O Livro do Apocalipse

O livro do Apocalipse certamente é considerado por muitos cristãos como o livro mais difícil de interpretar na Bíblia. Realmente sua interpretação não é das mais fáceis, porém muita gente desconhece os princípios básicos e as características principais sobre o livro. Ao contrário do que muita gente pensa, há muito mais no livro do Apocalipse do que apenas um tipo de “manual sobre o futuro”.

O que significa Apocalipse?

O título do livro (Apocalipse) vem do grego Apokalypsis e significa “revelação” ou “desvelamento”. Seu estilo literário contém muitos elementos simbólicos, como também ocorre em algumas partes de outros livros bíblicos, como Ezequiel, Daniel e Zacarias.

Quem escreveu Apocalipse?

No capítulo 1 o autor se identifica como João e, desde o século II d.C., acredita-se que esse João se trata do Apóstolo João. É verdade que existe uma critica sobre essa afirmação, e alguns estudiosos defendem a ideia de que o Apóstolo João e o autor do livro do Apocalipse sejam pessoas diferentes.

O primeiro a levantar essa possibilidade foi Dionísio no século III d.C., após comparar o estilo literário de Apocalipse com o Evangelho de João. Apesar dessa crítica, a opinião mais aceita, e também mais provável, é que realmente tenha sido o próprio Apóstolo João o seu autor.

Data e contexto histórico de Apocalipse

Existe uma discussão sobre a data em que o livro do Apocalipse foi escrito. Alguns estudiosos entendem que Apocalipse foi escrito antes de 70 d.C., entre 54 e 68 d.C., durante o governo do imperador romano Nero Cesar. Geralmente são os preteristas que adotam uma data anterior a 70 d.C., pois atribuem boa parte do livro a destruição de Jerusalém.

Receber Estudos da Bíblia

Outros estudiosos defendem que Apocalipse foi escrito após 70 d.C., entre 81 e 96 d.C. durante o governo de Domiciano. A interpretação mais aceita é que Apocalipse tenha sido escrito na década de 90 d.C. Independente da data, a verdade é que o livro do Apocalipse foi escrito em um período muito difícil para os cristãos.

Embora a maioria das pessoas abra o livro do Apocalipse querendo enxergar apenas acontecimentos futuros, o contexto histórico do livro é muitíssimo importante para compreendê-lo com coerência e sensatez. Aplicar uma interpretação estritamente futurista ao Apocalipse é cometer um erro básico de hermenêutica e desconsiderar a própria história do cristianismo.

O livro foi escrito por João enquanto prisioneiro na ilha de Patmos, e inicialmente é dirigido as sete igrejas da Ásia Menor (atual região ocidental da Turquia), sendo elas: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia.

Naquela época havia muita perseguição sobre cristãos e, na própria carta à igreja de Esmirna no capítulo 2, é alertado que ainda mais perseguições haveriam de acontecer. Falsos mestres estavam ensinando heresias que minavam o entendimento de alguns e se alastravam entre os cristãos, como por exemplo o Gnosticismo.

Tais ensinamentos heréticos tentavam aproximar o paganismo e o cristianismo. Combinado a tudo isto, ainda existia a perseguição física e moral por parte do Império Romano. Após a queda de Jerusalém, foi imposto o culto ao imperador, e os oficiais romanos tentavam forçar os cristãos a adorar o próprio governante romano. Como sabemos, esse foi um período complicado e de muitos mártires.

É no meio desse cenário que Cristo dá uma série de revelações a João. No capítulo 1 e versículo 19, podemos notar que o propósito do livro do Apocalipse abrange os acontecimentos presentes da época e os acontecimentos que ainda iriam ocorrer.

Basicamente, a mensagem do livro do Apocalipse para as sete igrejas é que Cristo estava ciente das condições que os cristãos estavam enfrentando, e os exorta a continuarem firmes, resistindo a todas as tentações e dificuldades, pois a vitória já foi garantida pelo próprio Jesus, e em breve Satanás será derrotado definitivamente e a Igreja reinará eternamente com Deus.

É por esse aspecto que podemos observar o propósito principal do livro de Apocalipse, e entendermos que o conteúdo do livro não está restrito apenas àquelas igrejas, mas é uma mensagem endereçada a todas as igrejas de todos os períodos até o fim dos tempos, ou seja, mostra o reinado de Deus sobre toda a História, culminando em um final triunfante em Cristo. Sem dúvida o Apocalipse aborda o passado, presente e futuro.

