O que é Soteriologia? A Doutrina da Salvação

Soteriologia talvez seja uma das áreas mais discutidas dentro da teologia. Isto acontece porque teólogos, com diferentes posicionamentos sobre o assunto, iniciaram um debate sobre a soteriologia bíblica que já dura vários séculos.

Mas afinal, o que é Soteriologia?

Soteriologia é basicamente a doutrina da salvação. Isto significa que a soteriologia é a área da teologia que estuda a salvação em todos os seus aspectos. A palavra “soteriologia” vem dos termos gregos soteria, “salvação” ou “livramento”; e logos, “palavra”. O termo “soteriologia” começou a ser utilizado no século 19.

Há subdivisões dentro da soteriologia que abordam a salvação em seus diferentes aspectos, tais como: um plano eterno e obra remidora de Deus; a expiação no sangue de Cristo; a operação da graça divina; o estado do homem em relação ao pecado; a obra do Espírito Santo; e o destino final do homem.

Existem muitas teorias com diferentes visões sobre vários pontos dentro da soteriologia. O objetivo deste estudo bíblico é ser bem simples, objetivo e de fácil entendimento. Portanto, priorizaremos os pontos mais importantes sobre a soteriologia bíblica.

Soteriologia: a doutrina da salvação

Vários termos hebraicos e gregos são utilizados na Bíblia para se referir à salvação, desde o Antigo Testamento até o Novo Testamento. No hebraico, a raiz mais importante para salvação é yasha que significa “liberdade” ou “libertar daquilo que prende”. Existem vários substantivos derivados desta raiz, e todos trazem a ideia de “libertar” ou “resgatar”.

No grego, o verbo sozo e seus cognatos soteria (salvação) e soter (salvador) traduzem o hebraico yasha.  Nos livros do Novo Testamento o termo soteria aparece apenas em conexão com Cristo como Salvador.

Biblicamente a salvação é uma obra completamente de Deus, em todos os aspectos. Na ideia bíblica de salvação o homem é resgatado de seu estado de pecado para o estado de glória através de Jesus. É pela morte de Cristo que o pecador é remido de seus pecados.

Quando Cristo voltar, a natureza caída e pecaminosa do homem será totalmente aniquilada. Então acontecerá também a redenção do nosso corpo (Romanos 8:23). Nesse ponto a salvação encontrará seu cumprimento pleno (Hebreus 9:28).

Soteriologia: quais são bênçãos da Salvação?

A soteriologia destaca as bênçãos resultantes da salvação, das quais podemos destacar:

  • Redenção: é a total liberdade por meio do resgate pago por Jesus (2 Pedro 2:1; Gálatas 3:13; Mateus 20:28).
  • Reconciliação: agora o relacionamento do homem, antes pecador e agora redimido, passou a ser de comunhão com Deus e não mais de inimizade.
  • Propiciação: através do sacrifício de Cristo a ira de Deus não está sobre os salvos.

Quando uma pessoa é salva, significa que em relação a Deus essa pessoa é redimida, justificada, reconciliada e limpa.

Receber Estudos da Bíblia

Soteriologia: quais as diferentes teorias da expiação?

Ao longo da História, várias visões diferentes sobre a expiação foram desenvolvidas, propostas e defendidas. De forma resumida, vejamos as teorias mais conhecidas:

  • Teoria da Recapitulação: esta teoria defende a ideia de que o sacrifício de Cristo reverteu o curso da humanidade da desobediência para a obediência; e que a vida de Jesus representou todas as fazes da vida humana, daí a ideia de “recapitulação”. Esta teoria não encontra apoio bíblico.
  • Teoria Mística: esta teoria diz que a expiação de Cristo foi um triunfo contra a sua própria natureza pecaminosa. Então supostamente essa vitória influencia o homem a querer se aproximar de Deus. Nesta teoria Jesus é classificado como um pecador entre os pecadores. Por isto ela contradiz totalmente a Bíblia que afirma claramente que Jesus nunca pecou e que não foi achado pecado algum n’Ele. Jesus era santo, inocente e separado dos pecadores (Hebreus 7:26). O próprio Jesus desafiou os homens a encontrarem qualquer pecado n’Ele (João 8:46). A Bíblia também diz que Cristo é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (João 1:29). Esta visão também leva ao universalismo da salvação, ou seja, à salvação de todos os homens. A Bíblia diz claramente que nem todos serão salvos, e que haverá condenação eterna para os perdidos (Mateus 25:41,46; Apocalipse 20:14,15).
  • Teoria do Resgate Pago a Satanás: você já deve ter escutado algo relacionado a esta teoria. Nela é defendida a ideia de que o sacrifício de Jesus foi para pagar um resgate a Satanás. Ele teria comprando a liberdade do homem que era escravo do Diabo. Esta é outra teoria totalmente contrária aos ensinos bíblicos. Deus nunca deveu nada a Satanás, e o homem pecador também não. O pecado colocou o homem em divida com Deus e não com o Diabo. Biblicamente a exigência do pagamento de um resgate foi em relação à justiça de Deus, ou seja, Deus é quem exige tal pagamento.
  • Teoria do Exemplo: esta teoria coloca a expiação de Cristo como um exemplo de obediência e fé a ser seguido. Claro que a vida de Jesus é um exemplo que deve ser seguido. Mas da forma como é colocado na Teoria do Exemplo, ocorre a negação do estado espiritual morto e caído do homem, contradizendo a Bíblia.
  • Teoria da Influência Moral: semelhante a Teoria do Exemplo, esta teoria afirma que a expiação de Cristo demonstra um amor que influencia o homem ao arrependimento. Esta teoria também nega a doutrina bíblica da total incapacidade humana em se arrepender por si só.
  • Teoria Governamental: esta visão foi elaborada por Hugo Grotius (1583-1645 – o mesmo do Direito Internacional) e traz a ideia de que o sacrifício de Cristo substituiu a penalidade do pecado, mas no sentido de que as leis de Deus foram quebradas e que alguma penalidade foi paga, dependendo agora do homem reconhecer tal pagamento. Sob este aspecto, a morte de Cristo seria apenas o pagamento suficiente de uma divida, ao invés de um sacrifício verdadeiro e inatingível para qualquer humano para satisfazer a justiça divina. Desta forma, a Teoria Governamental resulta na ideia de que a morte de qualquer outra pessoa teria tido o mesmo valor da morte de Jesus; desde que os homens se convencessem do seu estado de pecado e das consequências desse pecado.
  • Teoria da Substituição Penal: esta visão é mais concreta biblicamente. Ela afirma que o homem natural está morto espiritualmente em seus delitos e pecados. Ele é incapaz de qualquer ação positiva em relação à sua própria salvação. Então o sacrifício de Cristo expiou a culpa, cumprindo completamente as exigências da justiça de Deus sobre o pecado, trazendo perdão, imputando justiça e reconciliando o homem com Deus.

Soteriologia: Sinergismo e Monergismo

Dentro da soteriologia bíblica também é discutida a forma com que o homem interagem no processo de salvação. Neste ponto surge duas ideias básicas: Sinergismo e Monergismo.

No sinergismo a salvação é definida como um resultado da vontade de Deus em cooperação (sinergia) com a escolha humana. Já no Monergismo, a salvação é uma obra absolutamente de Deus, sem influência alguma do homem. Em outras palavras, o que esta realmente sendo discutido é o tão famoso debate entre livre-arbítrio e predestinação.

A questão do Sinergismo e Monergismo deu origem a um grande debate se estende dentro da Igreja ao longo dos séculos. Esse debate resultou em algumas linhas teológicas muito conhecidas e aplicadas nas igrejas.

