo natural e satisfatório passou a ser um castigo. Além disso, as condições também mudaram, pois a terra passou a não produzir mais com tanta facilidade, ou seja, ao invés de dar apenas bons frutos, ela também começou a produzir espinhos e cardos para dificultar o trabalho e o sustento do homem. Por fim, após a Queda do Homem Deus também avisou Adão que a partir daquele momento ele conheceria algo até então desconhecido: a morte.

A sentença sobre a serpente após a Queda do Homem 

Sabemos que a serpente, um disfarce para Satanás no momento da Queda do Homem, também foi penalizada por Deus. A sentença mais significativa e emblemática foi a inimizade entre a semente da serpente e a semente da mulher. Isso significa que a partir da Queda do Homem, a humanidade está dividida entre aqueles que são fiéis e amam a Deus, e aqueles que são conduzidos à rebelião contra Deus e amam a si mesmos.

Essa sentença engloba tanto o sentido coletivo, conforme foi citado acima, quanto o sentido individual, se referindo ao descendente da mulher que esmaga a cabeça da serpente, isto é, a batalha decisiva ganha por Jesus ao aplicar o golpe fatal sobre Satanás na cruz.

Realmente existe alguma dificuldade em se interpretar a sentença sobre a serpente como espécie que serviu de personificação para Satanás na ocasião da Queda do Homem, isso por conta do duplo sentido com referência ao próprio Satanás.

Alguns intérpretes consideram que as expressões “rastejaras sobre o teu ventre” e “comerás pó todos os dias” são aplicadas diretamente a serpente, embora se admita que o pó é um símbolo de humilhação infame e que, nesse caso, também faz referência a humilhação de Satanás.

Com base nessas expressões, os estudiosos tentam especular como era a serpente, como espécie, antes do castigo. Alguns acreditam que ela possuía pernas, enquanto outros defendem que ela tinha asas. Por último, há quem defenda que ela sempre rastejou, mas que após a Queda do Homem sua forma de se locomover se tornou um sinal de humilhação. Tais teorias são apenas especulações, pois a Bíblia não esclarece esse detalhe.

A queda do homem e os efeitos para toda humanidade

No último versículo do capítulo 3 de Gênesis, lemos que Adão e Eva foram expulsos do jardim do Éden, e impedidos de se aproximarem novamente da árvore da vida. A partir dali, as consequências da desobediência não ficariam isoladas no primeiro casal, pois a sentença proferida por Deus atingiu toda a humanidade. O pecado se tornou universal, e todos foram separados de Deus.

Na Queda do Homem com Adão todos pecam, ou seja, o homem já nasce contaminado pelo pecado. Assim como o apóstolo Paulo escreveu, “todos morrem em Adão” (1Co 15:22; Rm 5:12-19). É exatamente esse conceito que alguns estudiosos chamam de “Pecado Original”, porque é derivado da raiz da humanidade, isto é, todo indivíduo já nasce com ele, e consequentemente esse pecado é a origem de todos os outros pecados que o homem comete ao longo da vida. O salmista também observou isto:

E não entres em juízo com o teu servo, porque à tua vista não se achará justo nenhum vivente.
(Salmos 143:2)

Quando assumimos a verdadeira doutrina bíblica sobre a Queda do Homem, percebemos então que todo homem é culpado e merecedor do castigo divino, ou seja, a punição pelo pecado não é uma injustiça por parte de Deus, ao contrário, é justiça. Em outras palavras, a injustiça do homem é causa da justiça de Deus.

Algumas pessoas questionam se isso não parece injusto, já que toda humanidade herdou o pecado de um só homem. Sobre isso, é preciso perceber que Adão foi criado como líder e representante de toda a raça humana. Ele não possuía pecado, foi criado pessoalmente por Deus, seu código genético era perfeito e, com certeza, ele era o mais bem preparado entre todos os homens para representar a humanidade.

Adão tinha tudo o que precisava, mas não foi o suficiente para ele. O triste nessa história é que nenhum de nós, no lugar dele, teria feito melhor.

Tudo isso significa que o homem, criado à imagem e semelhança de Deus, com capacidade de governo e livre decisão, isto é, apto ao livre arbítrio, agora se encontra incapaz de decidir pelo bem em relação a Deus, pois não possui mais a bondade original com a qual foi criado. A imagem de Deus foi distorcida no pecador, e com seu entendimento cegado, ele é controlado em todos os aspectos pela perversidade, vivendo agora em rebelião contra Deus.

