Estudo Sobre Elias na Caverna: Por Que Elias se Escondeu?

A experiência de Elias na caverna está entre as passagens da Bíblia que mais evidenciam a fragilidade humana. Mas o estudo bíblico dessa passagem revela que Deus cumpre sua vontade apesar das limitações do ser humano.

Elias na caverna é um lembrete que até os mais fortes podem ser fracos. Elias foi um dos profetas mais emblemáticos de Israel. Inclusive, no Novo Testamento ele aparece no episódio da transfiguração de Jesus junto de Moisés representando a escola profética da comunidade da aliança.

Além disso, sem dúvida o profeta Elias foi um dos homens da história da humanidade que presenciaram de forma mais extraordinária as claras manifestações do poder de Deus. Ele viu morto ressuscitar pelo poder divino através de seu ministério; viu Deus controlando diretamente a natureza secando a terra e depois mandando chuvas torrenciais; e viu fogo descer do céu da parte do Senhor. Mas depois de tudo isso ele ainda tentou fazer de uma caverna o seu lar.

Elias na caverna é uma prova de que milagres não mantêm ninguém de pé. O que mantém o servo de Deus ativo em seu serviço é a comunhão com o Senhor na obediência à sua Palavra.

Por que Elias se escondeu na caverna?

A história de Elias na caverna está registrada em 1 Reis 19. Mas para entendermos o motivo pelo qual o profeta fugiu para a caverna, precisamos retornar ao capítulo anterior. Mas engana-se quem pensa que 1 Reis 18 é um capítulo melancólico que culmina na imagem do fracasso de Elias na caverna no capítulo seguinte. Muito pelo contrário!

No capítulo anterior ao episódio da caverna, Elias aparece no auge. Nem de longe ele lembra um homem frágil, amedrontado, com crise de identidade e um discurso vitimista escondido numa caverna.

Em 1 Reis 18 Elias aparece como um homem corajoso para confrontar o rei Acabe; para convocar todo o Israel e os profetas de Baal no monte Carmelo; para desafiar os profetas pagãos e depois matá-los diante da manifestação do poder do Senhor; e para orar por chuva em Israel depois de anos de terrível seca. Por fim, sob a capacitação do Senhor, ele ainda correu por quase quarenta quilômetros do monte Carmelo até Jezreel.

Mas então como um homem assim foi do auge ao fundo do poço? Do monte da vitória para a caverna do desalento? Por que Elias fugiu para a caverna?

Talvez Elias estivesse esperando que as demonstrações do poder de Deus no monte Carmelo produzissem quebrantamento em Jezabel e Acabe. Mas não foi isso que aconteceu. Em vez de arrependimento, a perversa esposa de Acabe declarou guerra ao Senhor, e começou por ameaçar o seu porta-voz em Israel, o profeta Elias.

Então diante desse cenário pode ser que Elias tenha julgado ter falhado em sua missão como profeta. De fato ele se sentiu um fracasso, e quando recebeu a carta de ameaça de Jezabel, fugiu temendo por sua vida.

Alguém pode perguntar o porquê de Jezabel ter mandado uma ameaça a Elias ao invés de tê-lo matado prontamente. Muito provavelmente ela fez isso por pura estratégia.

Elias tinha acabado de provar diante de todo o Israel que era um profeta de Deus. Se Jezabel matasse Elias, possivelmente ela enfrentaria o descontentamento do povo. Então parece que o objetivo principal de Jezabel era fazer Elias fugir. Ela preferia um Elias na caverna em vez de um Elias mártir.

Elias a caminho da caverna

A estratégia de Jezabel funcionou e Elias fugiu de Jezreel em direção a Berseba. Nesse ponto a Bíblia não mostra Elias consultando ao Senhor; muito menos se recordando das experiências grandiosas que ele havia tido ao longo de seu ministério.

O Senhor não o havia desamparado em nenhum momento, e também não seria naquela ocasião que Ele iria desampará-lo. Mas Elias desviou os olhos da fé e os colocou sobre as circunstâncias. Seu comportamento foi tão irracional que ele, um homem caracterizado pela coragem, fugiu de um inimigo derrotado.

