O Que Significa Alfa e Ômega

Alfa e ômega são a primeira e última letras do alfabeto grego (Αα – Ωω). Como expressão teológica, Alfa e Ômega significa “Primeiro e Último”, sendo utilizada em alguns textos bíblicos como um título para Deus Pai e Deus Filho. A seguir, entenderemos melhor o que significa Alfa e Ômega na Bíblia.

Por ser uma expressão tipicamente baseada no alfabeto grego, vale saber que o Novo Testamento foi escrito originalmente nesse idioma, o chamado grego koiné ou grego helenístico, que basicamente era o grego popular, o dialeto mais falado naquela época.

Na verdade, no idioma hebraico também já existia uma expressão similar a essa, envolvendo as letras ‘alef e taw (א, ת). Por exemplo, existem comentários rabínicos que afirmam que Adão transgrediu a Lei do ‘alef ao taw, ou seja, toda ela, do começo ao fim.

Também é interessante observar que os hebreus, os gregos e os romanos utilizavam as letras de seus alfabetos como numerais, e isso enfatiza ainda mais a compreensão do sentido de alfa e ômega como sendo “primeiro e último”.

Significado de Alfa e Ômega na Bíblia

A expressão Alfa e Ômega aparece originalmente em três referências no livro do Apocalipse (Ap 1:8; 21:6; 22:13). Além dessas três referências, ainda no livro do Apocalipse, a maioria das traduções do Novo Testamento em português aplicam a frase “Eu sou o Alfa e o Ômega, o Primeiro e o Derradeiro” em Apocalipse 1:11, porém essa frase não aparece nos melhores manuscritos antigos.

Podemos entender o significado da expressão “Alfa e Ômega” à luz das Escrituras da seguinte forma:

  1. Deus, como o Alfa, significa que Ele é o Criador de todas as coisas, o único que possui o conhecimento da origem de tudo que existe.
  2. Deus, como o Ômega, significa que Ele é o Consumador, aquele que possui o poder e o controle de todas as coisas para conduzir a História segundo os seus propósitos.

Em outras palavras, a expressão “Alfa e Ômega” aponta para os atributos de Deus e transmite o significado de que Ele é o Senhor do passado, presente e futuro. É fácil perceber isso quando analisamos cada uma das vezes em que essa expressão ocorre no livro do Apocalipse.

Deus Pai é o Alfa e o Ômega

Em Apocalipse 1:8 a expressão “Alfa e Ômega” é aplicada como um título a Deus Pai, e aparece acompanhada da frase “aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-Poderoso”. Em Apocalipse 21:6, “aquele que está assentado no trono” (Ap 21:5) se denomina como sendo o “Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim”.

Esse ensino também está presente em todo o Antigo Testamento, e aparece de forma bastante semelhante na profecia do profeta Isaías, numa declaração sobre a existência eterna e soberana de Deus, onde lemos: “Eu sou o primeiro, e eu sou o último, e fora de mim não há Deus” (Is 44:6). Somente Ele pode anunciar “as coisas vindouras, e as que ainda hão de vir” (Is 44:7).

Cristo é o Alfa e o Ômega

Já em Apocalipse 22:13, essa expressão é aplicada a Cristo, transmitindo exatamente o mesmo significado das vezes em que aparece aplicada a Deus Pai, inclusive sendo acompanhada da frase “O Primeiro e o Último, o Princípio e o Fim”. Sem dúvida a aplicação dessa expressão nesse versículo é bastante significativa.

Vimos que em Apocalipse 1:8 Deus Pai se apresenta como “o Alfa e o Ômega”. Ainda no capítulo 1 do Apocalipse, Jesus se apresenta como sendo “o Primeiro e o Último” (Ap 1:17). Agora, no último capítulo do livro que traz sua conclusão, Jesus se identifica explicitamente como sendo “o Alfa e o Ômega”, ou seja, Ele utiliza as mesmas palavras de identificação que o Pai utilizou, se colocando em pé de igualdade com Ele, numa clara declaração de sua eterna divindade, isto é, Ele é igual ao Pai em poder e em autoridade.

Dessa forma, a mensagem do Apocalipse atribui a Cristo o mesmo título de Deus Pai, indicando que Ele compartilha da soberania e dos atributos divinos (22:1). Esse ensino pode ser visto por todo Novo Testamento, como por exemplo, quando o próprio Cristo declara possuir “todo o poder no céu e na terra” (Mt 28:18), ou quando o apóstolo Paulo afirma a primazia de Cristo sobre toda a criação, e que nele tudo subsiste (Cl 1:15-18), ou ainda quando o escritor do livro de Hebreus ensina que o Antigo Testamento testifica da majestade e supremacia de Cristo (Hb 1).

Além disso, a expressão “Alfa e Ômega” aplicada a Cristo também enfatiza seu poder absoluto sobre a vida, a morte e a ressurreição, bem como sua soberania no julgamento final (cf. Jo 5:21-29).

Outra questão interessante é que nas passagens em que essa expressão ocorre, ela é precedida pelo “Eu sou”. Aqui naturalmente nos lembramos de quando Deus falou com Moisés dizendo: “Eu sou quem sou” (Êx 3:14). No Novo Testamento, também encontramos Jesus utilizando essa mesma fórmula, quando na vez em que Ele afirmou: “Antes que Abraão existisse, eu sou” (Jo 8:58).

A designação Alfa e Ômega certamente é uma fonte de conforto para os redimidos, bem como um aviso aterrorizante para os incrédulos, pois ela revela o profundo significado de que do princípio ao fim, Deus é o governante Soberano de todo o universo, e nenhum de seus propósitos serão frustrados.

Aplicativo de Estudo Bíblico

Você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.