Estudo Bíblico do Salmo 139

O Salmo 139 é um dos mais belos do Saltério. Um estudo bíblico do Salmo 139 revela a forma com que o salmista reflete acerca de quem é Deus. Esse salmo é uma oração pessoal em forma de poesia na qual o salmista medita nos atributos de Deus. Ele traz uma preciosa exposição que contrasta a grandiosidade do Senhor e a pequenez do homem.

Alguns críticos tentam datar esse salmo no período após o exílico babilônico, até mesmo atribuindo sua autoria a Zacarias. Mas é amplamente aceito que Davi é o autor do Salmo 139. O próprio título do salmo aponta para a autoria de Davi, mas a ocasião exata de sua vida em que ele foi escrito é desconhecida.

Esboço do Salmo 139

O Salmo 139 é organizado em quatro partes que destacam de forma central certos atributos de Deus.

  • Na primeira parte o salmista fala sobre a onisciência de Deus (Salmo 139:1-6).
  • Na segunda parte o salmista fala sobre a onipresença de Deus (Salmo 139:7-12).
  • Na terceira parte o salmista fala sobre a onipotência de Deus (Salmo 139:13-18).
  • Na quarta parte o salmista fala sobre a santidade de Deus e destaca o resultado prático e experiencial que esse atributo moral de Deus ocasiona em sua vida.

Onisciência, onipresença e onipotência são atributos incomunicáveis. Isso significa que somente Deus é quem os possui. Já a santidade é um atributo comunicável. Deus compartilha dessa santidade conosco e por isto Ele exige que sejamos santos. Ele diz: “Sede santos, porque Eu sou Santo” (Levítico 19:2).

O Salmo 139 traz uma mensagem aterrorizante para o pecador ao revelar a soberania de Deus sobre todas as coisas. Mas ao mesmo tempo ele também traz uma mensagem extremamente confortante ao revelar que o Deus soberano governa todas as coisas de acordo com sua infinita sabedoria, santidade e justiça. Ao mesmo tempo em que o Salmo 139 fala de um Deus soberano e transcendente, ele também fala de um Deus intimamente pessoal e imanente.

O Deus onisciente (Salmo 139:1-6)

Senhor, tu me sondas e me conheces. Sabes quando me sento e quando me levanto; de longe percebes os meus pensamentos. Sabes muito bem quando trabalho e quando descanso; todos os meus caminhos te são bem conhecidos. Antes mesmo que a palavra me chegue à língua, tu já a conheces inteiramente, Senhor. Tu me cercas, por trás e pela frente, e pões a tua mão sobre mim. Tal conhecimento é maravilhoso demais e está além do meu alcance, é tão elevado que não o posso atingir.

Nos seis primeiros versículos o salmista nos apresenta o Deus onisciente. Ele começa sua oração dizendo que o Senhor é Aquele que o sonda e o conhece. Sondar nesse texto transmite a ideia de “cavar”, “penetrar” ou “alcançar o mais profundo”.

Ao dizer: “Senhor, tu me sondas e me conheces”; o salmista declara que Deus sabe mais sobre sua vida do que ele próprio. Ele reconhece que o conhecimento de Deus vai ao mais profundo de seu ser, onde nem mesmo ele é capaz de ir.

A partir do verso 2, o salmista fala sobre como Deus conhece cada momento do seu cotidiano. Mas o salmista vai ainda mais além. Ele declara que Deus percebe de longe os seus pensamentos.

Na antiguidade os povos tinham um entendimento territorial de suas divindades. Cada cidade possuía o seu deus; eles pensavam que dentro dos limites daquele território tal divindade reinava, conhecia e protegia seus fieis.

Mas no Salmo 139 o salmista rompe e desconsidera esse conceito pobre e falido. Ele apresenta um Deus que não está preso a limites territoriais. Esse Deus não conhece apenas aquilo que está dentro das fronteiras de um determinado reino. O salmista fala de um Deus que de longe percebe cada pensamento do homem.

O pai não conhece o pensamento do filho; o filho não conhece o pensamento do pai. O marido não conhece o pensamento da esposa, e nem a esposa o pensamento do marido, por mais que se amem. Mas Deus conhece os nossos pensamentos.

Acredita-se que cerca de dez mil pensamentos são formulados diariamente em nossa mente. Muitos desses pensamentos ocorrem num grau que nem mesmo nós percebemos conscientemente. Isso significa que Deus conhece os pensamentos que nem mesmo nós conhecemos. Por isto o salmista diz que Deus também conhece cada uma de nossas palavras, antes de elas chegarem à nossa língua.

O Deus onipresente (Salmo 139:7-12)

Para onde poderia eu escapar do teu Espírito? Para onde poderia fugir da tua presença? Se eu subir aos céus, lá estás; se eu fizer a minha cama na sepultura, também lá estás. Se eu subir com as asas da alvorada e morar na extremidade do mar, mesmo ali a tua mão direita me guiará e me susterá. Mesmo que eu dissesse que as trevas me encobrirão, e que a luz se tornará noite ao meu redor, verei que nem as trevas são escuras para ti. A noite brilhará como o dia, pois para ti as trevas são luz.

A primeira reação do pecador diante da grandeza e da santidade do Deus onisciente é tentar escapar. Esse sentimento de fuga pode ser percebido desde a Queda do homem no Éden (Gênesis 3).

Mas no Salmo 139 o escritor entende o quanto isto é inútil. Jamais poderemos fugir do Deus onipresente. O salmista diz que os olhos de Deus o encontram onde quer que ele vá, seja no mais alto céu, ou no mais profundo abismo. Nem mesmo a morte pode esconder o homem dos olhos de Deus!

O salmista também diz que se ele subisse com as asas da alvorada e habitasse nos confins dos mares, a mão de Deus o guiaria e o sustentaria. A ideia nessa expressão é a de que mesmo que o homem pudesse alcançar as bordas do planeta com a velocidade da luz, ainda assim ele não estaria além do poder de Deus.

Caso o homem tente recorrer às trevas para se esconder de Deus, o salmista também diz que isto é impossível. Jamais alguém poderia se esconder nas trevas daquele que no princípio disse: “Que haja luz!” (Gênesis 1:2). Através do profeta Isaías Deus diz: “Eu formo a luz e crio as trevas” (Isaías 45:7).

Receber Estudos da Bíblia

O Deus onipotente (Salmo 139:13-18)

Tu criaste o íntimo do meu ser e me teceste no ventre de minha mãe. Eu te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável. Tuas obras são maravilhosas! Disso tenho plena certeza. Meus ossos não estavam escondidos de ti quando em secreto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra. Os teus olhos viram o meu embrião; todos os dias determinados para mim foram escritos no teu livro antes de qualquer deles existir. Como são preciosos para mim os teus pensamentos, ó Deus! Como é grande a soma deles! Se eu os contasse seriam mais do que os grãos de areia. Se terminasse de contá-los, eu ainda estaria contigo.

Na sequência do Salmo 139 o salmista fala sobre como o Deus onisciente e onipresente mostra sua onipotência na criação do homem. Ele mostra Deus como um artesão perfeito que constrói sua obra de arte no lugar mais improvável. Deus forma o homem secretamente na escuridão do ventre materno, e ali o enxerga com clareza e perfeição.

O salmista diz que Deus o teceu no ventre de sua mãe. Como um tecelão perfeccionista que cuida detalhadamente de cada fio que é entrelaçado, assim Deus forma o homem. Depois de três mil anos que o salmo 139 foi escrito, a ciência descobriu que o corpo humano é tecido com bilhões e bilhões de células.

Alguns cientistas falam em algo superior a trinta trilhões de células. O valor é estimado porque nunca ninguém conseguiu contar! O núcleo de cada célula possui cerca de dois metros de código genético organizado como uma fita que assombrosamente consegue caber num espaço que é tão pequeno que precisa ser medido em milionésimos de metros. Mas ainda assim, nenhum milímetro dessa fita genética se embaraça!

A ciência não sabe responder exatamente como isso pode ser possível, mas a Bíblia responde. O Salmo 139 declara que isso é possível porque o próprio Deus é quem entretece o homem!

No verso 16 os intérpretes tem se dividido quanto à sua interpretação. Basicamente há duas possibilidades. A primeira diz que o salmista afirma que os seus membros foram escritos no livro de Deus antes que qualquer um deles existisse. A ideia seria algo como um arquiteto que planeja, registra e executa cada detalhe do seu projeto. Nesse sentido, cada detalhe de cada membro de nossos corpos foi planejado e conhecido de acordo com o propósito soberano de Deus antes de seu desenvolvimento.

A outra possibilidade defende que são os nossos dias que foram registrados no livro de Deus antes que qualquer um deles existisse. A ideia é a de que o Deus que nos formou minuciosamente também planejou nossos dias até o fim, desde o começo. O contexto favorece as duas interpretações, e biblicamente as duas hipóteses são verdadeiras. Refletindo sobre a vida humana, certa vez declarou: “Visto que os seus dias estão determinados, contigo está o número dos seus meses; e tu lhe puseste limites, e não passará além deles” (Jó 14:5).

Diante de algo tão maravilhoso, o salmista não fica ofendido, mas se rende à grandeza de Deus. Se por um lado Deus conhece exaustivamente todos os seus pensamentos, por outro lado o salmista declara não ser capaz de enumerar os preciosos pensamentos de Deus. Tentar contá-los seria um delírio!

Mais tarde o apóstolo Paulo ficou tão extasiado quanto Davi diante dos decretos eternos de Deus. Por isto ele concluiu: “Porque dele, e por Ele, e para Ele são todas as coisas; glória, pois, a Ele eternamente. Amém!” (Romanos 11:33-36).

O santíssimo Deus e a submissão do homem a Ele (Salmo 139:19-24)

Quem dera matasses os ímpios, ó Deus! Afastem-se de mim os assassinos! Porque falam de ti com maldade; em vão rebelam-se contra ti. Acaso não odeio os que te odeiam, Senhor? E não detesto os que se revoltam contra ti? Tenho por eles ódio implacável! Considero-os inimigos meus! Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações. Vê se em minha conduta algo que te ofende, e dirige-me pelo caminho eterno.