Diferentes interpretações sobre o livro de Apocalipse:

Os estudiosos discordam entre si sobre a maneira correta de interpretar o livro do Apocalipse. Dessas discordâncias surgiram quatro estilos de interpretação:

  • Preterista: praticamente tudo já se cumpriu na destruição de Jerusalém e na queda do Império Romano;
  • Historicista: as revelações vão se cumprindo no decorrer da história da igreja até a Segunda Vinda de Cristo;
  • Idealista: as revelações não descrevem eventos específicos, mas princípios espirituais que se aplicam a toda história da igreja;
  • Futurista: praticamente tudo será cumprindo em um período final que antecede a volta de Cristo.

Para saber mais sobre isso leia nosso texto “Métodos de Interpretação do Livro de Apocalipse“.

Penso que a maneira mais correta de interpretar o livro do Apocalipse seja uma combinação dos quatro estilos de interpretação acima. Sob esta perspectiva, podemos dizer que muitas passagens de Apocalipse possuem três aplicações, ou seja, tratam de eventos específicos do século I, de momentos ao longo da história da igreja e também fazem referência ao período de crise final que antecede a segunda vinda de Cristo.

Posições a cerca do Milênio:

Outro ponto que é alvo de muita discussão em Apocalipse é o período de mil anos descrito no capítulo 20 com Cristo reinando. Sobre esse período, existem basicamente três interpretações:

Pré-Milenistas: defendem que esse período ocorrerá após a segunda vinda de Cristo, com Ele reinando literalmente sobre a terra durante mil anos, ou para alguns, não necessariamente mil anos, mas durante um longo período de tempo.

Pós-Milenistas: acreditam que o milênio se refere a um período final da História da Igreja na terra, onde haverá paz e prosperidade sem igual, devido à evangelização que resultará na conversão da maioria das pessoas.

Amilenistas: entendem que o milênio é um reinado espiritual que ocorre com a igreja na terra pregando o Evangelho e com os santos juntamente com Cristo no céu. Esse período então foi iniciado na primeira vinda de Cristo, onde Satanás foi preso com a vitória de Cristo na crucificação e ressurreição. A maioria dos Amilenistas também defende um período final de grande tribulação sobre a terra antes da segunda vinda de Cristo.

Para saber mais sobre isso leia nosso texto “As Diferentes Correntes Escatológicas“.

É importante dizer que nenhuma das opiniões acima nega a volta de Cristo, apenas discordam entre si da ordem cronológica dos eventos futuros. Seja como for, o importante é que todos concordam que Cristo voltará, que os ímpios serão julgados e condenados eternamente junto com Satanás e seus anjos, e o povo de Deus viverá eternamente com Ele.

Diferentes leituras de Apocalipse:

Existem basicamente duas formas de leitura e organização do livro do Apocalipse: Leitura Progressiva e Leitura Recapitulativa.

A Leitura Progressiva (ou Sucessiva) organiza o conteúdo de Apocalipse como eventos sucessivos cronologicamente. Já a Leitura Recapitulativa (ou Paralelismo Progressivo), divide o conteúdo do livro em seções que recapitulam os mesmos eventos, ou seja, a mesma história é contada várias vezes adicionando em cada repetição novos elementos e detalhes que vão intensificando a narrativa.

Para saber mais sobre isso leia nosso texto “Leitura de Recapitulação ou de Sucessão em Apocalipse?“.

Esboço do livro do Apocalipse:

Dependendo do tipo de leitura adotado para organizar o conteúdo do Apocalipse, o esboço pode sofrer diversas modificações. Mas bem resumidamente, um esboço simples e objetivo do livro de Apocalipse seria o seguinte:

  1. Capítulos 1 a 3 – Prólogo e as Cartas as Sete Igrejas: Cristo no meio dos Sete Castiçais;
  2. Capítulos 4 a 7Os Sete Selos (início da série de visões celestiais);
  3. Capítulos 8 a 11As Sete Trombetas;
  4. Capítulos 12 a 14 – O nascimento de Cristo e o Dragão perseguidor: A Mulher e o Dragão;
  5. Capítulos 15 a 16As Sete Taças;
  6. Capítulos 17 a 19 – A Queda da Babilônia e das Bestas;
  7. Capítulos 20 a 22 – O Reino dos Santos e o Juízo Final (incluindo as exortações finais e o encerramento).

Tag
Artigos relacionados

3 comentários em “O Livro do Apocalipse”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close