Essa condição não significa que o homem é tão mal quanto possa ser, nem mesmo que o homem seja incapaz de pensar ou realizar alguma coisa boa, pois a imagem de Deus nele não foi completamente perdida, e o próprio Deus, por Sua infinita misericórdia, derrama sobre todos a Graça Comum.

O que aconteceu foi que, após a Queda, o homem passou a ser portador de uma natureza corrupta que impossibilita a realização de qualquer bem espiritual. Isso significa que em relação a Deus, o homem, por si só, é incapaz de fazer algo bom.

Isso enfatiza a verdade bíblica de que se não for pela Graça Salvadora, o homem nunca escolherá Deus, ou seja, a única maneira do homem seguir os mandamentos do Senhor e ter uma conduta de vida que agrada a Deus, é se o próprio Deus intervir.

Os efeitos da Queda do Homem também atingiram a terra física e toda a criação (Gn 3:17; Rm 8:20-22). O homem, a coroa da criação, caiu, e sua desobediência trouxe consequências terríveis para toda a terra, sendo que tais consequências só serão aniquiladas no novo céu e na nova terra.

Por fim, diante desse evento tão triste, em meio às sentenças de Deus em relação à desobediência do homem, temos notícias de que nada daquilo pegou Deus de surpresa. O próprio Deus revelou ali que ainda havia esperança, uma esperança decretada por Deus ainda antes da fundação do mundo (Ef 1:4) e anunciada por Ele em Gênesis 3:15.

Ali, o Evangelho foi pela primeira vez anunciado, apontado para o mistério revelado plenamente no Novo Testamento, onde a antiga serpente feriu o calcanhar do Filho de Deus, porém teve sua cabeça esmagada, sendo derrotada de forma irreversível.

Sobre isso, o apóstolo Pedro escreveu que a redenção veio pelo “precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado, o qual, na verdade, em outro tempo foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo, mas manifestado nestes últimos tempos por amor de vós” (1Pe 1:19,20).

Agora fica mais fácil percebermos que no versículo 24 do capítulo 3 de Gênesis, a expulsão do homem do jardim e a proibição à árvore da vida foi, na verdade, uma benção para nós, pois sabemos que quando nossa vida terrena chegar ao fim, então, finalmente, mais uma vez estaremos com Deus. Portanto, nesse aspecto a morte é uma providência divina.

As doutrinas sobre a Queda do Homem

Ao longo da história do cristianismo, ensinos contrários a verdade bíblica que o pecado atingiu todas as áreas do homem, foram introduzidos na igreja.

Geralmente, tais doutrinas possuem raízes nos ensinos de Pelágio, que, de forma resumida, ensinava que o pecado de Adão atingiu somente a ele mesmo. Sendo assim, as demais pessoas pecam devido aos exemplos ruins. Em outras palavras, o Pelagianismo ensina que todos nascem sem pecado e aprendem a pecar por convivência.

Essa doutrina adquiriu novas roupagens e sofreu muitas modificações no decorrer dos tempos, como por exemplo, o Semi-Pelagianismo, que infelizmente é defendido por muitos crentes que não conhecem as Escrituras. Todavia, todas as ramificações dessa doutrina herética basicamente afirmam que o homem, mesmo sem ser regenerado, ainda possui capacidade de realizar obras ou escolhas que o façam alcançar a salvação.

Depois da Queda do Homem, a Bíblia ensina muito claramente que o que se segue é um estado de depravação total da humanidade (Jo 5:42; Rm 3:10-12, 23; Rm 7:18,23; Ef 4:18; 2Tm 3:2-4; Tt 1:15;). Assim, não há qualquer chance de justificação à parte dos méritos de Cristo.

Aplicativo de Estudo Bíblico

1 comentário
  1. Rômulo M. De Souza O usuário diz

    Coisa maravilhosa saber mais de Deus. O espírito a todo tempo testifica. Ontem estava lendo essa passagem e duvidas pairavam minha cabeca, e hoje acordo e vejo uma notificação​ no meu tablet para ler o estudo adicional! Deus é maravilhoso. Que Deus abençoe o escritor da materia do site. Paz!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.