De Berseba, Elias partiu para o deserto. Ele se assentou debaixo de um arbusto típico de terrenos desérticos e orou a Deus. Mas a oração de Elias foi a expressão de sua desesperança. Em sua oração ele declarou que queria desistir e desejou a morte. Em seguida ele se deitou e dormiu.

Então a Bíblia diz que ele acordou quando um anjo lhe tocou ordenando que ele comesse a refeição que o Senhor havia milagrosamente lhe fornecido. Depois, Elias dormiu novamente até que outra vez foi acordado pelo anjo para, mais uma vez, se alimentar.

Com aquelas duas refeições a Bíblia diz que Elias caminhou quarenta dias e quarenta noites até o Monte Horebe. Aqui vale lembrar que o Monte Horebe é o mesmo Monte Sinai onde Deus se revelou a Moisés. Nesse percurso Elias caminhou quase 400 quilômetros, numa viagem que levou quarenta dias e quarenta noites.

O texto bíblico não explica por que essa viagem demorou tanto, já que esse percurso poderia ser feito num tempo muito menor. Alguns comentaristas enxergam alguns paralelos com os quarenta anos que Israel peregrinou no deserto; com os quarenta dias que Moisés passou na montanha; e com os quarenta dias que Jesus passou no deserto quando foi tentado.

Elias na caverna

Foi quando chegou ao Horebe que Elias entrou numa caverna, onde passou a noite. A situação do profeta era tão complicada que muitos estudiosos acreditam que Elias teve depressão naquele episódio. Ele estava exausto e abatido. Seja como for, ele estava disposto a desistir de seu ministério e até de sua vida.

Mas foi na caverna que Deus falou com Elias. Em vez de repreendê-lo, o Senhor apenas lhe perguntou: “Que fazes aqui, Elias?” (1 Reis 19:9). Isso mostra a forma pessoal, paciente e atenciosa com que Deus trata os seus filhos que passam por momentos de desespero.

No entanto, Elias não respondeu de forma direta a pergunta do Senhor. Na verdade ele tentou se justificar em sua resposta, mostrando uma mistura de orgulho com pena de si mesmo. Ele alegou ter sido um servo fiel e zeloso pelo Senhor, enquanto os israelitas quebraram a aliança. No fim, ele acabou julgando estar sozinho e sendo perseguido.

Então Deus lhe ordenou que saísse da caverna para o monte e se colocasse perante o Senhor. A Bíblia diz que veio um vento muito forte, mas o Senhor não estava no vento. Depois veio um terremoto que abalou o monte, mas o Senhor não estava no terremoto. Na sequência veio um fogo, mas o Senhor não estava no fogo.

Por último o texto bíblico diz que veio “um ciclo tranquilo e suave” (1 Reis 19:12). Foi então que Elias saiu e se colocou à entrada da caverna. Nesse momento ele ouviu a voz do Senhor. Mas talvez para a surpresa de Elias, o Senhor lhe fez a mesma pergunta anterior: “Que fazes aqui, Elias?” (1 Reis 19:13). Mais uma vez o profeta repetiu a mesma resposta autopiedosa e um tanto quanto egocêntrica.

Deus restaura Elias na caverna

Embora Elias tivesse agido pelas aparências em vez de agir pela fé, Deus o restaurou ao seu serviço. Deus lhe preparou para terminar o seu notável ministério de forma estratégica. Por isso que na porta da caverna Elias recebeu do Senhor três ordens: 1) ungir Hazael como o novo rei da Síria; 2) ungir Jeú como novo rei de Israel; e 3) ungir o jovem Eliseu como seu sucessor na escola profética de Israel.

Essas três ordens confrontavam o estado deprimente de Elias. O profeta havia fugido com medo da ameaça de uma mulher perversa que era esposa de um rei fraco e reprovado. Mas ele deveria saber que aquele casal só continuaria no poder até quando Deus quisesse.