Algumas pessoas não conseguem entender a última parte do Salmo 139. Alguns pensam que essa última parte não se harmoniza com o restante do salmo. Mas é fácil perceber que essa última parte é a única conclusão possível depois de o salmista refletir sobre a grandeza de Deus.

Em primeiro lugar, ele demonstra sua indignação contra aqueles que ousam fazer pouco caso de um Deus tão grande e maravilhoso. Por isto ele declara odiar os ímpios. Aqui é importante entender que não há contradição alguma com o ensinamento de Jesus no Novo Testamento de que temos que amar nossos inimigos. O salmista não está declarando sua ira contra seus próprios inimigos, mas contra os inimigos de Deus.

O ódio que o salmista sente e registra no final do Salmo 139 não está sob a base do egoísmo. Essa santa ira é a reação esperada daqueles que conhecem o verdadeiro Deus e não aceitam que alguém blasfeme dele. No Salmo 139 o escritor bíblico não está preocupado com sua própria honra, mas com a honra de Deus. Aqui a cabe o conselho do apóstolo Paulo: “Ireis e não pequeis” (XX).

Mas o salmista também demonstra não ser um hipócrita. Ele não aponta sua indignação apenas contra os ímpios, mas também contra ele mesmo. Ele sabe que no fundo, por sua própria natureza, ele não é melhor do que eles. Por isso ele sente temor diante da santidade de Deus. Então naturalmente ele encerra sua oração com um sincero pedido para que Deus o sonde, o prove, o esquadrinhe, e veja se há nele algo de errado.

O salmista reconhece que nem mesmo ele próprio é capaz de discernir completamente seu coração. O profeta Jeremias escreve que o coração do homem é enganoso (Jeremias 17:9). O salmista temia que algum mal oculto pudesse estar dentro dele. A palavra hebraica traduzida como “mal” é bastante ampla. Ela transmite, inclusive, um sentido de idolatria. Nesse sentido é como se o salmista estivesse dizendo: “Deus, sonda-me e veja se há algo escondido em mim que pecaminosamente possa querer tentar rivalizar com sua grandeza e ofender sua presença”. No final, ele pede: “Dirija-me pelo caminho eterno”.

Aplicações do estudo do Salmo 139

Obviamente são muitas as lições que aprendemos com o estudo do Salmo 139. Aqui citaremos quatro aplicações centrais desse salmo.

Em primeiro lugar, o Salmo 139 nos ensina que é impossível enganar ou passar despercebido pelo Deus onisciente. Ele conheçe cada detalhe e momento de nossa vida; conheçe exaustivamente os nossos pensamentos. Ele sabe mais sobre nós que nós mesmos.

Aqui podemos lembrar o episódio em que o profeta Samuel foi à casa de Jessé para ungir o novo rei de Israel. Ele ficou impressionado com a aparência de Eliabe, o irmão mais velho de Davi, mas Deus lhe disse: “Não atentes para a sua aparência, nem para a altura da sua estatura, porque o tenho rejeitado; porque o Senhor não vê como vê o homem. Pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração” (1 Samuel 16:7).

Em segundo lugar, o Salmo 139 nos ensina que é impossível escapar do Deus onipresente. O profeta Jonas foi alguém que pensou poder fugir de Deus. Talvez ele tenha pensado que seguindo no sentido contrário ao que lhe foi ordenado, ele conseguiria escapar do Senhor. Ele não poderia estar mais enganado.

Em terceiro lugar, o Salmo 139 nos ensina que é impossível se esconder do Deus onipotente. Ainda no exemplo de Jonas, o profeta não apenas tentou fugir de Deus, mas também tentou se esconder dele. Ele se deitou no porão de um navio no meio do mar, mas o Deus onipresente o encontrou ali. Como alguém poderia se esconder em pleno mar justamente daquele que criou o mar e a terra seca? Quão inútil e sem sentido era o plano de Jonas (Jonas 1:9).

Em quarto lugar, o Salmo 139 nos ensina que é impossível permanecer o mesmo após conhecer o grandioso e verdadeiro Deus; o Santíssimo criador e sustentador de todas as coisas. Se dizemos que conhecemos a Deus, mas não nos indignamos com a rebelião do pecador contra Ele; se aceitamos como algo normal a transgressão de sua Lei; e se vivemos nossas vidas flertando com o pecado, então há algo de muito errado conosco.

Que a oração do salmista no Salmo 139 seja também a nossa mais sincera oração em todos os dias de nossas vidas: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações. Vê se em minha conduta algo que te ofende, e dirige-me pelo caminho eterno” (Salmo 139:23,24).

2 comentários em “Estudo Bíblico do Salmo 139”

    1. É maravilhoo, jamais podemos escapar de Deus quando nos chama para servi-lo e adora-lo, oração muito sabia do salmista , pedir p Deus analizar seu carater seu coração e seus camihos é tremendo.Meu DEUS É Forte Demais!!!!!!!!!!!!!

      Quem tem chamado de Deus jamais consegue se esonder de Deus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close