Últimos Posts
Casa / Personagens Bíblicos / Quem Foi Estêvão na Bíblia?

Quem Foi Estêvão na Bíblia?

Estêvão foi o um dos sete homens escolhidos pelos apóstolos para serem diáconos da Igreja Primitiva de Jerusalém, cuidando da distribuição da assistência às viúvas e aos necessitados. Neste estudo bíblico conheceremos um pouco mais sobre a história de Estêvão.

A história de Estêvão

Estêvão era um membro da Igreja de Jerusalém, e aparece na narrativa bíblica no livro de Atos dos Apóstolos. O nome Estêvão significa “coroa”, do grego stephanos. Não se sabe exatamente a origem de Estêvão. Alguns acreditam que ele era um judeu helenista, ou seja, um judeu da dispersão que cresceu fora da Palestina e falava grego.

Outros sugerem que Estêvão poderia ser um judeu da Palestina mesmo, considerando que naquela época muitos judeus palestinos tinham nomes gregos. Há também quem defenda que Estêvão era um samaritano.

Seja como for, os sete homens escolhidos como diáconos tinham nomes gregos, sendo que sobre o último deles, Nicolau da Antioquia, o texto bíblico afirma explicitamente ser um prosélito.

A escolha de Estêvão como diácono em Jerusalém

O capítulo 6 do livro de Atos dos Apóstolos relata a instituição dos diáconos na Igreja Primitiva. Naqueles dias o número de cristãos estava crescendo, e houve uma crise entre os helenistas e os hebreus, onde aparentemente as viúvas dos judeus gregos estavam sendo prejudicadas na distribuição diária de alimentos.

Então os doze apóstolos (aqui com Matias já incluso) se reuniram, convocaram a comunidade cristã, e escolheram sete homens para supervisionar essa distribuição de mantimento. Então, juntamente com Estêvão, foram escolhidos: Filipe, Prócoro, Nocanor, Timão, Parnemas e Nicolau.

Especificamente sobre Estêvão, o texto bíblico o descreve como alguém repleto de fé e do Espírito Santo. Dentre esses homens escolhidos, a Bíblia destaca Estêvão e Filipe.

O ministério de Estêvão

O ministério de Estêvão foi muito além do diaconato. Além de cumprir suas responsabilidades perante a Igreja Primitiva, Estêvão se empenhou em proclamar o Evangelho, ficando marcado na História da Igreja.

Receber Estudos da Bíblia

O texto bíblico nos informa que Estêvão, tomado de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo. Estêvão e Filipe são citados no Novo Testamento realizando milagres semelhantes aos realizados pelos apóstolos. Saiba mais sobre os milagres no período apostólico da Igreja.

A pregação de Estêvão confrontava o antigo sistema religioso judaico, e logo despertou a ira dos membros da sinagoga dos judeus helenistas, que subornaram alguns homens para acusá-lo de blasfêmia (At 6:11).

O martírio de Estêvão

Estêvão foi o primeiro mártir da Igreja Cristã. Após ser acusado de blasfêmia, Estêvão foi levado perante o Sinédrio, onde falsas testemunhas depuseram contra ele, o acusando de pregar contra a adoração no Templo e contra a Lei (At 6:13).

A Bíblia diz que quando os membros do Sinédrio olharam para Estêvão “viram seu rosto como se fosse rosto de anjo” (At 6:15). Antes, o mesmo capítulo nos informa que os membros da sinagoga não conseguiam resistir à sabedoria e ao Espírito pelo qual Estêvão falava (At 6:10).

Perante o Sinédrio, Estêvão foi convidado a se defender. Sua defesa, sem dúvida, foi um dos mais brilhantes sermões já pregados em toda a História da Igreja. Sua pregação foi uma autêntica exposição das Escrituras, onde ele fez uma extraordinária retrospectiva do relacionamento de Deus com Israel, revelando o fracasso do Israel do Antigo Testamento e apontando para a esperança que só pode ser encontrada em Cristo.

Em sua pregação, Estêvão falou sobre a era Patriarcal, os dias de Moisés e o período de peregrinação no deserto e, por fim, o Tabernáculo e o Templo.

Estêvão falou sobre a chamada de Abraão, e como o patriarca demonstrou fé e obediências nas promessas do Senhor. No entanto, ele enfatizou a rejeição ao escolhido do Senhor quando José foi traído por seus irmãos (At 7:2-16).

Falando de Moisés, Estêvão apontou para como o líder hebreu foi rejeitado pelo povo, mesmo tentando protegê-lo. Estêvão entendeu que Moisés foi um predecessor do próprio Cristo, e a rejeição sofrida por ele foi uma rejeição ao próprio Deus (At 7:17-43).

Estêvão também falou sobre o Tabernáculo, desde a época em que era utilizado no deserto, também quando foi levado na liderança de Josué para a Terra Prometida, até os dias de Davi. Estêvão enfatizou o desejo de Davi em construir um Templo, que acabou sendo concretizado por seu filho, o rei Salomão. Com isto, Estêvão chamou a atenção para a verdade de que o Altíssimo não habita em casas feitas por mãos humanas, e que a ideia de um Deus estático e localizado era equivocada (At 7:48).