Deus não apenas controla o trono de Israel, mas controla o trono de todas as nações da terra. Como diz o profeta Daniel, Aquele que se assenta no trono do universo é o mesmo que remove reis e estabelece reis (Daniel 2:21).

A prova disso era que o Senhor não apenas estava levantando o novo rei de Israel, mas também estava instituindo o novo rei da Síria, uma nação pagã. Na verdade Deus haveria de usar os movimentos militares de Hazael e Jeú, e o trabalho profético do jovem agricultor Eliseu, para executar os seus propósitos soberanos. Tudo isso, inclusive, resultou na completa destruição da casa de Acabe.

E assim, pela paciente misericórdia do Senhor, o episódio de Elias na caverna terminou com o profeta tratado e restaurado por Deus.

Receber Estudos da Bíblia

O que aprendemos com Elias na caverna?

Há algo muito interessante na Escritura. Diferentemente das literaturas que procuram idealizar os seus heróis, a Bíblia não esconde as falhas, erros e as limitações dos homens que foram usados poderosamente pelo Senhor. Até mesmo a galeria dos heróis da fé em Hebreus destaca a fragilidade dessas pessoas que ficaram conhecidas por sua fé exemplar (Hebreus 11).

Portanto, com o profeta Elias não foi diferente. Tiago escreve que “Elias era um homem semelhante a nós” (Tiago 5:17). É possível que ao escrever essas palavras, Tiago estivesse pensando justamente na história de Elias na caverna.

Então há lições a aprender tanto com as vitórias dos homens e mulheres de Deus na Bíblia, quanto com suas derrotas. Portanto, no episódio de Elias na caverna podemos aprender algumas lições importantes.

Elias na caverna nos ensina o quando é doloroso sair da vontade do Senhor

A história de Elias na caverna nos ensina que fora da vontade do Senhor, os corajosos cedem ao medo; os vitoriosos são derrotados; e os fortes fracassam.

Elias era o homem que tinha desafiado centenas de profetas de Baal; que tinha presenciado o que Deus fez no Carmelo; que tinha provado que Deus é Aquele que governa sobre o universo e controla as forças da natureza. Mas mesmo assim ele foi parar numa caverna assustado, vacilante e desanimado.

Isso aconteceu porque Ele não se atentou à vontade do Senhor. W. Wiersbe argumenta de forma muito inteligente que quando os servos de Deus saem da vontade de Deus, eles ficam sujeitos a cometer todo tipo de insensatez e a falhar naqueles que são seus pontos mais fortes.

Foi assim com Abraão quando fugiu para o Egito. Faltou fé ao homem que é uma referência de fé na Bíblia, e por isso ele escondeu que Sara era sua esposa (Gênesis 12). A Bíblia diz que Moisés era o mais manso dos homens, mas ele perdeu o privilégio de entrar na Terra Prometida porque lhe faltou a calma (Números 20:1-13; cf. Números 12:3).

Uma característica do rei Davi era sua integridade, mas em seu envolvimento com Bate-Seba lhe faltou ser justamente um homem íntegro (2 Samuel 11-12). O apóstolo Pedro era valente e corajoso, mas lhe faltou coragem quando ele negou a Jesus (Marcos 14:66-72).

Elias na caverna nos ensina que Deus tem sua forma particular de agir

Uma coisa é fato: nem sempre Deus fala o que queremos ouvir; ou age da forma que mais nos agrada. A experiência de Elias na caverna é uma prova disso.

O profeta estava desanimado e desesperado. Então quando finalmente Deus falou com ele, talvez Elias esperasse alguma resposta da parte do Senhor. Em vez disso, primeiro o que Ele ouviu, por duas vezes, foi uma pergunta ao invés de uma resposta.

Quando o Senhor ordenou que ele saísse da caverna, três acontecimentos estrondosos aconteceram: a ventania, o terremoto e o fogo. Mas nenhuma palavra da parte do Senhor veio desses acontecimentos. A palavra do Senhor veio a Elias na calmaria, com uma voz mansa e suave.

Sim, o Deus que é Senhor sobre o vento, os alicerces da terra e o fogo, é o mesmo que também pode se manifestar com suavidade. Muitas vezes esperamos por grandes acontecimentos e demonstrações do poder de Deus, quando na verdade Deus pode estar querendo falar conosco através de um “ciclo suave e tranquilo”. Como diz Oswald Sanders, os sussurros do Calvário são mais poderosos que o trovão do Sinai para conduzir os homens ao arrependimento.

Então aqui devemos aprender com Elias. Apesar de seu momento de fraqueza, ele teve os ouvidos sensíveis o suficiente para ouvir a voz suave do Senhor.

Elias na caverna nos ensina que não podemos nos esconder atrás de justificativas

No lamento de Elias, o profeta tentou se justificar perante Deus. Além disso, ele se apoiou num tipo de autopiedade. Primeiro, debaixo do zimbro no deserto, ele orou a Deus pedindo para morrer e disse não ter sido melhor que seus pais. Mas Deus não havia pedido que Elias fosse melhor do que alguém. O propósito de Deus para Elias era que ele cumprisse o serviço para o qual foi chamado. Como todo crente, o que Elias devia fazer era ouvir a Palavra do Senhor e obedecê-la.

Depois, já na caverna, Elias procurou se justificar. Ele alegou ter sido zeloso e fiel ao Senhor, diferentemente dos demais israelitas, e agora ele estava sozinho e ameaçado de morte. Perceba que num certo aspecto em sua resposta Elias questionou a ação do Senhor, afinal, será que Deus não havia visto que ele tinha sido um servo fiel, que ficou de pé quando os outros caíram? Como Deus teria permitido que o último crente do reino de Israel fosse ameaçado de morte e tivesse que fugir?

Em primeiro lugar, como observa W. Wiersbe, se Elias tivesse mesmo sido um servo fiel, então o que ele estava fazendo escondido numa caverna a centenas de quilômetros do local onde ele deveria exercer seu ministério? Em segundo lugar, não era verdade que Elias fosse o último crente de Israel. A graça de Deus havia conservado um remanescente fiel que não se corrompeu com Baal. Em terceiro lugar, Deus não havia abandona Elias. A prova disso era que pacientemente Deus estava falando com Elias na caverna e escutando o seu desabafo.

Elias na caverna nos ensina que Deus cumpre seu propósito, apesar de nós

O retrato de Elias na caverna é uma demonstração clara de como o propósito de Deus prevalece sobre as nossas falhas. O Senhor poderia ter deixado Elias entregue ao seu desânimo naquela caverna. Ele poderia ter levantado outra pessoa para o lugar de profeta em Israel, porque ninguém é indispensável perante o Senhor. Mas Deus cumpre o seu propósito através de nós, e apesar de nós.

Então apesar das falhas de Elias, Deus tratou com ele e o restabeleceu ao seu lugar. Onde Elias via motivos para desistir, Deus via motivos para ele voltar ao trabalho. Onde Elias só via solidão pensando estar sozinho, Deus via outros sete mil que foram preservados por Ele e não se dobraram a Baal. Enquanto Elias se lamentava pelo passado e pelo presente de Israel, Deus já estava tratando do futuro de seu povo.

Elias na caverna nos ensina que devemos nos esconder em Deus, não numa caverna

A experiência de Elias na caverna nos serve de exemplo quando estivermos em nossas próprias cavernas. Muitas vezes somos fracos, volúveis e inconsequentes, mas o Deus Todo-Poderoso é imutável e enxerga além das circunstâncias que nos amedrontam. Como diz o salmista, o Senhor é como um pai que se compadece de seus filhos. Ele conhece a nossa estrutura e sabe que somos pó (Salmo 103:13,14).

Deus cuida de nós e nos restaura, a ponto de entendermos que o lugar mais seguro que podemos estar não é dentro de uma caverna, mas dentro de sua vontade. Que possamos sair de nossas cavernas para nos refugiarmos no esconderijo do Altíssimo, onde podemos descansar à sombra do Onipotente (Salmo 91:1).

Que tal fazer Bacharel em Teologia sem mensalidades? Clique aqui! Pergunta Estudo Bíblico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar