A História do Profeta Elias

O Profeta Elias foi um dos homens mais conhecidos da Bíblia, citado tanto no Antigo Testamento quanto no Novo. A história de Elias possui um papel muito ativo na narrativa bíblica. Neste estudo, conheceremos tudo o que a Bíblia nos diz acerca de quem foi Elias.

Antes, precisamos saber que o Antigo Testamento menciona três outros homens com o mesmo nome de Elias. O primeiro foi um benjamita (1Cr 8:27,28), e os outros dois foram um sacerdote e um filho de um sacerdote que casaram com mulheres gentílicas (Ed 10:21,26).

A História de Elias

O Profeta Elias viveu no século 9 antes de Cristo, durante os reinados de Acabe e Acazias no reino do norte. Lembrando que em sua época o povo de Israel havia se divido em dois reinos. Judá era o reino do sul com capital em Jerusalém, e Israel era o reino do norte com capital em Samaria. Saiba mais sobre os reis de Israel e os reis de Judá.

A Bíblia não revela nada sobre a vida pessoal e familiar do Profeta Elias. Sabemos apenas que ele era um tisbita que morava na terra de Gileade, a leste do Rio Jordão. O nome Elias significa “Jeová é Deus”.

O ministério do Profeta Elias

O ministério do Profeta Elias começa a ser registrado no livro de 1 Reis capítulo 17 e termina em 2 Reis capítulo 2 com a descrição de sua ascensão ao céu.

Receber Estudos da Bíblia

Elias profetizou numa época muito difícil da História do povo de Israel do ponto de vista religioso. No tempo de Elias, o reino do norte havia alcançado sua melhor posição econômica desde que havia ocorrido a separação do reino após a morte de Salomão.

O rei Onri (885-874 a.C.) procurou estabelecer boas relações com as nações vizinhas. A exemplo disso, ele casou seu filho Acabe com Jezabel, filha de Etbaal, rei dos sidônicos. Esse casal introduziu em Israel a adoração ao deus Baal de Tiro e Sidom. Acabe se encarregou até de construir um templo para Baal em Samaria (1Rs 16:32).

Nesse contexto turbulento de idolatria e paganismo, Elias foi chamado para servir como porta voz de Deus, com a responsabilidade de lembrar aos israelitas que eram o povo do Senhor.

O ministério de Elias pode ser organizado em seis importantes episódios:

  1. O aviso acerca da seca eminente e seu isolamento;
  2. A luta no Monte Carmelo onde enfrentou os profetas de Baal;
  3. A fuga para Horebe;
  4. O episódio envolvendo Nabote;
  5. A profecia acerca de Acazias;
  6. Sua translação ao céu.

A seguir, conheceremos os detalhes mais importantes de cada um destes seis episódios que marcaram o ministério do Profeta Elias.

A profecia acerca da seca e o isolamento do Profeta Elias

Em 1 Reis 17, temos o registro, sem qualquer introdução, das atividades do ministério do Profeta Elias. Na ocasião, o Profeta Elias anunciou que haveria uma grande seca. Devemos lembrar que Baal era o deus da vida e da fertilidade. Logo, tal seca representava um ataque direto à suposta capacidade desse ídolo de controlar as condições do tempo.

Após essa profecia, Elias recebeu recomendações divinas para que se retirasse para o oriente, escondendo-se junto ao ribeiro de Querite. Nesse lugar, Elias foi sustentado milagrosamente. A água vinha do próprio ribeiro, e o pão e carne eram trazidos por corvos (1Rs 17:2-6).

Após o ribeiro secar por conta da severa seca, Elias foi instruído a ir até Sarepta, que é de Sidom, onde seria sustentado por uma viúva (1Rs 17:9). Num primeiro instante imagina-se que a viúva que sustentaria o profeta seria uma mulher de pose. Entretanto, a sequência do texto bíblico nos revela a situação precária em que aquela mulher vivia (1Rs 17:10-12).

De forma milagrosa e providencial, Deus multiplicou a reserva de farinha e azeite da viúva até que a chuva voltasse a cair sobre a terra (1Rs 17:14). Ainda no mesmo capítulo, temos o registro da enfermidade que acometeu o filho da viúva, enfermidade esta que o levou à morte.

A expressão “Que tenho eu contigo, homem de Deus?“, demonstra que aquela mulher associou a visita do Profeta Elias com a enfermidade do seu filho, num sentido de entender que a presença do profeta como um homem de Deus, havia atraído a atenção divina para o pecado dela (1Rs 17:18).

A seguir, o texto relata uma grande prova da identidade de Elias como profeta do Senhor, quando o filho da viúva foi restaurado à vida novamente (1Rs 17:19-22).

O Profeta Elias enfrenta os profetas de Baal no Monte Carmelo

Após três anos que a seca havia começado, Elias recebeu ordens do Senhor para que se apresenta-se a Acabe anunciando que a chuva retornaria sobre a terra. Durante o período de seca, a fome castigou duramente Samaria (1Rs 18:1).

Também nesse período, Jezabel havia mandado matar muitos profetas do Senhor, mas um dos oficiais de Acabe, Obadias, escondeu e sustentou secretamente alguns poucos profetas que conseguiram sobreviver (1Rs 18:4).

O mesmo Obadias foi quem se encontrou com Elias, e intermediou um encontro entre o profeta e Acabe. Nesse encontro, podemos perceber que Acabe responsabilizava Elias pela situação caótica que o reino estava atravessando (1Rs 18:17).

Elias, por sua vez, confrontou o rei deixando claro que, tanto ele quanto a sua casa, eram os culpados por aquela situação, pois haviam transgredido os mandamentos do Senhor em favor da idolatria a Baal (1Rs 18:18).

O Profeta Elias organizou uma reunião pública com todo o Israel no Monte Carmelo, convocando os 450 profetas de Baal e os 400 profetas de Aserá, todos sustentados por Jezabel.

No Monte Carmelo, Elias propôs que dois sacrifícios fossem preparados, um pelos profetas pagãos, e outro pelo profeta do Senhor. Após a preparação, ninguém poderia colocar fogo no sacrifício, pois o fogo deveria surgir de forma sobrenatural (1Rs 18:23,24), ou seja, o sacrifício que fosse queimado representaria ter sido respondido pelo verdadeiro Deus.

Os profetas de Baal invocaram durante muito tempo a resposta de seu deus, saltando sobre o altar que tinham feito e se retalhando com facas, conforme o costume deles (1Rs 18:26-29), porém nada aconteceu.

Então o Profeta Elias restaurou o altar do Senhor que estava quebrado, pediu que fosse derramado água sobre o holocausto e sobre a lenha, e clamou a Deus. “Então o fogo do Senhor caiu e queimou completamente o holocausto, a lenha, as pedras e o chão, e também secou totalmente a água na valeta” (1Rs 18:38).

O povo de Israel respondeu a esse ato confessando que “Jeová é Deus“. Então Elias ordenou a execução dos falsos profetas, e avisou Acabe que uma chuva pesada iria cair, embora o céu estivesse complemente limpo (1Rs 18:40,41).

O Profeta Elias orou e uma chuva muito forte começou a cair. Em mais uma demonstração sobrenatural do poder de Deus na vida do profeta, Elias foi capaz de correr à frente da carruagem de Acabe por todo o caminho até Jezreel, o que representava uma distância de 30 a 35 quilômetros do local onde estavam.

O Profeta Elias foge para Horebe

Após ser ameaçado por Jezabel, Elias fugiu em direção ao sul. Esse foi um momento de profundo desamino na vida do profeta, onde ele chegou a desejar a morte (1Rs 19:1-4). Entretanto, ele foi divinamente alimentado com pão e água e instruído a seguir em direção a Horebe, o monte de Deus. A caminhada durou quarenta dias e quarenta noites, e o profeta foi sustentado apenas pela refeição que havia comido.

O Monte Horebe foi o local onde o Deus da aliança de Moisés se fizera conhecido, portanto a volta de um profeta leal a Deus àquele lugar era muito significativa. No Monte Horebe Deus deu nova visão e novas instruções ao Profeta Elias. Ele recebeu três incumbências:

  1. Ungir Hazael como rei da Síria;
  2. Ungir Jeú como rei de Israel;
  3. Ungir Eliseu como seu sucessor.

Vale mencionar que a comissão acerca de Hazael e Jeú foi complementada por Eliseu, já que a ascensão de ambos aos tronos da Síria e de Israel, respectivamente, é registrada no ministério de Eliseu.

O Profeta Elias e a vinha de Nabote

Em 1 Reis 21, encontramos mais um grande confronto entre o Profeta Elias e a família real. Jezabel havia planejado a execução de Nabote que não queria abrir mão de sua vinha em favor de Acabe. Além disso, eles haviam ignorado o direito à herança da terra que era garantido na nação de Israel.

O Profeta Elias anunciou o juízo divino sobre Acabe e Jezabel, dando detalhes sobre suas mortes e avisando que sua casa seria destruída. Como Acabe se arrependeu, o Senhor adiou por uma geração a destruição da sua dinastia (1Rs 21:29), mas Acabe e Jezabel tiveram mortes desonrosas conforme a profecia (1Rs 22:37,38; 2Rs 9:10,34-37).

A profecia de Elias acerca de Acazias

Acazias subiu ao trono de Israel, sucedendo a Acabe, seu pai (1Rs 22:52). Em uma determinada ocasião, Acazias sofreu um acidente que o deixou aleijado. Prontamente ele tentou buscar auxílio no deus pagão, ironicamente chamado de Baal-Zebude, que significa “Senhor das Moscas”, um trocadilho que ridicularizava o nome Baal-Zebul, que significa “Baal (ou senhor), o Príncipe”.

Acazias desejava saber se poderia se recuperar de seu problema, mas Elias interceptou os mensageiros de Acazias, e ordenou que voltassem ao rei levando a mensagem de que ele havia ignorado o Deus de Israel e que certamente morreria.

Revoltado, Acazias deu ordens para que o Profeta Elias fosse preso. Primeiro foi enviado um capitão com cinquenta soldados ao encontro de Elias que estava no cima do monte, e estes foram consumidos pelo fogo que desceu do céu.

Acacazias enviou outro capitão com cinquenta soldados, e também foram consumidos com fogo. Então, Acazias enviou mais um capitão com seus soldados, porém este último capitão subiu ao encontro de Elias e suplicou por sua vida e pela vida seus soldados.

O Profeta Elias então o acompanhou e foi à presença do rei para transmitir pessoalmente a sua mensagem. Assim como Elias havia predito, Acazias não se recuperou e morreu. Esse episódio está registrado no primeiro capítulo do segundo livro dos Reis.

Elias e Eliseu: o Profeta Elias é transladado ao céu

O final do ministério de Elias está registrado em 2 Reis 2. Eliseu, e alguns outros profetas, perceberam que o ministério do Profeta Elias estava chegando ao fim, e que ele os deixaria. Por algumas vezes Elias tentou se distanciar, mas Eliseu insistiu em acompanhá-lo.

É importante lembrar que Eliseu já havia sido vocacionado para suceder o Profeta Elias (1Rs 19:16,19-21). Elias e Eliseu foram a vários lugares, e, depois de um milagre realizado no Jordão o qual teve suas águas divididas, Eliseu pediu uma porção dobrada do espírito do seu mestre.

Essa era uma referência ao direito que o filho primogênito possuía em receber a porção dobrada da herança de uma família em Israel, e com ela o direito de sucessão (Gn 25:31; Dt 21:17). Em outras palavras, Eliseu estava desejando se tornar o principal herdeiro espiritual de Elias, e não em ser exatamente duas vezes mais “poderoso” do que o profeta como muitas pessoas imaginam.

Eliseu fez um pedido muito ousado, e o Profeta Elias lhe respondeu que dura coisa ele havia pedido, pois não cabia a Elias, e sim a Deus, decidir se o pedido de Eliseu seria atendido. A sequência do texto bíblico nos informa que a concessão desse pedido de Eliseu foi garantida, quando este viu Elias ascender ao céu em um rodamoinho escoltado num “carro de fogo com cavalos de fogo” (2Rs 2:11).

Elias no Antigo Testamento

Além dos livros de 1 e 2 Reis onde sua história está registrada, o Profeta Elias aparece em outras duas referências no Antigo Testamento. Em 2 Crônicas 21:12-15 temos notícias de que Elias enviou uma carta ao rei Jeorão de Judá, o reino do sul. Vale lembrar que o ministério de Elias se concentrou principalmente no reino do norte.

Jeorão havia sucedido seu pai, o rei Josafá, e foi repreendido por ter decidido seguir o padrão idólatra dos reis do reino do norte (Israel), ignorando o caminho do temor e da obediência a Deus e se distanciando do que fora feito por Asa e por Josafá.

Há também uma referência a Elias no livro Malaquias 4:5, onde o profeta é mencionado como precursor do “grande e terrível Dia do Senhor“. Essa passagem é muita discutida entre os estudiosos, sendo que alguns entendem que há nesse versículo uma possível identificação com as duas testemunhas do Apocalipse (Ap 11:3-12), e outros consideram esse versículo como uma referência ao ministério de João Batista, conforme o próprio Jesus indicou (cf. Mt 17:10-13; Mc 9:11-13; Lc 1:13,17). Particularmente creio que a última interpretação é a mais coerente com o texto bíblico.

Elias no Novo Testamento

Elias é mencionado várias vezes nos livros do Novo Testamento, principalmente em relação à identificação de seu ministério com o de João Batista. Entretanto, a menção mais extraordinária de Elias no Novo Testamento é no episódio da transfiguração, onde ele apareceu ao lado de Moisés (Mt 17:1-3; Mc 9:4).

Nos Evangelhos, Elias é citado em: Mateus 11:14; 16:14; 17:1-3; 27:47,49; Marcos 6:15; 8:28; 9:2-13; 15:35,36 e Lucas 1:17; 4:25,26; 9:8,19,28-36,54.

Ainda no Novo Testamento, o Apóstolo Paulo citou o Profeta Elias em sua Carta aos Romanos (11:2-4), e, por fim, Tiago em sua epístola também mencionou o profeta ao fazer uma exposição sobre a importância da oração (Tg 5:17,18).

Tag
Artigos relacionados

6 comentários em “A História do Profeta Elias”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close