Quem é o Cordeiro de Deus Que Tira o Pecado do Mundo?

A expressão “Cordeiro de Deus” é aplicada a Jesus referindo-se ao fato de que Ele é o sacrifício perfeito e definitivo providenciado por Deus para expiação do pecado. João Batista utilizou literalmente essa expressão ao dizer: “Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (João 1:29,36).

Por que Jesus é chamado de “o Cordeiro de Deus”?

Para entendermos corretamente o porquê de Jesus ser chamado de “o Cordeiro de Deus”, precisamos primeiro saber que os cordeiros eram parte importante dos sacrifícios do Antigo Testamento.

Na verdade, a figura do cordeiro já aparece na Bíblia como parte importante do ritual religioso antes mesmo de Deus passar a Moisés as instruções oficiais acerca da religião judaica durante a peregrinação dos hebreus pelo deserto do Sinai.

Nos primeiros capítulos de Gênesis, encontramos Abel oferecendo a Deus uma oferta das primícias de seu rebanho (Gênesis 4:3-5). Na ocasião em que Abraão foi oferecer Isaque em holocausto, Deus providenciou um cordeiro para substituir o filho do patriarca como sacrifício (Gênesis 22:13).

Na véspera da saída do povo de Israel do Egito, Deus deu instruções sobre a instituição da Páscoa Judaica, onde um cordeiro deveria ser sacrificado e seu sangue aspergido nos umbrais das portas dos israelitas. Assim, o anjo da morte passaria por cima da casa dos hebreus quando fosse visitar a terra do Egito e matar seus primogênitos (Êxodo 12).

Receber Estudos da Bíblia

A partir daquele momento, a Páscoa passou a ser uma das mais importantes festividades judaicas, sendo celebrada anualmente pelo povo de Israel. O cordeiro pascal deveria ser sem defeitos, e, além disso, nenhum de seus ossos poderia ser quebrado (Êxodo 12:5,46; Números 9:12).

Além do cordeiro sacrificado na Páscoa, os cordeiros também eram imolados na oferta diária, ou seja, havia o sacrifício de cordeiros para a expiação do pecado do povo todos os dias (Números 28:4).

Jesus é o Cordeiro de Deus

Ainda no Antigo Testamento, encontramos referências sobre o Cordeiro que sofre calado (Isaías 53; cf. Jeremias 11:19). O profeta Isaías profetizou detalhadamente sobre o sofrimento do Messias, apresentando-o como o Cordeiro que foi levado para o matadouro e que foi golpeado por causa da transgressão do seu povo (Isaías 53:7,8).

Além disso, o profeta deixa claro que foi da vontade do Senhor esmagá-lo, moê-lo e fazê-lo sofrer, fazendo de sua vida uma oferta pela culpa (Isaías 53:10). Com isso, Isaías apresentou de forma muito clara o conceito do Cordeiro de Deus.

Já no Novo Testamento, no primeiro capítulo de João, lemos sobre como João Batista apontou para Jesus testificando que Ele é “o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (João 1:29,36). Conheça a história de João Batista.

Não se sabe exatamente se ao designar Jesus como “Cordeiro de Deus”, João Batista tinha mente o cordeiro pascal, ou o cordeiro da oferta diária ou mesmo o cordeiro da profecia de Isaías. Na verdade nem é necessário fazer qualquer distinção acerca disso, pois Cristo é o Antítipo para o qual todos eles apontavam, ou seja, todos os cordeiros que foram sacrificados representavam apenas o que era temporário, e apontavam para Cristo e seu sacrifício como a solução perfeita e definitiva providenciada por Deus para expiar o pecado de seu povo.

É por isso que o apóstolo Pedro fala de Cristo como sendo o Cordeiro conhecido antes da fundação do mundo (1 Pedro 1:19,20). O evangelista Filipe, ao explicar as Escrituras ao eunuco etíope, entendeu que o Cordeiro da qual falou Isaías é o Cristo, o Cordeiro de Deus (Atos 8:32-35).

O apóstolo Paulo também falou de Cristo como sendo o Cordeiro pascal que foi sacrificado (1 Coríntios 5:7). Além disso, o paralelo entre o cordeiro da Páscoa e Cristo como o Cordeiro de Deus é tão grande, que assim como o cordeiro pascal não podia ter nenhum de seus ossos quebrados, Cristo, em seu sacrifício, também teve todos os seus ossos preservados para que se cumprissem as Escrituras (João 19:36; cf. Salmos 34:20).

O Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo

Aqui é importante entender que a frase “o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” não significa um tipo de universalismo que defende que de fato Cristo tirou o pecado do mundo inteiro, e, por isso, todos serão salvos no final.

Apesar de haver poder suficiente em seu sacrifício para tal coisa, definitivamente não é isso que a Bíblia ensina. Na verdade, no próprio Evangelho de João existem várias referências que refutam essa ideia (João 1:12,13; 10:11,27,28; 17:9; 11:50-52).

Para entender melhor o significado da sentença “o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”, podemos recorrer também ao livro do Apocalipse, onde o Senhor Jesus é designado como “o Cordeiro” de forma mais frequente em toda a Bíblia (pelo menos 28 vezes).

Se em outras referências Cristo aparece geralmente como o Cordeiro que sofre, no Apocalipse Ele aparece especialmente como o Cordeiro exaltado e vitorioso. Assim, Cristo é o Cordeiro de Deus que se ofereceu a si mesmo como sacrifício propiciatório pelo seu povo, venceu a morte e é o único capaz de abrir o livro selado com sete selos (Apocalipse 5:2-5).

Com seu próprio sangue, Ele comprou homens de toda tribo, língua, povo e nação, e os constituiu reis e sacerdotes de Deus, os quais reinarão com Ele (Apocalipse 5:8-10). Sem dúvida esse é o significado correto de quando se diz que Jesus é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, sendo que esse “mundo” não significa cada pessoa em particular, mas pessoas espalhadas em todos os povos, tribos, línguas e nações.

Portanto, quando João Batista apresenta Cristo como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, ele simplesmente está dizendo que o Filho Deus não veio para tirar o pecado de uma nação em particular, como por exemplo, os judeus, mas veio tirar o pecado de seres humanos que estão espalhados por todo o mundo, a fim de reuni-los como filhos de Deus num só povo (João 11:51,52).

É por isso que Jesus é o Cordeiro de Deus que possui o Livro da Vida (Apocalipse 13:8), no qual está registrado o nome de todos aqueles que Ele resgatou com seu próprio sangue. Por outro lado, a ira de Deus será derramada sobre aqueles que não forem achados escritos nesse livro, pois a justiça Divina exige a punição do pecado.

Assim, os redimidos têm seus pecados punidos na pessoa do Cordeiro de Deus, enquanto que os ímpios inevitavelmente têm seus pecados punidos no lago de fogo (Apocalipse 20:15). Saiba também o que é o Livro da Vida.

Tag
Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close