Por fim, Estêvão, usando metáforas com base no Antigo Testamento, denunciou a rebeldia espiritual daquele povo, demonstrando que não eram pessoas regeneradas, ou seja, aqueles que o estavam acusando de blasfêmia estavam agindo da mesma forma dos próprios antepassados idólatras que se rebelaram contra a liderança de origem divina.

Concluindo, Estêvão mostrou àqueles homens que assim como seus antepassados tinham perseguido os profetas que anunciaram a vinda do Messias, agora eles haviam traído e se tornado assassinos do próprio Cristo.

Ao ouvirem essa grave acusação feita por Estêvão, aqueles homens ficaram completamente enfurecidos. Mesmo assim, Estêvão fez uma grandiosa declaração: “Eis que vejo os céus abertos e o Filho do Homem em pé à destra de Deus” (At 7:56). Estêvão sabia que Jesus era o seu advogado. Isso não significava que ele seria livrado da morte, mas que a justiça de Deus vindicaria não somente seu sangue, mas o sangue de todos os mártires (Ap 6:10,11).

Então agarram Estêvão, o levaram para fora da cidade e o apedrejaram. O texto de Atos nos diz que suas vestes foram deixadas aos pés de um jovem chamado Saulo, que consentia na morte de Estêvão (At 7:58,60).

O exemplo de Estêvão

Estêvão aparece muito rapidamente na narrativa bíblica, de modo que não sabemos nenhuma informação biográfica sobre ele, ou qualquer outro detalhe que faz com que seja possível conhecermos um pouco melhor sobre sua origem.

No entanto, o curto relato sobre ele no livro de Atos é suficiente para termos a certeza do tipo de homem que Estêvão foi. Quando olhamos para seu testemunho diante de uma morte iminente, percebemos que aquela discussão citada sobre sua origem, se ele era da Palestina ou da Dispersão, não faz qualquer sentido: Estêvão era um cidadão do céu. Ele amava mais a sua pátria celestial do que suas tradições e origem terrena. Ele amava mais a vida de seu Mestre, do que sua própria vida.

É impossível não percebermos as semelhanças entre as acusações sofridas por Estêvão, bem como sua própria morte, e as acusações depositadas sobre Jesus e sua morte no Calvário. Estêvão foi condenado à morte por falsas acusações, tal como Jesus também o foi (cf. Mt 26:59-61; Mc 14:58).

Também da mesma forma como Jesus orou no momento da crucificação pedindo para que Deus Pai perdoasse seus algozes, Estêvão também o fez ao dizer: “Senhor, não lhes imputes este pecado!” (At 7:60). Saiba mais sobre as frases de Jesus na cruz.

Nos momentos finais na cruz, Jesus entregou o seu espírito ao Pai (Lc 23:46). Estêvão, por sua vez, entregou seu espírito a Jesus (At 7:59). Essa foi uma clara declaração sobre a divindade de Cristo.

Também na morte de Estêvão podemos ver o cumprimento da promessa feita por Jesus de que as portas do inferno não prevaleceriam contra sua Igreja. A palavra “inferno” foi utilizada para traduzir o original grego hades, que nesse caso significa morte, ou seja, o que Jesus estava dizendo é que o poder da morte não poderia triunfar sobre a Igreja. Saiba mais sobre o significado de hades.

Estêvão morreu, uma grande perseguição aos cristãos foi desencadeada, porém logo no capítulo seguinte já vemos Filipe pregando o Evangelho de uma forma muito semelhante à de Estêvão. A Igreja estava sendo perseguida, mas nada poderia ser capaz de barrar a pregação do Evangelho.

As vestes do primeiro mártir da era da Igreja foram depositadas nos pés de Saulo de Tarso, o maior perseguidor da Igreja. Mas uma promessa havia sido feita, a morte não poderia prevalecer contra os seguidores de Cristo, e mais tarde, um capítulo depois, no próprio livro de Atos (cap. 9), podemos entender que as vestes de Estêvão foram depositadas, na verdade, aos pés do maior líder do cristianismo: o apóstolo Paulo. O maior dos perseguidores, agora havia se tornado o maior pregador do Evangelho.

É assim que a graça de Deus faz, transforma o perseguidor em perseguido, para que a glória de Deus e a obra de Cristo na cruz sejam manifestadas. Assim como Estêvão, Paulo também foi martirizado, e com ele milhares de milhares de cristãos, mas a Igreja continua de pé, porque a morte não pode prevalecer contra os escolhidos de Deus.

Sobre Daniel Conegero

Daniel Conegero
Daniel Conegero é o líder do Projeto Estilo Adoração. Começou a pregar a Palavra de Deus com apenas 3 anos de idade. Aos nove anos começou a compor e liderar o louvor na igreja. É professor de Teologia e também da Escola Bíblica Dominical na igreja em que congrega. É formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Além disso, verifique

Quem foi o Profeta Jeremias

Quem Foi o Profeta Jeremias?

Jeremias foi um profeta que profetizou em Judá durante o reinado de seus últimos monarcas, ...

Um comentário

  1. Contenos a história de seu nome, a certeza de Daniel e de seus amigos. Tudo que ensina sobre a salvação em JESUS, é maravilhoso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *