A Beleza e a Glória do Culto Levítico

A beleza e a glória do culto levítico são descritas em detalhes no Antigo Testamento. O culto levítico dos tempos veterotestamentários recebeu uma regulamentação bem específica, com seus elementos, ritos e cerimoniais. Essas regulamentações foram dadas após o êxodo de Israel do Egito.

Antes mesmo da instituição oficial do culto a Deus na nação de Israel, a Bíblia registra alguns momentos específicos de adoração a Deus. Nos primeiros capítulos de Gênesis lemos sobre Caim e Abel oferecendo culto ao Senhor. Nesse episódio também percebemos que não é qualquer tipo de culto que Deus recebe. O culto de Abel foi aceito, mas o culto de Caim foi rejeitado.

Depois do Dilúvio Universal a prática do culto a Deus foi preservado, pois tão logo Noé prestou culto ao Senhor (Gênesis 8:20). No tempo dos patriarcas de Israel também encontramos alguns exemplos nesse sentido. Abraão, Isaque e Jacó ergueram altares para cultuarem a Deus (Gênesis 12:7; 26:25; 35:1-7). Basicamente esses cultos eram caracterizados pelo oferecimento de sacrifícios de gratidão. Mas também numa época muito remota, já oferecia sacrifícios ao Senhor de expiação de pecados (Jó 1:5).

  • Veja também: Quer melhorar o aproveitamento de suas aulas da EBD? Conheça um curso completo de formação para professores e líderes da Escola Bíblica Dominical. Conheça aqui! (Vagas Limitadas)

A instituição do culto levítico

Como já foi dito, na nação de Israel o culto levítico foi instituído e regulamentado na época de Moisés. Deus libertou seu povo do Egito para que Israel o adorasse em sua presença (Êxodo 3:12-18; cf. Êxodo 15:13-17).

Então Deus deu todas as instruções a Moisés acerca de como deveria ser a adoração em Israel. Deus deu ordens específicas para a construção de um lugar onde o povo congregaria e que servia como representação da presença de Deus no meio dele.

Esse lugar era o Tabernáculo. Toda sua forma, móveis e utensílios tinham uma finalidade e significado. Dentro do lugar restrito do Tabernáculo chamado Santo dos Santos ficava o símbolo máximo da presença e da habitação de Deus com seu povo: a Arca da Aliança. Deus também separou dentre os filhos de Israel, da tribo de Levi, as pessoas que seriam responsáveis por liderar a adoração em Israel.

Então o sacerdócio em Israel foi instituído, com a indicação de um sumo sacerdote que seria principal sobre os demais sacerdotes e os auxiliares levitas. A família de Arão, irmão de Moisés, foi a primeira família sacerdotal em Israel.

Grande parte do Pentateuco traz toda a regulamentação do culto levítico, principalmente o Livro de Levítico. Nesse livro há especificações muito claras acerca dos cerimoniais e do sistema sacrifical do culto levítico. Essa regulamentação da adoração expressava como os israelitas deveriam viver e se relacionar com Deus e com eles próprios.

Se o Tabernáculo era um santuário móvel, na época da monarquia com, o rei Davi, a adoração foi centralizada em Jerusalém. Logo depois, seu filho, o rei Salomão, construiu o Templo em Jerusalém.

Havia também um calendário onde algumas vezes ao ano todo povo de Israel deveria congregar perante o Senhor. Além dessas ocasiões especiais de adoração corporativa, os israelitas se dirigiam ao Tabernáculo e depois ao Templo somente quando iam oferecer certos sacrifícios.

Receber Estudos da Bíblia

Como o cristão deve interpretar a beleza e a glória do culto levítico?

Se o Antigo Testamento mostra a beleza e a glória do culto levítico que havia em Israel, o Novo Testamento interpreta o culto levítico e todos os seus elementos como algo transitório. O Tabernáculo e seus utensílios, o Templo, o sacerdócio, o sistema sacrifical e os cerimoniais do culto levítico eram tipos que apontavam para Cristo, e nele encontram seu cumprimento.

Muitos cristãos parecem ter dificuldade em entender isto. Eles procuram trazer para o culto cristão, elementos do culto da Antiga Aliança; e sem qualquer significado bíblico, esses elementos acabam assumindo propósitos místicos. Obviamente isto está completamente errado!

Pela obra redentora de Cristo, hoje não precisamos de um sistema sacrifical, de sacerdotes, levitas, utensílios sagrados e certos cerimoniais. Cristo é o nosso Sumo Sacerdote perfeito e eterno, que ofereceu a si mesmo em sacrifício uma vez por todas para redimir o seu povo do pecado. Agora Ele ministra em nosso favor não num Tabernáculo terreno, mas no Tabernáculo celestial na presença do Pai (Hebreus 6-10).

Como resultado disso, agora a Igreja é o templo do Espírito Santo; o “lugar” em que Deus habita intimamente com seu povo através de Cristo (1 Coríntios 3:16; 2 Coríntios 6:16; Efésios 2:21). Por mais belo e glorioso que fosse o culto levítico, ele era a sombra da realidade que hoje desfrutamos na Nova Aliança inaugurada por Cristo. Recorrer àquelas antigas práticas do culto do Antigo Testamento é rejeitar a Nova Aliança e tentar se apegar a Antiga Aliança que se tornou obsoleta (Hebreus 8:6-13).

1 comentário em “A Beleza e a Glória do Culto Levítico”

  1. Gosto por demais destes estudos obrigado ao irmão, Daniel Conegero, por me ofertar esta rica oportunidade de estudo bíblico teológico. Deus* seja glorificado através destes estudos. Parabens:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close