  • Arminianismo: o maior expoente deste sistema foi o teólogo holandês Jacob Armínio (1560-1609). Este sistema tenta explicar uma ideia de livre-arbítrio humano em relação à soberania de Deus. O Arminianismo deposita mais ênfase na responsabilidade humana que, em certo momento, acaba se sobressaindo em relação à soberania de Deus, pelo menos no que diz respeito à salvação. Os pontos principais do Arminianismo moderno são: Depravação Parcial (o homem mesmo corrompido pelo pecado é capaz de escolher se aproximar de Deus); Eleição Condicional (Deus elegeu os salvos com base em sua presciência sabendo quem iria crer n’Ele); Expiação Ilimitada (Jesus morreu por todos, incluindo os que não serão salvos); Graça Resistível (o homem pode resistir à salvação); Queda da Graça ou Salvação Condicional (o homem pode perder a salvação, sendo necessário então mantê-la). Vale lembrar que o Arminianismo clássico rejeita a Depravação Parcial e tem uma visão mais parecida com o Calvinismo em relação à Depravação Total. Muitos arminianos, principalmente os clássicos, também rejeitam a ideia da Queda da Graça.
  • Calvinismo: tem João Calvino (1509-1564) como maior expoente, embora antes dele muitos líderes da Igreja já defendiam a mesma ideia em relação à salvação. O Calvinismo enfatiza a soberania de Deus em relação à responsabilidade humana, e nega a ideia de livre-arbítrio. Os pontos principais do Calvinismo são: Depravação Total (o homem é incapaz de escolher a salvação por estar morto em delitos e pecados); Eleição Incondicional (Deus elegeu soberanamente alguns para a salvação já que o homem é incapaz de qualquer resposta à Deus); Expiação Limitada (o sacrifício de Jesus é eficaz apenas para os eleitos, ou seja, Cristo morreu apenas pelos que realmente seriam salvos); Graça Irresistível (quando Deus chama o homem, este efetivamente responde de forma positiva); Perseverança dos Santos (todos aqueles que Deus escolheu irão perseverar na fé e jamais pereceram, pois a obra de Deus é completa). Dentro do Calvinismo existe também o Calvinismo de Quatro Pontos. Este último discorda da ideia de Expiação Limitada e defende uma visão semelhante ao do Arminianismo.
  • Pelagianismo: ensino que foi defendido por um monge chamado Pelágio do século IV. Seu ensinamento afirmava que os homens não nascem contaminados pelo pecado. Segundo ele os homens são naturalmente inocentes e aprendem a pecar no decorrer da vida. Este é o ensino mais focado na defesa do livre-arbítrio do homem. Para o Pelagianismo o homem possui uma alma livre do pecado, ou seja, ele pode ser imparcial. Esta ideia contradiz totalmente a Bíblia que afirma que todos os homens são afetados pelo Pecado Original de Adão (Romanos 5:12). Ninguém consegue escapar de nascer com inclinação ao mal (Romanos 3:10), já que somos pecadores no momento da concepção (Salmo 51:5). Como resultado disto, todos os homens morrem (Romanos 6:23).
  • Semipelagianismo: é uma adaptação do Pelagianismo e ensina que a humanidade é contaminada pelo pecado, mas não de tal forma que impeça o homem a se decidir por Deus. Em outras palavras, o homem supostamente seria capaz de cooperar com Deus devido aos seus esforços e escolhas. Então isto seria um tipo de “depravação parcial” e não “depravação total”. A Bíblia é clara ao afirmar que o homem é totalmente incapaz de se aproximar de Deus por escolha própria. Ele é incapaz de cooperar com Deus em relação à salvação, e possuí sua natureza completamente corrompida.

O estudo da soteriologia bíblica é muito importante para qualquer cristão. Apesar de neste estudo termos falado apenas sobres os pontos principais da soteriologia, o principal é entender que a salvação é algo tão maravilhoso que excede o entendimento humano. Por mais que estudemos, sempre haverá algo misterioso para nós.

A única coisa que nos resta é epenas reconhecer a gradeza da graça de Deus em contraste com a profundidade da depravação humana. Se fizermos isto, dificilmente iremos contradizer os ensinos bíblicos na área da soteriologia.

Que tal fazer Bacharel em Teologia sem mensalidades? Clique aqui! Pergunta Estudo Bíblico

Um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar