Jesus no Antigo Testamento: As Profecias Sobre a Vinda do Messias

Existem inúmeras referências sobre Jesus no Antigo Testamento, de modo que certamente podemos dizer que todo o Antigo Testamento testifica de Cristo. Logo nos primeiros capítulos de Gênesis, após a Queda do Homem, encontramos a promessa sobre Aquele que esmagaria a serpente (Gênesis 3:15).

Depois, quando Deus fez um pacto com o patriarca Abraão, prometendo bênçãos sobre sua descendência, tal pacto e tais promessas estavam diretamente ligados à vinda e a obra redentora do Messias, o grande descendente de Abraão, pelo qual todas as nações seriam abençoadas (Gênesis 12:3; 18:18; 22:18; cf. Gálatas 3:18).

Até quando o mesmo Abraão recebeu a ordem para sacrificar seu filho Isaque no Monte Moriá, Deus proveu um cordeiro para substituir o menino, e claro, aquele cordeiro era um símbolo de Cristo (Gênesis 22).

Mais tarde, quando Deus enviou as dez pragas sobre o Egito para que seu povo fosse libertado, Moisés recebeu instruções da parte de Deus para a celebração da Páscoa (Êxodo 12), e sob a luz do Novo Testamento, entendemos que a Páscoa apontava para o próprio Cristo, nosso Cordeiro pascal, o Cordeiro que tira o pecado do mundo (João 1:29; 1 Coríntios 5:7).

Se Gênesis, que é o primeiro livro do Antigo Testamento, fala de Cristo, o último livro, isto é, o livro de Malaquias, igualmente aponta para o Salvador. O profeta Malaquias profetizou sobre a obra de um mensageiro que o Novo Testamento revela ser Jesus, bem como sobre a pregação do Evangelho que se espalharia pelo mundo. A profecia de Malaquias foi tão específica que contemplou até meso o arauto que prepararia o caminho para o Messias, ou seja, o profeta João Batista (Malaquias 1:11; 3:1,2; 4:5).

Receber Estudos da Bíblia

Até mesmo uma expressão muito comum do Antigo Testamento, “Eu serei seu Deus”, aplicada em diversos contextos (Jeremias 31:33; Oseias 2:23; Zacarias 8:8), em última análise encontra seu cumprimento final na pessoa de Cristo (cf. Hebreus 8:8-13).

O Antigo Testamento fala de Jesus Cristo

Na verdade, todo o Antigo Testamento, seja por promessas, pactos, repreensões ou mesmo símbolos, aponta para o Messias prometido, Àquele que haveria de cumprir o maravilhoso plano de redenção. Certamente a passagem do Antigo Testamento mais conhecida acerca de Jesus é Isaías 53, onde o profeta Isaías profetizou acerca do Servo sofredor, mas essa é apenas uma de tantas outras.

O próprio Isaías também profetizou que o Messias, o Emanuel, nasceria de uma virgem, e que seu nome seria “Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz” (Isaías 7:14; 9:6).

O profeta Miqueias, por exemplo, profetizou que o Messias nasceria em Belém (Miqueias 5:2; cf. Mateus 2:1-12). O profeta Ageu também falou acerca da restauração da linhagem de Davi, uma promessa que encontra seu cumprimento final em Jesus (Ageu 2:6-9; cf. Lucas 20:41-44).

Até mesmo o Templo, que recebe grande destaque no Antigo Testamento por ser o local onde a presença de Deus se revelava de maneira especial, é uma figura que aponta para Cristo e sua Igreja, visto que Ele é o Templo final (João 2:21,22), e sua presença hoje habita em sua Igreja (1 Coríntios 6:19,20).

Também o profeta Daniel teve uma visão em que viu Um como o Filho do Homem, o qual recebeu todo domínio e poder para reinar para sempre (Daniel 7:13). Aqui vale lembrar que “Filho do Homem” é a principal autodesignação de Jesus no Novo Testamento.

O Novo Testamento usa o Antigo Testamento para falar de Jesus

O próprio Jesus, durante seu ministério terreno, deixou claro que o Antigo Testamento aponta para ele. Certa vez, Jesus censurou os judeus religiosos que diziam examinar as Escrituras, mas não percebiam que elas testificavam dele, e ainda mais diretamente declarou que todo o Pentateuco, isto é, todos os livros de Moisés, testemunham sobre Ele (João 5:39-47). Saiba mais sobre o significado da frase “examinais as Escrituras”.

Talvez a passagem nos Evangelhos mais significativa nesse sentido é aquela registrada pelo evangelista Lucas onde narra o episódio dos dois discípulos que andavam no caminho de Emaús, onde Jesus os repreendeu dizendo que eles eram néscios e tardios de coração para crer no que os profetas disseram, e “começando por Moisés, e por todos os profetas”, Ele explicou-lhes “o que dele se achava em todas as Escrituras” (Lucas 24:25-27).

Depois, no mesmo capítulo 24 de Lucas, Jesus ainda declara: “São estas as palavras que vos disse estando ainda convosco: que convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na Lei de Moisés, e nos profetas e nos Salmos” (Lucas 24:44). Ao escutarem isto, o entendimento dos discípulos se abriu e eles compreenderam as Escrituras.

Aqui é importante entender que a informação de que eles compreenderam as Escrituras significa que eles entenderam que todo o Antigo Testamento aponta para Cristo e sua obra de redenção, isto é, o próprio Cristo é o centro no Antigo Testamento, de ponta a ponta, incluindo tudo o que Moisés, os profetas, os cronistas e os salmistas escreveram.

Os apóstolos, ao escreverem suas epístolas neotestamentárias, fizeram uso maciço das Escrituras, justamente por perceberem, com a inspiração do Espírito Santo, que o grande propósito do Antigo Testamento é falar de Cristo. Podemos citar aqui algumas passagens que exemplificam isto.

Em Romanos 15:3, o apóstolo Paulo cita o Salmo 69:9 como um salmo que se refere a Jesus, e depois, escrevendo aos cristãos de Corinto, ele afirma que em Cristo se cumpre todas as promessas de Deus (2 Coríntios 1:20). O mesmo apóstolo, ao escrever a Timóteo, afirma que o Antigo Testamento é eficaz ao revelar a verdade acerca da salvação pela fé em Cristo (2 Timóteo 3:15-17).

O escritor do livro de Hebreus também utilizou o Antigo Testamento para mostrar a legitimidade, a superioridade e a perfeição do sacerdócio de Cristo. Num dos pontos mais explícitos sobre isso, ele recorre à figura de Melquisedeque e seu sacerdócio, como uma tipificação do sacerdócio de Cristo (Hebreus 7-8; cf. Gênesis 14; Salmo 150).

O apóstolo Pedro igualmente escreveu que os profetas do Antigo Testamento, e esse termo “profeta” indica todos os escritores veterotestamentários, profetizaram, pelo Espírito de Cristo, os sofrimentos e a glória do Messias, apontando para a salvação pela graça (1 Pedro 1:8-12).

Além de todas essas referências, ainda vale lembrar que quando o Antigo Testamento registra Teofanias, isto é, aparições de Deus (cf. Gênesis 18:1; Isaías 6:1-5), ou mesmo manifestações do Anjo do Senhor que apontam para esse tipo de contexto, normalmente se entende que se trata da Segunda Pessoa da Trindade, visto que nunca ninguém viu a Deus, “mas o Deus Unigênito, que está junto do Pai”, é quem o revelou (João 1:18).

Com tudo isso, fica mais do que claro que ao falarmos sobre Jesus no Antigo Testamento, devemos entender que não são apenas poucas palavras que falam sobre Ele, mas que do começo ao fim as Escrituras testificam da Pessoa de Cristo e de sua obra redentora.

Tag
Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close