Jó e a Realidade de Satanás: Satanás Existe?

A Bíblia afirma de forma clara a realidade de Satanás. Algumas pessoas tentam negar que Satanás existe, mas isso é um erro à luz da Escritura. Desde o livro de Gênesis a realidade de Satanás é revelada na Bíblia, quando na figura da serpente ele agiu como o tentador que enganou o primeiro casal no Éden (Gênesis 3).

Mas um livro bíblico que mostra de forma nítida a existência de Satanás é o livro de Jó. A realidade de Satanás na história de Jó é algo indiscutível. É verdade que adeptos da teologia liberal que negam a existência do diabo e dos demônios também tentam interpretar o livro de Jó como um conto, um mito. Mas a própria Bíblia não permite esse tipo de interpretação e não deixa qualquer dúvida de que assim como Jó foi um personagem histórico, assim também a realidade de Satanás é indiscutível (cf. Tiago 5:11).

A realidade de Satanás na Bíblia

Essa mesma verdade ecoa por outros livros da Bíblia. No Novo Testamento, por exemplo, o Senhor Jesus Cristo não deixou qualquer dúvida a respeito da realidade de Satanás. Ele foi tentado por Satanás e venceu (Mateus 4:1-11). Depois Ele disse que Satanás é o pai da mentira e um homicida desde o princípio (João 8:44).

Além disso, durante seu ministério Jesus expulsou vários demônios que têm por príncipe o próprio Satanás (Lucas 11:15-19); e afirmou que a proclamação do Evangelho pelo mundo significava a ruína do reino de Satanás (Lucas 10:18-21).

Na sequência do Novo Testamento os escritores bíblicos também jamais negaram a realidade de Satanás. O apóstolo Paulo, por exemplo, alertou os crentes que nossa luta não é contra carne e sangue, mas contra principados e potestades. E para enfrentar com êxito essa batalha espiritual os crentes precisam estar vestidos com a armadura de Deus (Efésios 6).

O apóstolo Pedro também escreveu sobre a realidade de Satanás dizendo que ele é como um leão que ruge a procura de quem possa tragar (1 Pedro 5:8). E assim como Pedro, Judas igualmente afirmou a existência de anjos que não guardaram sua posição e se rebelaram contra Deus (Judas 6). Por fim, o apóstolo João registrou no livro do Apocalipse a realidade de Satanás e suas investidas contra Deus e o seu povo. Mas o livro do Apocalipse também informa qual será o fim de Satanás (Apocalipse 20:10).

Receber Estudos da Bíblia

Analisando Jó e a realidade de Satanás

Então usando aqui o livro de Jó como base, vamos entender o que podemos aprender sobre a realidade de Satanás.

Em primeiro lugar, Jó nos ensina a respeito da natureza caída de Satanás. O livro começa dizendo que Satanás estava entre “os filhos de Deus” que se apresentaram perante o Senhor (Jó 1:6). Essa expressão, nesse contexto, refere-se aos anjos – o que indica que Satanás é um ser espiritual que foi criado originalmente bom, mas que acabou caindo de sua posição original ao pecar contra o pecador.

Isso também implica na verdade de que Satanás não é auto existente, não é um semideus ou um tipo de divindade má que rivaliza com o Senhor. Sim, ele é maior em poder e força que os homens, mas ele é simplesmente uma criatura rebelde.

Em segundo lugar, Jó nos ensina a respeito da pessoalidade de Satanás. O diabo não é uma energia, uma força ou um tipo de mal abstrato. Satanás é uma pessoa! Ele possui personalidade, vontade, inteligência e é moralmente responsável pelo que faz. No livro de Jó Satanás trava um diálogo bem articulado com Deus (Jó 1:9-11).

Em terceiro lugar, Jó nos ensina que a terra é o campo de atuação de Satanás. O texto bíblico diz que Satanás passeia sobre a terra, e deixa implícito que ele observa e tem conhecimento do que os homens fazem (Jó 1:7).

Algumas pessoas possuem uma visão distorcida de que Satanás está recluso no inferno atormentando as almas perdidas como um rei das trevas. Mas esse tipo de ideia não tem qualquer base bíblica. O inferno é o lugar onde o juízo de Deus se manifesta contra os pecadores impenitentes; e no fim dos tempos inclusive se manifestará contra Satanás e os seus anjos (Apocalipse 20). Por hora, Satanás e seus agentes agem na terra semeando o seu engano e se dedicando a afastar o homem de Deus.

Em quarto lugar, a principal atividade de Satanás é agir como acusador. Ele se apresentou diante de Deus e não perdeu a oportunidade de acusar Jó de ser infiel a Deus. Além disso, temos de observar que a acusação de Satanás contra Jó veio depois de o próprio Deus ter testemunhado a respeito da integridade e retidão de Jó. Então ao acusar Jó, de certa forma Satanás também estava se opondo à veracidade de Deus ao supor que Deus estava errado.

Além disso, o livro de Jó mostra Satanás tendo acesso à presença de Deus para levantar uma falsa acusação contra Jó. Sobre isso a maioria dos estudiosos afirma que esse privilégio ele perdeu com a morte, ressurreição e ascensão de Cristo ao Céu.

A Bíblia diz que em sua obra redentora Jesus Cristo impôs uma derrota esmagadora e definitiva a Satanás e seu império do mal (Colossenses 2:15). Inclusive, no livro do Apocalipse lemos sobre como Satanás e seus anjos foram expulsos do Céu, ficando incapacitado de acusar os crentes diante de Deus (Apocalipse 12:7-10).

Mas apesar disso, Satanás agora se dedica a perseguir os servos de Deus na terra, lançando acusações e tentações sobre eles para fazê-los tropeçar. Por isso que, em quinto lugar, em harmonia ao conteúdo do livro de Jó também podemos entender a realidade de Satanás como tentador. Nesse ponto nós jamais podemos subestimá-lo.

Aqui temos de lembrar que ele teve a audácia de tentar o próprio Cristo (Lucas 4:1-13). O apóstolo Paulo fala sobre as tentações de Satanás como “dardos inflamados” e “astutas ciladas” (Efésios 6:11-16). Isso pressupõe que Satanás age de forma inteligente e estratégica, assim como ele foi meticuloso ao tentar Jó.

Em sexto lugar, a história de Jó nos ensina que Satanás não é um ser autônomo. Ele não possui poder ilimitado. Satanás age apenas dentro dos limites impostos por Deus. Ele jamais poderá ir além de onde Deus lhe permite ir. Como disse Lutero, Satanás é um cão na coleira de Deus.

Se Satanás não estivesse sob o domínio de Deus, então Deus não seria Deus. Contudo, embora em sua infinita sabedoria – que não pode ser sondada pelo homem – Deus cumpra o seu bom propósito mesmo através das obras de Satanás, Deus jamais pode ser responsabilizado pelo mal.

Na verdade Deus é Aquele que torna o mal em bem para cumprir os seus desígnios eternos (Gênesis 50:20). Então de uma forma que não podemos compreender plenamente, Ele faz com que todas as coisas cooperem para o bem daqueles que amam a Deus e são chamados segundo o seu decreto (Romanos 8:28). Deus usou o sofrimento resultante do mal de Satanás praticado contra Jó, para aperfeiçoar a fidelidade de Jó.

Em sétimo lugar, a realidade de Satanás no livro de Jó nos ensina que a verdadeira fé resiste até mesmo aos mais implacáveis ataques de Satanás. Contra Jó a realidade de Satanás pôde ser vista em suas acusações e tentações. Mas ele não obteve êxito.

Satanás fez de tudo para levar Jó à blasfêmia contra Deus, mas ele teve o seu objetivo frustrado. O texto bíblico mostra que Jó não cedeu e que Satanás estava errado. Jó era exatamente quem Deus havia dito que ele era (Jó 42:7,8).

Jó sofreu muito, mas ele tinha a certeza de que o seu Redentor estava vivo e se levantaria sobre a terra para defender sua causa (Jó 19:25). Nesse ponto aprendemos que apesar da realidade de Satanás, a verdadeira fé é inabalável e está ancorada na maravilhosa graça de Deus revelada em Cristo Jesus. Ele é o Redentor, o Advogado que defende a causa do seu povo.

Que tal fazer Bacharel em Teologia sem mensalidades? Clique aqui! Pergunta Estudo Bíblico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar