Quais São os Dez Mandamentos de Deus na Bíblia?

Os Dez Mandamentos expressam de forma sintetizada a lei moral de Deus. Essa lei é eterna e transcende ao Antigo e ao Novo Testamento. Os Dez Mandamentos são as dez palavras da Aliança. No texto hebraico é empregado o vocábulo dabar, “palavra”. Esse termo era utilizado para as estipulações nos tratados políticos da época. Por isto os Dez Mandamentos também são chamados de Decálogo, que significa “dez palavras” no grego.

Os Dez Mandamentos estão registrados em Êxodo 20:2-17. Depois eles são repetidos em Deuteronômio 5:6-21. Resumidamente, os Dez Mandamentos são:

  • 1º mandamento: Não terás outros deuses diante de mim.
  • 2º mandamento: Não farás para ti imagem de escultura.
  • 3º mandamento: Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão.
  • 4º mandamento: Lembra-te do dia de descanso para santificar.
  • 5º mandamento: Honra teu pai e tua mãe.
  • 6º mandamento: Não matarás.
  • 7º mandamento: Não adulterarás.
  • 8º mandamento: Não furtarás.
  • 9º mandamento: Não dirás falso testemunho.
  • 10º mandamento: Não cobiçarás nada do teu próximo.

Quando os Dez Mandamentos foram dados por Deus?

A lei moral de Deus foi revelada ao homem desde o princípio. A vontade do Senhor, de forma geral, está impressa na consciência do homem criado à sua imagem e semelhança, apesar de essa imagem ter sido desfigurada pelo pecado. Essa mesma lei foi revelada de forma detalhada e especial por Deus ao seu povo, e registrada através de Moisés. Entenda quem foi Moisés.

Então os Dez Mandamentos foram dados por Deus por escrito no Monte Sinai. O texto bíblico enfatiza a origem dos mandamentos em Deus, dizendo que essas palavras foram “escritas pelo dedo de Deus” em tábuas de pedra (Êxodo 31:18; cf. 32:15-16; 34:1,28).

As duas tábuas de pedra que registraram os Dez Mandamentos ficaram conhecidas como “tábuas da Lei”. Durante parte da história do povo de Israel, essas tábuas da Lei ficaram guardadas dentro da Arca da Aliança, juntamente com o vaso do maná e a vara de Arão.

A forma com que os Dez Mandamentos são apresentados, se assemelha à disposição dos antigos tratados do segundo milênio antes de Cristo. O Decálogo inclui um preâmbulo seguido de um prólogo histórico (Êxodo 20:2), e as estipulações do tratado, que são os mandamentos propriamente ditos (Êxodo 20:3-17).

Os Dez Mandamentos, especificamente, não trazem penalidades. Isso significa que eles servem como um documento de base da Aliança de Deus com seu povo. As penalidades são registradas acompanhando uma série de leis que seguem imediatamente o registro dos Dez Mandamentos (Êxodo 20:22-23:19).

É interessante notar o paralelo que há entre os atos criativos de Deus e os Dez Mandamentos. Deus criou todas as coisas por meio de dez palavras (Gênesis 1:3-29). Da mesma forma, através de dez palavras, Deus transmitiu o seu propósito e regulou a vida na sociedade humana.

Qual o significado dos Dez Mandamentos?

Como foi dito, os Dez Mandamentos revelam que existe um Deus, e expressam a sua vontade, sua santidade e sua autoridade. Eles refletem seu caráter santo e justo e indicam seu propósito para o homem. Essa lei moral de Deus não está registrada apenas nos Dez Mandamentos, mas pode ser vista nas Escrituras do começo ao fim. Ela está nos demais estatutos transmitidos a Moisés, nos escritos dos profetas, no ensino de Jesus Cristo e nas epístolas do Novo Testamento. Em sua Lei, Deus adverte e proíbe aquilo que lhe ofende, bem como ordena e indica aquilo que lhe agrada.

Os quatro primeiros mandamentos dizem respeito a nossa relação com Deus. Eles revelam que nosso Deus é único e verdadeiro, e que seu santo nome deve ser reverenciado. Por isto não devemos adotar falsos deuses ou buscar em formas materiais alguma expressão divina. Além disso, devemos dedicar um período de descanso do nosso trabalho para santificar ao Senhor.

Os seis últimos mandamentos dizem respeito ao nosso relacionamento com o próximo. Esse bom relacionamento deve, em primeiro lugar, começar dentro de nossa própria casa, honrando nossos pais. Também não devemos atentar contra a vida de nosso próximo, nem contra suas posses ou sua moral.

O último dos 10 mandamentos conclui essa síntese da lei moral de Deus mostrando a gravidade dos nossos pensamentos, das intenções de nosso coração. Se a ação negativa contra o próximo é terminantemente proibida, da mesma forma também o é arquitetar, ainda que no campo da imaginação, contra ele.

Os Dez Mandamentos são válidos para hoje?

Sim, os Dez Mandamentos continuam válidos na atualidade. Mais uma vez é importante repetir: os Dez Mandamentos resumem a lei moral de Deus e expressam sua natureza santa e sua vontade perfeita. Deus é imutável e, consequentemente, sua Palavra também é. Isso significa que tudo aquilo que os Dez Mandamentos proibia no tempo de Moisés, continua sendo proibido em nossos dias.

O próprio Jesus fala disto ao ensinar sobre como seus seguidores devem viver suas vidas de uma forma que agrada a Deus. Ele resume os Dez Mandamentos em apenas dois que fundamentam todos os demais: o amor a Deus e o amor ao próximo (Mateus 22:37-40). É muito fácil entender por que Jesus coloca os Dez Mandamentos dessa forma, compactando-os em dois.

Aquele que ama a Deus de todo seu coração, de toda sua alma, de todo seu entendimento, sobre todas as coisas, jamais irá reconhecer outro deus diante d’Ele ou construir imagens de escultura. Também saberá entender a importância e o significado do nome de Deus, e não irá tomá-lo em vão. Além disso, também sentirá prazer em dedicar-lhe um tempo adequado para adorá-lo por sua grandeza e por suas obras.

Da mesma forma, aquele que ama ao seu próximo como a si mesmo, refletirá esse amor na forma com que ele procura honrar seus pais. Ele também não irá buscar matar, furtar, adulterar, difamar e cobiçar o seu próximo.

Receber Estudos da Bíblia

Como os cristãos devem guardar os Dez Mandamentos?

Os judeus receberam a Lei de Deus e acreditavam que se fossem capazes de cumpri-la na íntegra, alcançariam o perdão e o favor de Deus. Consequentemente, eles seriam aceitos no paraíso.

Mas os cristãos jamais devem interpretar a Lei de Deus dessa forma. Eles não devem guardam os Dez Mandamentos como uma forma de obter justiça própria, pois isto é impossível. Ninguém poderá alcançar a salvação por cumprir os Dez Mandamentos, até porque ninguém é capaz de obedecer, por si mesmo, todos os mandamentos do Senhor.

O problema, obviamente, não está nos mandamentos de Deus, mas na alienação do próprio homem. Os Dez Mandamentos não revelam somente quem Deus é, mas também quem nós somos, e somos, por natureza, pecadores que merecem a condenação por quebrar a Lei de Deus.

A natureza do homem é corrompida pelo pecado e sua vontade inclinada ao mal. Apenas Jesus cumpriu toda a Lei. Ele foi o único que obedeceu de forma completa e absoluta os Dez Mandamentos. Então através d’Ele, por sua justiça imputada em nós, também nos tornamos cumpridores da Lei de Deus. Mas neste caso, todos os méritos são de Cristo! Entenda a doutrina da justificação pela fé.

Guardando os Dez Mandamentos como norma de gratidão

A Lei de Deus revela o que o homem pode e o que não pode fazer. Porém ela não lhe concede poder para cumpri-la plenamente. Por isto o apóstolo Paulo escreve que “a letra mata”. Mas todos aqueles que nascem de novo são habilitados pelo Espírito Santo a viver de uma forma que agrada a Deus. Por isto o mesmo apóstolo completa dizendo que “o Espírito vivifica” (2 Coríntios 3:6). O próprio fruto do Espírito é gerado em cada um deles, em contraste com as obras da carne comuns à velha natureza.

Assim, os cristãos observam os Dez Mandamentos como uma norma de gratidão ao Deus que os salvou. Eles foram redimidos por Cristo, salvos pela graça mediante a fé. Por causa de sua nova natureza, eles desejam viver de uma forma que agrada a Deus. Alguém pode perguntar: Como posso agradar a Deus e glorificar seu nome através da minha conduta de vida? Os Dez Mandamentos fornecem uma resposta simples, clara e direta a esta pergunta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close