A História das Cidades de Sodoma e Gomorra

Sodoma e Gomorra são duas cidades mencionadas na Bíblia que foram destruídas pelo juízo de Deus. A destruição das cidades de Sodoma e Gomorra está registrada no livro de Gênesis. As duas cidades foram destruídas por causa da terrível depravação de seus habitantes. Os sodomitas e os cidadãos de Gomorra são lembrados na Bíblia pela forma com que transgrediram a Lei de Deus.

Qual era a localização de Sodoma e Gomorra?

Sodoma e Gomorra são listadas entre as cidades que “se ajuntaram no vale de Sidim” (Gênesis 14:3). Essas cidades são geralmente identificadas como “as cidades da planície”. Além de Sodoma e Gomorra, havia também as cidades de Admá, Zeboim e Zoar (ou Bela).

A localização dessas cidades tem sido tema de muitos debates. Durante muito tempo a hipótese mais defendida era a de que Sodoma, Gomorra e as demais cidades, ficavam localizadas ao norte do Mar Morto. Supostamente as cidades ficavam num local onde o vale do Jordão se alaga, formando a planície do Jordão (cf. Deuteronômio 34:3).

Depois, à luz de novas evidências e informações arqueológicas, a hipótese mais provável para a localização de Sodoma e Gomorra é a extremidade sul do Mar Morto. Hoje esse a maior parte desse local está coberto por águas rasas, não muito mais profunda que a altura mediana de um homem. Entretanto, vale ressaltar que ainda não foi descoberta nenhuma prova incontestável da localização das cidades de Sodoma e Gomorra nesse local.

Um dos principais argumentos utilizados a favor da localização ao sul do Mar Morto, é a desolação e esterilidade da região. Parece que aquela área testemunhou um grande julgamento. Há também muitas formações de sal, enxofre e petróleo ali.

Uma montanha formada quase que exclusivamente de puro sal, e que está localizada na costa sudeste do Mar Morto, é identificada por muitos como um símbolo de Sodoma. Atualmente os guias locais referem-se a essa montanha como “a mulher de Ló”, em alusão ao episódio da destruição de Sodoma em que a mulher de ló foi convertida em sal.

Existe uma península na costa leste chamada de El-Lisan, “a língua”. Acredita-se que a bacia ao sul seja o vale de Sidim. Ali cinco cursos d’água correm em direção às costas sul e sudeste do Mar Morto. Talvez isso possa sugerir a fonte de água responsável pela irrigação dos campos das cinco cidades.

Os estudiosos acreditam que essa península antigamente estava em contato com a margem ocidental. Então na área sul havia um terreno seco onde ficava Sodoma; enquanto que na planície ficavam as demais cidades, incluindo Gomorra.

Há também outra informação interessante. Investigações arqueológicas afirmam que por volta de 2.000 a.C. houve uma catástrofe muito grande naquela área. Arqueólogos estimam que aquela área ficou vazia por pelo menos 600 anos. Acredita-se que tal catástrofe tenha sido um grande terremoto que também ocasionou a liberação e a explosão de depósitos gasosos.

Considerando que a data esteja correta, tal desastre coincide com o período da catástrofe ocasionada pelo juízo Divino sobre Sodoma e Gomorra descrito na Bíblia. Assim, as ruínas das cidades podem ter sido cobertas pelas águas do Mar Morto após a cataclísmica elevação do nível do solo que causou a inundação daquele terreno.

A organização política de Sodoma e Gomorra

Sodoma, Gomorra e as demais cidades daquela planície eram cidades-estado. Isso significa que cada uma delas tinha seu próprio rei (Gênesis 14:2). Após uma guerra contra os reis da Mesopotâmia, essas cidades se tornaram subordinadas à Quedorlaomer, rei de Elã, durante doze anos.

Depois desse período, as cidades se rebelaram e entraram em guerra contra Quedorlaomer e seus três aliados (Gênesis 14:9). O resultado do conflito foi a derrota dessas cidades. Na ocasião muitos de seus habitantes tiveram seus bens confiscados e foram levados em cativeiro. Entre os cativos estava e sua família.

A Bíblia diz que quando Abraão soube o que ocorreu, o patriarca atacou os aliados vitoriosos. Após derrotá-los, Abraão recuperou os prisioneiros e os bens que foram levados como espólio de guerra (Gênesis 14:13-16).

Receber Estudos da Bíblia

A destruição de Sodoma e Gomorra

A destruição de Sodoma e Gomorra está registrada detalhadamente nos capítulos 18 e 19 do livro de Gênesis. Em conexão com a história da destruição de Sodoma e Gomorra, o texto bíblico fala sobre como o Senhor concedeu livramento a Ló e sua família. De acordo com o escritor de Gênesis, com exceção de Zoar, as demais cidades daquela campina também foram atingidas pelo juízo divino (Gênesis 19:25; cf. Judas 7).

Na ocasião da destruição de Sodoma e Gomorra Ló intercedeu por Zoar e a cidade foi salva da destruição (Gênesis 19:20-23). Zoar era uma cidade menor que as demais. Ela ficava à uma pequena distância de Sodoma e Gomorra. Após fugir de Sodoma, Ló se hospedou ali provisoriamente. Depois ele acabou partindo para as colinas atrás da cidade (Gênesis 19:20-30).

A destruição de Sodoma e Gomorra se deu por meio de fogo que desceu do céu. A Bíblia relata que “o Senhor fez chover fogo e enxofre do céu” (Gênesis 19:24). A destruição foi tão grande que toda a planície foi atingida, consumindo todos os habitantes e também a vegetação daquele lugar, conforme podemos notar na expressão “e o que nascia da terra”. Isso significa que a terra que antes era uma região frutífera e populosa, após o julgamento Divino passou a ser estéril e deserta.

O julgamento de Sodoma e Gomorra por causa da grande perversão presente naquelas cidades, é amplamente mencionado nas Escrituras (Deuteronômio 29:23; Isaías 1:9; 3:9; Jeremias 50:40; Ezequiel 16:46; Mateus 10:15; Romanos 9:29).

Quais foram os pecados de Sodoma e Gomorra?

Certamente os pecados de Sodoma e Gomorra foram muitos. Na visita dos dois anjos do Senhor a Ló em Sodoma, é possível perceber o quão perverso era aquele povo. Inclusive, a Bíblia diz que “tanto o moços como os velhos, sim, todo o povo de todos os lados”, eram iníquos (Gênesis 19:4).

No próprio capítulo 19 do livro de Gênesis fica claro que havia dois erros graves em Sodoma e Gomorra. Em primeiro lugar, parece que os habitantes daquelas cidades violavam os convidados e estrangeiros que passavam por ali. Em segundo lugar, a imoralidade havia tomado conta de todos naquele lugar, sobretudo com desejo sexual que não era natural (cf. Romanos 1:27).

Alguns registros de antigas tradições judaicas fazem referência à crueldade com que os habitantes de Sodoma e Gomorra tratavam os viajantes. Judas, em sua epístola, ao denunciar os falsos mestres, fala sobre o pecado generalizado de Sodoma e Gomorra. Esse pecado também se espalhou pelas cidades circunvizinhas. Judas escreve que os habitantes daquelas cidades “se entregaram à imoralidade e as relações sexuais antinaturais” (Jd 1:7).

No mesmo versículo, Judas ainda deixa claro que o juízo sobre Sodoma, Gomorra e as demais cidades, não se esgotou apenas na destruição histórica que ocorreu naquela área. O escritor bíblico diz que seus habitantes estão “sob o castigo do fogo eterno”. Em outras referências nas Escrituras, os pecados de Sodoma e Gomorra também são listados como:

  • Opressão social (Isaías 1:10).
  • Adultério, mentira e proteção aos criminosos (Jeremias 23:14).
  • Soberba, complacência e falta de piedade (Ezequiel 16:49).

As cidades de Sodoma e Gomorra se juntam em mais um triste exemplo de como o homem longe de Deus é perverso e mau. Sozinho, por si mesmo, o homem é incapaz de fazer aquilo que agrada a Deus e obedecer os seus mandamentos. Por isto que sem a justiça de Cristo, todos são merecedores do juízo Divino, assim como os habitantes de Sodoma e Gomorra.

1 comentário em “A História das Cidades de Sodoma e Gomorra”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close